No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a viúva Edith Pretty contrata o escavador/arqueólogo Basil Brown para dar uma vasculhada na sua enorme propriedade. Nenhum dos dois poderia imaginar que Brown encontraria um proverbial tesouro, que mudou muitas concepções até então estabelecidas sobre a História anglo-saxã. O ano era 1939, e a Inglaterra estava prestes a entrar na Segunda Guerra Mundial. A escavação ocorria enquanto os aviões bombardeiros sobrevoavam as cabeças dos envolvidos.

O filme do diretor Simon Stone, a partir do livro de John Preston sobre o evento, é um drama introspectivo, de emoções reprimidas, quase nunca expressadas, bem de acordo com a estimada tradição do cinema britânico. Carey Mulligan interpreta Edith com uma composição bem quieta, irradiando calor e inteligência com os olhos e o rosto, visto que sua personagem já se encontrava com a saúde debilitada na época em que o filme se passa – numa daquelas liberdades típicas do cinema, Mulligan interpreta uma mulher que já estava na casa dos 50 anos quando os eventos reais aconteceram.

E Ralph Fiennes interpreta Brown como um sujeito humilde, sempre olhando para o chão, para baixo, o que afinal era o seu trabalho. Mas também tremendamente inteligente, e o laço que surge entre Edith e Brown sustenta o longa. Apesar de inicialmente acreditarmos que algo romântico poderia se desenvolver entre eles – apesar das diferenças de classe, outro tema muito britânico – “A Escavação” logo coloca isso de lado em nome das emoções perpetuamente sob a superfície.

Essa primeira metade de A Escavação é a mais interessante do filme, sustentada principalmente pelos ótimos trabalhos de Mulligan e Fiennes. Mas o filme tem outras qualidades também: a direção de Stone é segura e, ao mesmo tempo, discreta, valorizando as interações entre os personagens, e o trabalho de fotografia realmente consegue imergir o espectador naquele meio de vida bucólico e interiorano da Inglaterra, com vastas paisagens de campos abertos, interiores vívidos e cidades chuvosas.

SEGUNDO METADE INFERIOR

Quando a escavação atrai atenção, outros personagens entram em cena. Aí o filme começa a dissipar um pouquinho da sua força. Apesar de esses personagens trazerem conflitos e serem interpretados também por ótimos atores – Johnny Flynn, Ben Chaplin, Lily James e o sempre ótimo Ken Stott – eles acabam diluindo a obra. A personagem de James é quem tem o maior destaque, vivendo a jovem esposa de um dos arqueólogos, que está questionando seu casamento. De novo, isso fala ao tema maior da obra, o das emoções reprimidas, mas é difícil se envolver muito com o drama de uma personagem que literalmente aparece no meio do jogo, e é exposto ao espectador de maneira tão ampla.

Apesar dos esforços da atriz, aí é onde filme fica na superfície. Essa mudança no foco narrativo é sempre complicada de se fazer em filmes, e A Escavação não supera esse desafio. Além disso, a entrada desses personagens acaba colocando de escanteio por um tempo os personagens de Mulligan e Fiennes, e chegamos a sentir falta deles por um período no filme.

Mesmo assim, ao final de A Escavação, o espectador acaba confrontado por temas como transitoriedade da vida e o que fica para trás, trazidos à vida em cenas inegavelmente bem construídas e defendidas pelos atores. Apesar de não cavar muito fundo, é um filme que busca emoção na reflexão e na quietude, e não nos momentos de triunfo e de explosões emocionais – embora eles até apareçam na narrativa aqui e ali. Apesar de se focar num momento muito importante da história britânica, o filme privilegia a escala menor e não as grandes implicações. Não é um grande tesouro, e nem tenta ser, mas acaba funcionando bem como uma pequena pedra preciosa no catálogo implacável da Netflix.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...