No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a viúva Edith Pretty contrata o escavador/arqueólogo Basil Brown para dar uma vasculhada na sua enorme propriedade. Nenhum dos dois poderia imaginar que Brown encontraria um proverbial tesouro, que mudou muitas concepções até então estabelecidas sobre a História anglo-saxã. O ano era 1939, e a Inglaterra estava prestes a entrar na Segunda Guerra Mundial. A escavação ocorria enquanto os aviões bombardeiros sobrevoavam as cabeças dos envolvidos.

O filme do diretor Simon Stone, a partir do livro de John Preston sobre o evento, é um drama introspectivo, de emoções reprimidas, quase nunca expressadas, bem de acordo com a estimada tradição do cinema britânico. Carey Mulligan interpreta Edith com uma composição bem quieta, irradiando calor e inteligência com os olhos e o rosto, visto que sua personagem já se encontrava com a saúde debilitada na época em que o filme se passa – numa daquelas liberdades típicas do cinema, Mulligan interpreta uma mulher que já estava na casa dos 50 anos quando os eventos reais aconteceram.

E Ralph Fiennes interpreta Brown como um sujeito humilde, sempre olhando para o chão, para baixo, o que afinal era o seu trabalho. Mas também tremendamente inteligente, e o laço que surge entre Edith e Brown sustenta o longa. Apesar de inicialmente acreditarmos que algo romântico poderia se desenvolver entre eles – apesar das diferenças de classe, outro tema muito britânico – “A Escavação” logo coloca isso de lado em nome das emoções perpetuamente sob a superfície.

Essa primeira metade de A Escavação é a mais interessante do filme, sustentada principalmente pelos ótimos trabalhos de Mulligan e Fiennes. Mas o filme tem outras qualidades também: a direção de Stone é segura e, ao mesmo tempo, discreta, valorizando as interações entre os personagens, e o trabalho de fotografia realmente consegue imergir o espectador naquele meio de vida bucólico e interiorano da Inglaterra, com vastas paisagens de campos abertos, interiores vívidos e cidades chuvosas.

SEGUNDO METADE INFERIOR

Quando a escavação atrai atenção, outros personagens entram em cena. Aí o filme começa a dissipar um pouquinho da sua força. Apesar de esses personagens trazerem conflitos e serem interpretados também por ótimos atores – Johnny Flynn, Ben Chaplin, Lily James e o sempre ótimo Ken Stott – eles acabam diluindo a obra. A personagem de James é quem tem o maior destaque, vivendo a jovem esposa de um dos arqueólogos, que está questionando seu casamento. De novo, isso fala ao tema maior da obra, o das emoções reprimidas, mas é difícil se envolver muito com o drama de uma personagem que literalmente aparece no meio do jogo, e é exposto ao espectador de maneira tão ampla.

Apesar dos esforços da atriz, aí é onde filme fica na superfície. Essa mudança no foco narrativo é sempre complicada de se fazer em filmes, e A Escavação não supera esse desafio. Além disso, a entrada desses personagens acaba colocando de escanteio por um tempo os personagens de Mulligan e Fiennes, e chegamos a sentir falta deles por um período no filme.

Mesmo assim, ao final de A Escavação, o espectador acaba confrontado por temas como transitoriedade da vida e o que fica para trás, trazidos à vida em cenas inegavelmente bem construídas e defendidas pelos atores. Apesar de não cavar muito fundo, é um filme que busca emoção na reflexão e na quietude, e não nos momentos de triunfo e de explosões emocionais – embora eles até apareçam na narrativa aqui e ali. Apesar de se focar num momento muito importante da história britânica, o filme privilegia a escala menor e não as grandes implicações. Não é um grande tesouro, e nem tenta ser, mas acaba funcionando bem como uma pequena pedra preciosa no catálogo implacável da Netflix.

‘La Chimera’: a Itália como lugar de impossibilidade e contradição

Alice Rohrwacher tem um cinema muito pontual. A diretora, oriunda do interior da Toscana, costuma nos transportar para esta Itália que parece carregar consigo: bucólica, rural, encantadora e mágica. Fez isso em “As Maravilhas”, “Feliz como Lázaro” e até mesmo nos...

‘Late Night With the Devil’: preso nas engrenagens do found footage

A mais recente adição ao filão do found footage é este "Late Night With the Devil". Claramente inspirado pelo clássico britânico do gênero, "Ghostwatch", o filme dos irmãos Cameron e Colin Cairnes, dupla australiana trabalhando no horror independente desde a última...

‘Rebel Moon – Parte 2’: desastre com assinatura de Zack Snyder

A pior coisa que pode acontecer com qualquer artista – e isso inclui diretores de cinema – é acreditar no próprio hype que criam ao seu redor – isso, claro, na minha opinião. Com o perdão da expressão, quando o artista começa a gostar do cheiro dos próprios peidos, aí...

‘Meu nome era Eileen’: atrizes brilham em filme que não decola

Enquanto assistia “Meu nome era Eileen”, tentava fazer várias conexões sobre o que o filme de William Oldroyd (“Lady Macbeth”) se tratava. Entre enigmas, suspense, desejo e obsessão, a verdade é que o grande trunfo da trama se concentra na dupla formada por Thomasin...

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....