“A Máquina Infernal”, curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o Festival de Locarno deste ano, figurando na seção internacional da Leopardos do Amanhã – principal mostra competitiva de curtas do evento.

Nele, Sarah (Carol Castanho) começa a trabalhar numa fábrica que já viu dias melhores e cuja atmosfera parece retirada direto de um conto do escritor Stephen King. Um operário morreu recentemente em um acidente, as máquinas fazem barulhos estranhos, a administração jamais é vista, a ameaça de fechamento é constante e mesmo os empregados demitidos continuam a trabalhar na esperança de um acordo trabalhista.

Sarah tenta ao máximo se integrar a esse ambiente insalubre, chegando a começar um romance com o colega Djalma (Glauber Amaral, da série “O Escolhido”), mesmo sem saber se seu contrato será permanente. No entanto, as máquinas rugem e sua aparente sede de sangue desencadeiam uma série de acontecimentos terríveis.

CINEMA DE GÊNERO COM PROPRIEDADE

“A Máquina Infernal” permite a Reis combinar seus interesses em temáticas sociais e cinema de gênero em um todo coerente. Seu roteiro é preciso ao emprestar elementos e roupagem do terror para descrever situações bastantes reais dos parques fabris brasileiros.

Os personagens, ainda que limitados pelas restrições do curta, são verossímeis de tal forma que, quando um pequeno detalhe os leva para um território perturbador, o impacto é incrível. O maior exemplo disso é Djalma – o clássico trabalhador submisso que continua mostrando devoção à fábrica mesmo depois de um acidente de trabalho que lhe custou uma mão, hoje substituída por uma mão mecânica (algo que referencia tanto James Cameron quanto David Cronenberg).

Combinado com a direção de som de Guile Martins e a trilha sonora claustrofóbica de Miguel Caldas, Reis cria um filme cheio de potencial, ainda que desaponte em um final pouco conclusivo. “A Máquina Infernal” pode deixar várias coisas no ar, mas talvez a mais forte delas seja o desejo de conferir o novo projeto do cineasta.

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...