“After the Winter”, longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata um ano conturbado na vida de um grupo de amigos e é dividido em três episódios. Ainda que ancorado em boas atuações de seu elenco principal, as parcas conexões entre suas partes tornam a produção pouco coesa.

O longa se foca em cinco amigos de vinte e poucos anos que cresceram juntos e mantém forte relação mesmo espalhados em diversos cantos dos Balcãs: Mladen (Momčilo Otašević) e Danilo (Petar Burić) estão no frenesi de Belgrado (Sérvia), Marija (Ana Vučković) e Jana (Ivona Kustudić) se mantém na pequena Kotor (Montenegro) e Bubi (Maja Šuša) vive isolada dos demais em Novi Sad (Sérvia). No decorrer de um ano, grandes acontecimentos lhes forçam a rever suas vidas e atitudes de maneira repentina.

Esta é uma história sobre como crescer em novas repúblicas é um processo com intrínsecas dificuldades. O roteiro, assinado pelo diretor, acerta ao relacionar o que acontece aos seus protagonistas com o seu pano de fundo geopolítico. Como os países da ex-Iugoslávia onde vivem, os jovens precisam achar um caminho para o futuro enquanto lidam com o peso do passado. Sua transição do interior para as cidades, por exemplo, reflete o contexto da região, acirrado no período pós-Tito.

POUCA CONEXÃO ENTRE AS PARTES

No entanto, esse subtexto é insuficiente para dar liga às três seções de “After the Winter”. Enquanto a primeira é uma historieta de flertes de verão (e suas consequências), a segunda é uma road trip misteriosa e a terceira um conto de recuperação – cada uma durando meia hora em média e não apresentando real conclusão. A cada 30 minutos, o espectador é puxado de supetão de uma história para a próxima, aparentemente sem explicação e com pouco conectando uma e outra.

Das três, a road trip de Mladen e Danilo é a que melhor ressalta os temas do longa. Ambos estão tentando realizar seus sonhos na cidade grande, mas sabem que não são urbanos. A ânsia por um senso de lar paira sobre suas cabeças. O vilarejo que eles deixaram, além de não oferecer educação ou trabalho, vem carregado de um passado de guerra civil que não lhes pertence, mas que afeta suas vidas até hoje.

Quando esse passado vem bater à sua porta e Mladen recebe a missão de recuperar e transportar um importante pacote para o seu pai, que lutou no conflito, ele aceita relutantemente e convida Danilo para dar apoio moral. Fica claro que os jovens estão no caminho buscando mais os desvios do que o destino. Essa evasão do passado – e a súbita necessidade de tomar atitudes maduras – é o momento mais acertado da produção.

Aos 90 minutos de projeção, quando todos os amigos se reúnem para um epílogo, o drama de Bakrač consegue uma ressonância tocante ainda que o todo continue não sendo maior do que a soma de suas partes. “After the Winter” é um filme imperfeito, com grandes sentimentos, mas pouco conectado – como grande parte das amizades de infância que sobrevivem à vida adulta. 

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...

‘Benzedeira’: encontro da estética fílmica com o brilho do protagonista

“Benzedeira”, curta documentário de Pedro Olaia e San Marcelo, é um bom exemplo de como uma narrativa aparentemente simples ganha outra dimensão no audiovisual ao se apropriar de recursos da linguagem para destacar o que há de melhor no tema abordado.  Aqui, a direção...

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...