“After the Winter”, longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata um ano conturbado na vida de um grupo de amigos e é dividido em três episódios. Ainda que ancorado em boas atuações de seu elenco principal, as parcas conexões entre suas partes tornam a produção pouco coesa.

O longa se foca em cinco amigos de vinte e poucos anos que cresceram juntos e mantém forte relação mesmo espalhados em diversos cantos dos Balcãs: Mladen (Momčilo Otašević) e Danilo (Petar Burić) estão no frenesi de Belgrado (Sérvia), Marija (Ana Vučković) e Jana (Ivona Kustudić) se mantém na pequena Kotor (Montenegro) e Bubi (Maja Šuša) vive isolada dos demais em Novi Sad (Sérvia). No decorrer de um ano, grandes acontecimentos lhes forçam a rever suas vidas e atitudes de maneira repentina.

Esta é uma história sobre como crescer em novas repúblicas é um processo com intrínsecas dificuldades. O roteiro, assinado pelo diretor, acerta ao relacionar o que acontece aos seus protagonistas com o seu pano de fundo geopolítico. Como os países da ex-Iugoslávia onde vivem, os jovens precisam achar um caminho para o futuro enquanto lidam com o peso do passado. Sua transição do interior para as cidades, por exemplo, reflete o contexto da região, acirrado no período pós-Tito.

POUCA CONEXÃO ENTRE AS PARTES

No entanto, esse subtexto é insuficiente para dar liga às três seções de “After the Winter”. Enquanto a primeira é uma historieta de flertes de verão (e suas consequências), a segunda é uma road trip misteriosa e a terceira um conto de recuperação – cada uma durando meia hora em média e não apresentando real conclusão. A cada 30 minutos, o espectador é puxado de supetão de uma história para a próxima, aparentemente sem explicação e com pouco conectando uma e outra.

Das três, a road trip de Mladen e Danilo é a que melhor ressalta os temas do longa. Ambos estão tentando realizar seus sonhos na cidade grande, mas sabem que não são urbanos. A ânsia por um senso de lar paira sobre suas cabeças. O vilarejo que eles deixaram, além de não oferecer educação ou trabalho, vem carregado de um passado de guerra civil que não lhes pertence, mas que afeta suas vidas até hoje.

Quando esse passado vem bater à sua porta e Mladen recebe a missão de recuperar e transportar um importante pacote para o seu pai, que lutou no conflito, ele aceita relutantemente e convida Danilo para dar apoio moral. Fica claro que os jovens estão no caminho buscando mais os desvios do que o destino. Essa evasão do passado – e a súbita necessidade de tomar atitudes maduras – é o momento mais acertado da produção.

Aos 90 minutos de projeção, quando todos os amigos se reúnem para um epílogo, o drama de Bakrač consegue uma ressonância tocante ainda que o todo continue não sendo maior do que a soma de suas partes. “After the Winter” é um filme imperfeito, com grandes sentimentos, mas pouco conectado – como grande parte das amizades de infância que sobrevivem à vida adulta. 

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...