“After the Winter”, longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata um ano conturbado na vida de um grupo de amigos e é dividido em três episódios. Ainda que ancorado em boas atuações de seu elenco principal, as parcas conexões entre suas partes tornam a produção pouco coesa.

O longa se foca em cinco amigos de vinte e poucos anos que cresceram juntos e mantém forte relação mesmo espalhados em diversos cantos dos Balcãs: Mladen (Momčilo Otašević) e Danilo (Petar Burić) estão no frenesi de Belgrado (Sérvia), Marija (Ana Vučković) e Jana (Ivona Kustudić) se mantém na pequena Kotor (Montenegro) e Bubi (Maja Šuša) vive isolada dos demais em Novi Sad (Sérvia). No decorrer de um ano, grandes acontecimentos lhes forçam a rever suas vidas e atitudes de maneira repentina.

Esta é uma história sobre como crescer em novas repúblicas é um processo com intrínsecas dificuldades. O roteiro, assinado pelo diretor, acerta ao relacionar o que acontece aos seus protagonistas com o seu pano de fundo geopolítico. Como os países da ex-Iugoslávia onde vivem, os jovens precisam achar um caminho para o futuro enquanto lidam com o peso do passado. Sua transição do interior para as cidades, por exemplo, reflete o contexto da região, acirrado no período pós-Tito.

POUCA CONEXÃO ENTRE AS PARTES

No entanto, esse subtexto é insuficiente para dar liga às três seções de “After the Winter”. Enquanto a primeira é uma historieta de flertes de verão (e suas consequências), a segunda é uma road trip misteriosa e a terceira um conto de recuperação – cada uma durando meia hora em média e não apresentando real conclusão. A cada 30 minutos, o espectador é puxado de supetão de uma história para a próxima, aparentemente sem explicação e com pouco conectando uma e outra.

Das três, a road trip de Mladen e Danilo é a que melhor ressalta os temas do longa. Ambos estão tentando realizar seus sonhos na cidade grande, mas sabem que não são urbanos. A ânsia por um senso de lar paira sobre suas cabeças. O vilarejo que eles deixaram, além de não oferecer educação ou trabalho, vem carregado de um passado de guerra civil que não lhes pertence, mas que afeta suas vidas até hoje.

Quando esse passado vem bater à sua porta e Mladen recebe a missão de recuperar e transportar um importante pacote para o seu pai, que lutou no conflito, ele aceita relutantemente e convida Danilo para dar apoio moral. Fica claro que os jovens estão no caminho buscando mais os desvios do que o destino. Essa evasão do passado – e a súbita necessidade de tomar atitudes maduras – é o momento mais acertado da produção.

Aos 90 minutos de projeção, quando todos os amigos se reúnem para um epílogo, o drama de Bakrač consegue uma ressonância tocante ainda que o todo continue não sendo maior do que a soma de suas partes. “After the Winter” é um filme imperfeito, com grandes sentimentos, mas pouco conectado – como grande parte das amizades de infância que sobrevivem à vida adulta. 

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...