Depois do sucesso de seu primeiro longa, “O Reino de Deus”, Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, “Ammonite“. No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse Ronan, o novo projeto do cineasta – que estreou em Toronto e foi exibido no Festival de Londres deste ano – parece despreocupado em trazer algo tematicamente novo, deixando uma sensação de oportunidade perdida no ar. 
 
Escrito pelo próprio Lee, “Ammonite” imagina uma versão da vida da paleontóloga Mary Anning (Winslet) em que ela tinha furtivos romances lésbicos na pequena cidade inglesa de Lyme Regis, cujas praias cheias de fósseis lhe davam farto material de pesquisa. Sem muito dinheiro, ela vive de vender artefatos para turistas ricos e, com isso, ajudar a mãe doente (Gemma Jones). Quando um destes visitantes oferece dinheiro para que hospede sua esposa, Charlotte (Ronan), e a aceite como aprendiz em seu trabalho, Anning se vê, apesar da vontade, impedida de dizer não. Relutante, ela recebe a jovem e, uma vez que as claras diferenças são contornadas, uma paixão aflora. 
 
O roteiro é bem-sucedido ao usar a trama central para tecer pertinentes observações sobre o papel social feminino no século XIX. O mundo mostrado aqui é desdenhoso ou indiferente ao conhecimento e à opinião das mulheres. Diante dessa apatia, a maternidade se torna uma das raras oportunidades de uma mulher ser vista e ela passa a ser definida por sua disponibilidade (ou falta de) para ter filhos. 
 
Charlotte chega a Lyme Regis devastada pela perda de um filho. Por isso, é comandada por seu marido com a resignação de quem não tem nenhuma moeda de troca na relação. Já Mary, traumatizada com o fardo psicológico que a morte dos filhos trouxe à sua mãe, nem considera ter um – posição que a distancia ainda mais de seus conterrâneos. 

POTENCIAL ESCONDIDO DESPERDIÇADO 

A maneira como ambas lidam com a questão é um excelente subtexto, bem como é o a desvalorização da ciência e a invisibilização feminina no âmbito científico. Com tanto sendo explorado nas entrelinhas, é uma pena que o romance que ancora “Ammonite” seja tão morno e insosso, jamais transcendendo as amarras educadas do filão de filmes de época. 
 
É inafastável o pensamento de que essa história já foi contada antes – e de maneira mais eloquente. De certa forma, “Ammonite” revisita temas do excelente “Retrato de uma Jovem em Chamas” através de um prisma decididamente britânico, com muita atenção sendo dada ao choque de classes e à vida profissional. 
 
Winslet e Ronan estão incríveis, especialmente a primeira, que prova mais uma vez a capacidade quase sobrenatural de interpretar qualquer personagem. Infelizmente, a dupla não consegue fazer esse drama soporífero levantar voo. O óbvio talento envolvido e os acertos do longa (com destaque para a fotografia sombria de Stéphane Fontaine) apontam para o filme que “Ammonite” poderia ter sido, mas esse potencial permanece escondido, tais como os fósseis que Anning escavava. 

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...