Depois do sucesso de seu primeiro longa, “O Reino de Deus”, Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, “Ammonite“. No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse Ronan, o novo projeto do cineasta – que estreou em Toronto e foi exibido no Festival de Londres deste ano – parece despreocupado em trazer algo tematicamente novo, deixando uma sensação de oportunidade perdida no ar. 
 
Escrito pelo próprio Lee, “Ammonite” imagina uma versão da vida da paleontóloga Mary Anning (Winslet) em que ela tinha furtivos romances lésbicos na pequena cidade inglesa de Lyme Regis, cujas praias cheias de fósseis lhe davam farto material de pesquisa. Sem muito dinheiro, ela vive de vender artefatos para turistas ricos e, com isso, ajudar a mãe doente (Gemma Jones). Quando um destes visitantes oferece dinheiro para que hospede sua esposa, Charlotte (Ronan), e a aceite como aprendiz em seu trabalho, Anning se vê, apesar da vontade, impedida de dizer não. Relutante, ela recebe a jovem e, uma vez que as claras diferenças são contornadas, uma paixão aflora. 
 
O roteiro é bem-sucedido ao usar a trama central para tecer pertinentes observações sobre o papel social feminino no século XIX. O mundo mostrado aqui é desdenhoso ou indiferente ao conhecimento e à opinião das mulheres. Diante dessa apatia, a maternidade se torna uma das raras oportunidades de uma mulher ser vista e ela passa a ser definida por sua disponibilidade (ou falta de) para ter filhos. 
 
Charlotte chega a Lyme Regis devastada pela perda de um filho. Por isso, é comandada por seu marido com a resignação de quem não tem nenhuma moeda de troca na relação. Já Mary, traumatizada com o fardo psicológico que a morte dos filhos trouxe à sua mãe, nem considera ter um – posição que a distancia ainda mais de seus conterrâneos. 

POTENCIAL ESCONDIDO DESPERDIÇADO 

A maneira como ambas lidam com a questão é um excelente subtexto, bem como é o a desvalorização da ciência e a invisibilização feminina no âmbito científico. Com tanto sendo explorado nas entrelinhas, é uma pena que o romance que ancora “Ammonite” seja tão morno e insosso, jamais transcendendo as amarras educadas do filão de filmes de época. 
 
É inafastável o pensamento de que essa história já foi contada antes – e de maneira mais eloquente. De certa forma, “Ammonite” revisita temas do excelente “Retrato de uma Jovem em Chamas” através de um prisma decididamente britânico, com muita atenção sendo dada ao choque de classes e à vida profissional. 
 
Winslet e Ronan estão incríveis, especialmente a primeira, que prova mais uma vez a capacidade quase sobrenatural de interpretar qualquer personagem. Infelizmente, a dupla não consegue fazer esse drama soporífero levantar voo. O óbvio talento envolvido e os acertos do longa (com destaque para a fotografia sombria de Stéphane Fontaine) apontam para o filme que “Ammonite” poderia ter sido, mas esse potencial permanece escondido, tais como os fósseis que Anning escavava. 

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...