Depois do sucesso de seu primeiro longa, “O Reino de Deus”, Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, “Ammonite“. No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse Ronan, o novo projeto do cineasta – que estreou em Toronto e foi exibido no Festival de Londres deste ano – parece despreocupado em trazer algo tematicamente novo, deixando uma sensação de oportunidade perdida no ar. 
 
Escrito pelo próprio Lee, “Ammonite” imagina uma versão da vida da paleontóloga Mary Anning (Winslet) em que ela tinha furtivos romances lésbicos na pequena cidade inglesa de Lyme Regis, cujas praias cheias de fósseis lhe davam farto material de pesquisa. Sem muito dinheiro, ela vive de vender artefatos para turistas ricos e, com isso, ajudar a mãe doente (Gemma Jones). Quando um destes visitantes oferece dinheiro para que hospede sua esposa, Charlotte (Ronan), e a aceite como aprendiz em seu trabalho, Anning se vê, apesar da vontade, impedida de dizer não. Relutante, ela recebe a jovem e, uma vez que as claras diferenças são contornadas, uma paixão aflora. 
 
O roteiro é bem-sucedido ao usar a trama central para tecer pertinentes observações sobre o papel social feminino no século XIX. O mundo mostrado aqui é desdenhoso ou indiferente ao conhecimento e à opinião das mulheres. Diante dessa apatia, a maternidade se torna uma das raras oportunidades de uma mulher ser vista e ela passa a ser definida por sua disponibilidade (ou falta de) para ter filhos. 
 
Charlotte chega a Lyme Regis devastada pela perda de um filho. Por isso, é comandada por seu marido com a resignação de quem não tem nenhuma moeda de troca na relação. Já Mary, traumatizada com o fardo psicológico que a morte dos filhos trouxe à sua mãe, nem considera ter um – posição que a distancia ainda mais de seus conterrâneos. 

POTENCIAL ESCONDIDO DESPERDIÇADO 

A maneira como ambas lidam com a questão é um excelente subtexto, bem como é o a desvalorização da ciência e a invisibilização feminina no âmbito científico. Com tanto sendo explorado nas entrelinhas, é uma pena que o romance que ancora “Ammonite” seja tão morno e insosso, jamais transcendendo as amarras educadas do filão de filmes de época. 
 
É inafastável o pensamento de que essa história já foi contada antes – e de maneira mais eloquente. De certa forma, “Ammonite” revisita temas do excelente “Retrato de uma Jovem em Chamas” através de um prisma decididamente britânico, com muita atenção sendo dada ao choque de classes e à vida profissional. 
 
Winslet e Ronan estão incríveis, especialmente a primeira, que prova mais uma vez a capacidade quase sobrenatural de interpretar qualquer personagem. Infelizmente, a dupla não consegue fazer esse drama soporífero levantar voo. O óbvio talento envolvido e os acertos do longa (com destaque para a fotografia sombria de Stéphane Fontaine) apontam para o filme que “Ammonite” poderia ter sido, mas esse potencial permanece escondido, tais como os fósseis que Anning escavava. 

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...