Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de “Dear Ones”, nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na mostra Leste do Oeste do evento, a dramédia tem momentos inspirados e diverte, ainda que o desenvolvimento de sua trama deixe a desejar. 
 
Numa gélida Polônia invernal, os irmãos Piotr (Adam Bobik) e Marta (Izabela Gwizdak) recebem uma ligação preocupante de seu pai (Olaf Lubaszenko) e correm para vê-lo depois de um longo tempo. O patriarca tenta desconversar, mas acaba confessando que a esposa fugiu da casa depois de se viciar em jogos de azar. Sua aceitação passiva do fato gera em seus filhos uma vontade resoluta em encontrar a mãe e o trio começa uma busca atrapalhada e tragicômica. 
 
A partir dessa premissa insólita, o diretor e roteirista Grzegorz Jaroszuk cria um pequeno conto sobre distâncias familiares e o trabalho necessário para revertê-las. Desde a primeira conversa, com seus silêncios estranhos, é possível notar que essa família se acostumou com a sua falta de estrutura e já não se conhece mais – e também que o pai parece determinado a mantê-la dessa forma. Isso fica ainda mais claro conforme a vida da mãe, que aparentemente se tornara uma espécie de agiota da vizinhança com o dinheiro do jogo, começa a ser descoberta pela família. 

ROTEIRO AQUÉM DO POTENCIAL

O personagem de Bobik – um geek solitário que trabalha no mercado de ações, dependendo de cursos de auto-ajuda e fala com o que chama de “pedras mágicas” para tocar a vida em frente – é o centro das atenções do roteiro. Ele é obcecado com uma ideia de “ser normal” e não percebe como está longe de sê-lo. O que o move em busca da mãe é, em parte, uma vontade de restabelecer essa normalidade imaginária e as maneiras que o roteiro encontra para fazê-lo enxergar o absurdo dessa proposta são o ponto alto de “Dear Ones”. 
 
Os outros membros da família, no entanto, jamais ganham os contornos de Piotr, o que empobrece o longa. O pai, que nem é nomeado, está claramente ocultando algo dos filhos, mas as razões para isso nunca são realmente (ou satisfatoriamente) discutidas. Marta se sai ainda pior: para além de seu casamento, mencionado quando a trama precisa estabelecer a última vez que os personagens se viram logo nos minutos iniciais, nada se sabe de sua vida atual nem do seu investimento emocional na busca pela mãe. 
 
O acontecimento que vem, em tese, como uma surpresa para desestabilizar o terceiro ato e trazer a história a um desfecho vem com uma obviedade que tira muito do seu impacto. O deslize, ainda que não torne “Dear Ones” ruim, deixa um sabor insosso na boca e um senso de oportunidade perdida na mente. Quando funciona, no entanto, o longa de Jaroszuk provê uma boa reflexão sobre as coisas que tornam um grupo de pessoas uma família – e o que resta no vazio deixado quando essas coisas somem. 

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...