Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de “Dear Ones”, nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na mostra Leste do Oeste do evento, a dramédia tem momentos inspirados e diverte, ainda que o desenvolvimento de sua trama deixe a desejar. 
 
Numa gélida Polônia invernal, os irmãos Piotr (Adam Bobik) e Marta (Izabela Gwizdak) recebem uma ligação preocupante de seu pai (Olaf Lubaszenko) e correm para vê-lo depois de um longo tempo. O patriarca tenta desconversar, mas acaba confessando que a esposa fugiu da casa depois de se viciar em jogos de azar. Sua aceitação passiva do fato gera em seus filhos uma vontade resoluta em encontrar a mãe e o trio começa uma busca atrapalhada e tragicômica. 
 
A partir dessa premissa insólita, o diretor e roteirista Grzegorz Jaroszuk cria um pequeno conto sobre distâncias familiares e o trabalho necessário para revertê-las. Desde a primeira conversa, com seus silêncios estranhos, é possível notar que essa família se acostumou com a sua falta de estrutura e já não se conhece mais – e também que o pai parece determinado a mantê-la dessa forma. Isso fica ainda mais claro conforme a vida da mãe, que aparentemente se tornara uma espécie de agiota da vizinhança com o dinheiro do jogo, começa a ser descoberta pela família. 

ROTEIRO AQUÉM DO POTENCIAL

O personagem de Bobik – um geek solitário que trabalha no mercado de ações, dependendo de cursos de auto-ajuda e fala com o que chama de “pedras mágicas” para tocar a vida em frente – é o centro das atenções do roteiro. Ele é obcecado com uma ideia de “ser normal” e não percebe como está longe de sê-lo. O que o move em busca da mãe é, em parte, uma vontade de restabelecer essa normalidade imaginária e as maneiras que o roteiro encontra para fazê-lo enxergar o absurdo dessa proposta são o ponto alto de “Dear Ones”. 
 
Os outros membros da família, no entanto, jamais ganham os contornos de Piotr, o que empobrece o longa. O pai, que nem é nomeado, está claramente ocultando algo dos filhos, mas as razões para isso nunca são realmente (ou satisfatoriamente) discutidas. Marta se sai ainda pior: para além de seu casamento, mencionado quando a trama precisa estabelecer a última vez que os personagens se viram logo nos minutos iniciais, nada se sabe de sua vida atual nem do seu investimento emocional na busca pela mãe. 
 
O acontecimento que vem, em tese, como uma surpresa para desestabilizar o terceiro ato e trazer a história a um desfecho vem com uma obviedade que tira muito do seu impacto. O deslize, ainda que não torne “Dear Ones” ruim, deixa um sabor insosso na boca e um senso de oportunidade perdida na mente. Quando funciona, no entanto, o longa de Jaroszuk provê uma boa reflexão sobre as coisas que tornam um grupo de pessoas uma família – e o que resta no vazio deixado quando essas coisas somem. 

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...