Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em “On the Rocks”, novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple TV – e com seu tom leve e bem-humorado, parece feito sob medida para sessões pipoca no sofá.

Laura (Rashida Jones, da série “Parks and Recreation”) é uma nova-iorquina que está tentando tirar um livro do papel num momento incerto da vida. Certa noite, seu marido David (Marlon Wayans, de “As Branquelas”) chega em casa, um pouco alto, e começa a beijá-la animadamente na cama. Quando ela chama a atenção dele, ele para e resolve dormir.

Nervosa com a possibilidade de que ele tenha confundido-a com outra e esteja tendo um caso, ela resolve encontrar-se com seu pai ausente – o playboy milionário Felix (Bill Murray) – para um papo-cabeça sobre o comportamento masculino. Ele, por sua vez, tem um plano mais mirabolante: seguir David para pegá-lo no ato. Relutantemente, Laura compra a ideia e os dois começam a procurar pistas pela cidade como uma dupla de detetives particulares e, o que poderia ser uma simples trama de infidelidade, vira um filme de espionagem com muito ternura.

ECOS DE ‘ENCONTROS E DESENCONTROS’

O roteiro de Coppola vê a diretora abraçar abertamente a comédia, contendo o material mais engraçado e leve já escrito por ela e uma trama impressionante em sua simplicidade. Ela continua interessada nos dramas do 1%, mas de todos os seus filmes, a história de “On the Rocks” é que mais parece um causo que poderia acontecer com você ou seu vizinho.

O visual que não chama a atenção para si reforça esse teor comum. O diretor de fotografia Philippe Le Sourd, que encheu “O Estranho Que Nós Amamos”, filme anterior da diretora, com uma luz difusa e asfixiante, opta aqui por tomadas e cores práticas que permitem ao público focar-se completamente na trama.

A presença de Murray traz ecos de “Encontros e Desencontros”, uma conexão com a qual a cineasta flerta em algumas cenas (como na aparição do robô aspirador aos 16 minutos). É irônico que os papeis do ator em ambos os filmes não possam ser mais diferentes: enquanto Bob, seu personagem em “Encontros”, era um tímido peixe fora d’água, Felix é um bon vivant expansivo em pleno habitat natural.

Murray consegue não só trazê-lo à vida como fazer com que isso pareça extremamente fácil, roubando com facilidade todas as cenas em que aparece. Em suas mãos, um mulherengo incurável e cartunesco ganha outras dimensões, com sua alma e seu histórico de más decisões aparecendo em fragmentos de falas.

Apesar de ser um coadjuvante, suas ações, no afã de passar mais tempo e se reconectar com a filha distante, guiam a história. É esse cerne singelo que torna “On the Rocks” um prazer de ser visto, ainda que não figure entre as grandes obras da diretora. Arriscando-se em um novo tom, Sofia Coppola produziu um ótimo filme Sessão da Tarde para os cults de plantão – só faltam os intervalos comerciais.

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...

‘Rivais’: a partida debochada e sensual de Luca Guadagnino

Luca Guadagnino dá o recado nos primeiros segundos de “Rivais”: cada gota de suor, cada cicatriz, cada olhar e cada feixe de luz carregam bem mais do que aparentam. O que parece uma partida qualquer entre um dos melhores tenistas do mundo e outro que não consegue...

‘A Paixão Segundo G.H’: respeito excessivo a Clarice empalidece filme

Mesmo com a carreira consolidada na televisão – dirigiu séries e novelas - admiro a coragem de Luiz Fernando Carvalho em querer se desafiar como diretor de cinema ao adaptar obras literárias que são consideradas intransponíveis ou impossíveis de serem realizadas para...