Curta paraibano selecionado para a Mostra Panorama da Mostra de Cinema Tiradentes de 2021, “Animais na Pista” adapta o conto “Relato de ocorrência em que qualquer semelhança não é mera coincidência”, de Rubem Fonseca. O diretor Otto Cabral consegue captar a aura descritiva da obra literária em sua essência com uma criação de atmosfera absurda através da execução do ótimo plano-sequência que carrega a obra, porém, esquece de dar maior dimensão aos personagens daquela história.  

“Animais na Pista” acompanha o desenrolar de um acidente de trânsito em uma rodovia no interior do Brasil. Enquanto uma vítima está estirada no chão, os moradores mais próximos da região lutam para arrancar os melhores pedaços de uma vaca também atingida na colisão. 

Quase metade dos nove minutos do curta traz um plano-sequência sufocante em que os detalhes da tragédia se revelam gradualmente. As luzes vermelhas piscando dos carros se fundem à escuridão do asfalto parcialmente iluminado pelos faróis e do próprio pôr-do-sol, dando um tom ainda mais trágico para um cenário desalentador. Méritos do trabalho soberbo do diretor fotografia Rodolpho Barros, da equipe de som e da execução precisa da mise-en-scène. 

Por outro lado, “Animais na Pista” peca por não conseguir desenvolver nada sobre aquelas figuras vistas no filme. Se Rubem Fonseca consegue dar uma dimensão da miséria social através da descrição meticulosa, por exemplo, do protagonista Elias, o drama paraibano passa longe de qualquer tentativa disso. Falta ao roteiro se dedicar à construção mínima dos personagens, o que prejudica qualquer elo emocional com o desfecho que se pretendia emocionante. A mão pesada com uma trilha onipresente ainda parece busca fazer este trabalho na marra em uma tentativa de provocar choro a qualquer custo. 

Diante deste problema, mesmo que a intenção possa nem ser essa por parte da equipe, o próprio título do curta ganha mais uma conotação de julgamento daquelas pessoas e não da condição de miséria. No fim das contas, “Animais na Pista” brilha na técnica enquanto deixa lacunas graves no seu discurso. 

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...

‘Benzedeira’: encontro da estética fílmica com o brilho do protagonista

“Benzedeira”, curta documentário de Pedro Olaia e San Marcelo, é um bom exemplo de como uma narrativa aparentemente simples ganha outra dimensão no audiovisual ao se apropriar de recursos da linguagem para destacar o que há de melhor no tema abordado.  Aqui, a direção...

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...