Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática… E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou um trauma para ela.

Caro leitor, quantos filmes na sua vida você já viu que começam assim?

E as coisas não melhoram muito a partir daí. O maior defeito de Aqueles que Me Desejam a Morte é ser extremamente genérico e insosso. De minha parte, eu prefiro ver um filme ruim a um insosso, um que só desperta indiferença. Pelo menos com o ruim, às vezes é possível se divertir, rir da desgraça na tela. Aqueles… é realmente uma decepção, ainda mais em se tratando de Sheridan, um roteirista muito bom e competente, autor de Sicario (2015), A Qualquer Custo (2016), pelo qual foi indicado ao Oscar de Roteiro Original, e Terra Selvagem (2017), que marcou sua estreia na direção. Todos ótimos filmes a começar pela parte da escrita.

No filme, adaptado do livro de Michael Koryta, Angelina Jolie vive Hannah, uma bombeira/paraquedista que combate incêndios florestais no Estado de Montana junto com uma equipe. Ela passou por um momento difícil, mas também descobrimos logo cedo que ela é meio rebelde e badass – Para Jolie, não é um papel lá muito desafiante, não é mesmo? Pois bem, o destino dela muda quando… Bem, tem um sujeito vivido pelo ator Jake Weber que está fugindo com seu filho interpretado por Finn Little, por ter descoberto algo a respeito de uns bandidos… E tem dois assassinos disfarçados de agentes da lei os perseguindo, porque trabalham para um cara que aparece em uma cena… E todos topam com a personagem de Jolie, que precisa evitar os assassinos e um incêndio de grandes proporções. Ah, e esses assassinos são vividos por Aiden Gillen e Nicholas Hoult.

PECADO MORTAL

O principal problema de Aqueles que Me Desejam a Morte é o roteiro, incapaz de explicar direito o trauma da protagonista – que precisa nos dizer com diálogo expositivo mais à frente no filme – nem as motivações para os demais personagens. Chega a ser sem vergonha a cena na qual o personagem de Weber escreve tudo que ele descobriu a respeito dos caras maus num caderno, e o entrega para seu filho. Nunca vemos o tal caderno nem o que está escrito nele, porque nem essa informação o filme nos dá. Nunca sabemos ao certo porque as coisas estão acontecendo neste filme! Ficamos acompanhando umas figuras fazendo coisas sem entender direito o motivo pelo qual estão fazendo. Tudo é misterioso, ou seja, mal fundamentado na história.

E disso decorre outro problema: a previsibilidade. Para um suspense, ser previsível é mortal. Ora, ganha um doce quem adivinhar se a heroína vai confrontar seu trauma ao longo do filme graças à convivência de três ou quatro cenas com o garoto, ou quando determinado personagem vai morrer. A protagonista, aliás, é muito vazia e nem dirige a história pela primeira metade do filme. Ela passa quase uma hora de filme isolada no alto de uma torre… Algumas decisões do roteiro são mesmo difíceis de compreender.

No fim das contas, todos os personagens são rasos e vazios, e logo se percebe que o elenco aqui está muito acima do material. A coisa deve estar difícil em Hollywood, se um texto ralo como esse consegue atrair tantos bons atores. Ficamos o filme inteiro vendo Gillen, Hoult, Jolie e Jon Bernthal roendo ossos, porque não há carne na história e nem nos personagens.

O que sobra é a fotografia eficiente de Ben Richardson e uma ou outra cena de ação boazinha, pois nem a junção de incêndios reais com fogo em computação gráfica é convincente. Aqueles que Me Desejam a Morte é cansativo e desinteressante, e se nota claramente no longa que não houve a menor intenção de inovar, de tentar fugir do genérico. É só mais um filme de suspense no meio rural, do tipo em que Sheridan vem se especializando, mas agora a receita não funcionou, principalmente pelo roteiro acomodado e preguiçoso, satisfeito em apresentar apenas os tipos mais básicos de personagens e conflitos. Sem alicerce, nem atores como Angelina Jolie fazem milagre.

E considerando-se que recentemente Sheridan também trabalhou no igualmente insosso filme de ação Sem Remorso, surge uma preocupação pelos rumos futuros da sua carreira. Desta vez, a quantidade de clichês por metro quadrado de floresta excedeu a cota e merecia mesmo ter sido queimada.

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....