Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática… E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou um trauma para ela.

Caro leitor, quantos filmes na sua vida você já viu que começam assim?

E as coisas não melhoram muito a partir daí. O maior defeito de Aqueles que Me Desejam a Morte é ser extremamente genérico e insosso. De minha parte, eu prefiro ver um filme ruim a um insosso, um que só desperta indiferença. Pelo menos com o ruim, às vezes é possível se divertir, rir da desgraça na tela. Aqueles… é realmente uma decepção, ainda mais em se tratando de Sheridan, um roteirista muito bom e competente, autor de Sicario (2015), A Qualquer Custo (2016), pelo qual foi indicado ao Oscar de Roteiro Original, e Terra Selvagem (2017), que marcou sua estreia na direção. Todos ótimos filmes a começar pela parte da escrita.

No filme, adaptado do livro de Michael Koryta, Angelina Jolie vive Hannah, uma bombeira/paraquedista que combate incêndios florestais no Estado de Montana junto com uma equipe. Ela passou por um momento difícil, mas também descobrimos logo cedo que ela é meio rebelde e badass – Para Jolie, não é um papel lá muito desafiante, não é mesmo? Pois bem, o destino dela muda quando… Bem, tem um sujeito vivido pelo ator Jake Weber que está fugindo com seu filho interpretado por Finn Little, por ter descoberto algo a respeito de uns bandidos… E tem dois assassinos disfarçados de agentes da lei os perseguindo, porque trabalham para um cara que aparece em uma cena… E todos topam com a personagem de Jolie, que precisa evitar os assassinos e um incêndio de grandes proporções. Ah, e esses assassinos são vividos por Aiden Gillen e Nicholas Hoult.

PECADO MORTAL

O principal problema de Aqueles que Me Desejam a Morte é o roteiro, incapaz de explicar direito o trauma da protagonista – que precisa nos dizer com diálogo expositivo mais à frente no filme – nem as motivações para os demais personagens. Chega a ser sem vergonha a cena na qual o personagem de Weber escreve tudo que ele descobriu a respeito dos caras maus num caderno, e o entrega para seu filho. Nunca vemos o tal caderno nem o que está escrito nele, porque nem essa informação o filme nos dá. Nunca sabemos ao certo porque as coisas estão acontecendo neste filme! Ficamos acompanhando umas figuras fazendo coisas sem entender direito o motivo pelo qual estão fazendo. Tudo é misterioso, ou seja, mal fundamentado na história.

E disso decorre outro problema: a previsibilidade. Para um suspense, ser previsível é mortal. Ora, ganha um doce quem adivinhar se a heroína vai confrontar seu trauma ao longo do filme graças à convivência de três ou quatro cenas com o garoto, ou quando determinado personagem vai morrer. A protagonista, aliás, é muito vazia e nem dirige a história pela primeira metade do filme. Ela passa quase uma hora de filme isolada no alto de uma torre… Algumas decisões do roteiro são mesmo difíceis de compreender.

No fim das contas, todos os personagens são rasos e vazios, e logo se percebe que o elenco aqui está muito acima do material. A coisa deve estar difícil em Hollywood, se um texto ralo como esse consegue atrair tantos bons atores. Ficamos o filme inteiro vendo Gillen, Hoult, Jolie e Jon Bernthal roendo ossos, porque não há carne na história e nem nos personagens.

O que sobra é a fotografia eficiente de Ben Richardson e uma ou outra cena de ação boazinha, pois nem a junção de incêndios reais com fogo em computação gráfica é convincente. Aqueles que Me Desejam a Morte é cansativo e desinteressante, e se nota claramente no longa que não houve a menor intenção de inovar, de tentar fugir do genérico. É só mais um filme de suspense no meio rural, do tipo em que Sheridan vem se especializando, mas agora a receita não funcionou, principalmente pelo roteiro acomodado e preguiçoso, satisfeito em apresentar apenas os tipos mais básicos de personagens e conflitos. Sem alicerce, nem atores como Angelina Jolie fazem milagre.

E considerando-se que recentemente Sheridan também trabalhou no igualmente insosso filme de ação Sem Remorso, surge uma preocupação pelos rumos futuros da sua carreira. Desta vez, a quantidade de clichês por metro quadrado de floresta excedeu a cota e merecia mesmo ter sido queimada.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...