Não dá nem 15 minutos e “Sem Remorso” já apresenta duas grandes sequências de ação: a primeira traz uma operação de guerra na Síria em que militares russos são mortos por um grupo de soldados norte-americanos liderados por John Clark (Michael B. Jordan); logo depois, é a vez destes militares dos EUA e da esposa do protagonista serem assassinados por supostos agentes da Rússia infiltrados no país. Tudo isso sem a menor pretensão de desenvolver personagens, aprofundar seus dramas ou contextos geopolíticos; é tiro, porrada e bomba. A partir daí, a fórmula do ‘exército do homem só’ entra em cena ao longo de seus 109 minutos. 

Nada do que Charles Bronson, Sylvester Stallone, Vin Diesel e Keanu Reeves com “John Wick” não tenham nos acostumados a ver ao longo de décadas. A proposta, entretanto, entra em choque com o material de origem, a obra do escritor Tom Clancy. Conhecido por suspenses de espionagem como “Perigo Real e Imediato” com Harrison Ford e “A Soma de Todos os Medos” com Ben Affleck, o autor, ainda que com muitas licenças poéticas, trabalha suas tramas em que o contexto geopolítico mundial, fundamentado no mundo real, faz parte fundamental da engrenagem da história andando em paralelo com o drama do seu protagonista. 

Aqui, entretanto, não há espaço para isso: mesmo contando com o ótimo roteirista Taylor Sheridan (indicado ao Oscar por “A Qualquer Custo” e pelos ótimos “Sicario” e “Terra Selvagem), “Sem Remorso” não permite qualquer outra coisa além das cenas de pancadaria e tiroteio. Pior que o subtexto revelado na metade final tinha tudo para ser dos mais interessantes pela complexidade e paralelos com a realidade atual, fugindo dos batidos inimigos históricos deste tipo de filme.  

Como se não bastasse, Sheridan em parceria com Will Staples, novato em longas, abusa dos mais conhecidos chavões do suspense – o protagonista ensandecido pela morte da esposa, uma parceira de todas as horas cheia de conselhos que não serão seguidos, um personagem misterioso pela dubiedade, um homem respeitado representando a racionalidade. Adivinhar quem é quem e o que vai acontecer não necessita de muito esforço, tornando tudo o que se vê na tela estéril, sem emoção e desinteressante, além de desperdiçar um bom elenco com Jamie Bell, Guy Pearce, Brett Gelman (coitado mal aparece) e Jodie Turner-Smith, além do próprio Jordan. 

SEGUE O FLUXO 

Caberia, então, ao diretor Stefano Sollima (“Sicario 2”) conseguir imprimir algum tipo de personalidade e fazer do limão uma limonada. A missão falha pela incapacidade do italiano em criar qualquer tipo de identidade visual ou narrativa para a produção. “Sem Remorso” não possui a sensação de urgência oferecida na série “24 Horas” ou nem se permite não levar a sério como vemos em “John Wick” ou nos longas de Bronson ou Arnold Schwarzenegger. Por mais que Michael B. Jordan tente dar um tom mais dramático e pesado, o drama nunca chega a convencer o espectador justamente pela falta de tempo em tela sempre visando (adivinha?) mais uma sequência de ação.  

Falando nelas, as cenas de batalhas, perseguição e tiroteio ficam no meio do caminho, afinal, Sollima não se mostra capaz de oferecer uma saída satisfatória entre o dilema de ter um herói do ‘exército do homem só’ paralelo a uma trama situada em um mundo real. Sendo assim, a violência surge clean demais para uma época de John Wick e Deadpool e os conflitos não fogem do já visto nos mais diversos filmes de guerra genéricos feitos em Hollywood desde o início da guerra contra o terrorismo na década 2000. Quando chega próximo de acertar na queda do avião, tudo transcorre rapidamente sem tempo para o público entrar em estado de tensão, especialmente, por também não ver nenhuma reação do tipo do outro lado da tela, criando um distanciamento total com a obra.

“Sem Remorso” conta a seu favor com o streaming para resgatá-lo de um possível esquecimento natural se fosse lançado nos áureos tempos das salas de cinema. Como tudo hoje precisa ser consumido ferozmente para ninguém ficar atrasado na pauta das redes sociais, muito mais gente viu o filme mais do que ele merecia, mas, com certeza, sem prestar tanta atenção no que acontecia. Afinal, nem precisa; é só seguir o fluxo das imagens e dos sons repletos de tiros e bombas.    

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...

‘Benzedeira’: encontro da estética fílmica com o brilho do protagonista

“Benzedeira”, curta documentário de Pedro Olaia e San Marcelo, é um bom exemplo de como uma narrativa aparentemente simples ganha outra dimensão no audiovisual ao se apropriar de recursos da linguagem para destacar o que há de melhor no tema abordado.  Aqui, a direção...

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...