Com o constante adiamento da estreia de ‘Mulan’ nos cinemas, a Disney decidiu disponibilizar sua magia em um live-action com ‘Artemis Fowl’ no Disney+. A decisão, entretanto, não poderia ser pior para o público já que o filme apresenta erros consecutivos desde seu roteiro até os efeitos visuais. Apesar de ainda possuir a tendência megalomaníaca do estúdio, aqui demonstrada na escolha do elenco, é verdadeiramente difícil encontrar um aspecto no qual o filme tenha sido bem-sucedido, tornando-se um dos piores da Disney nos últimos tempos.   

O filme acompanha a história de Artemis Fowl (Ferdia Shaw), um garoto de 12 anos extremamente inteligente que usa sua capacidade para roubar. Um dia, ele descobre o mundo das fadas, um lugar mágico onde seu pai (Colin Farrell) é mantido refém. Para libertá-lo, ele sequestra um elfo para ter o direito de negociar com seres mágicos. 

Bom, podemos dizer que o filme consegue prolongar bastante essa história, porém sem muito sucesso. Todos os personagens destinados a ajudar Artemis são extremamente superficiais, sendo até suas caracterizações dignas de pena. Eles estão ali apenas cumprindo o papel de quase figurante enquanto um protagonista nada carismático tentar ganhar o público. 

Enquanto todos defeitos do longa saltam para fora da tela, o roteiro força a boa vontade do espectador acrescentando várias criaturas aleatórias para encher sua história. Da mesma forma, as consecutivas cenas de ação são colocadas em prática com efeitos visuais sofríveis, sendo muito difícil ter qualquer tipo de abstração vendo o filme. 

DESPERDÍCIO DE ELENCO

Como seu primeiro trabalho na atuação, Ferdia Shaw não consegue carregar o pesado fardo de ser protagonista de uma história tão pobre. Aqui até a apresentação do personagem é mal feita com direito a sensação de que aquilo já foi visto anteriormente. Além de não conseguir cativar o público, Ferdia também possui uma grande dificuldade nas cenas dramáticas, sendo palpável o abismo entre ele e Colin Farrell, mesmo levando em conta a juventude do garoto. 

Ainda no elenco estrelado, porém, totalmente descartável pela completa falta de função em uma trama ruim, Josh Gad se esforça para fazer os momentos cômicos perdurarem, sendo basicamente em vão. Em contrapartida, as cenas mais dramáticas são dirigidas para Judi Dench, que após o fracasso de ‘Cats’ não poderia ter escolhido uma produção pior para estar atrelada. 

E, completando este compilado de mal aproveitamento, Kenneth Branagh assina a direção do longa, marcando um momento bem complicado em sua carreira. Se na década de 1990 ele foi indicado a três cerimônias do Oscar, agora além do fraco ‘O Assassinato no Expresso do Oriente’, temos mais um longa problemático para contar. 

Se para o público, a estreia de ‘Artemis Fowl’ foi ruim, para a Disney provavelmente foi até positivo considerando um possível prejuízo nas bilheterias. Entretanto, o seu lançamento parece mais um daqueles eventos que poderia ser feito de qualquer maneira, mas, ainda assim, seria ruim. 

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...