Com o constante adiamento da estreia de ‘Mulan’ nos cinemas, a Disney decidiu disponibilizar sua magia em um live-action com ‘Artemis Fowl’ no Disney+. A decisão, entretanto, não poderia ser pior para o público já que o filme apresenta erros consecutivos desde seu roteiro até os efeitos visuais. Apesar de ainda possuir a tendência megalomaníaca do estúdio, aqui demonstrada na escolha do elenco, é verdadeiramente difícil encontrar um aspecto no qual o filme tenha sido bem-sucedido, tornando-se um dos piores da Disney nos últimos tempos.   

O filme acompanha a história de Artemis Fowl (Ferdia Shaw), um garoto de 12 anos extremamente inteligente que usa sua capacidade para roubar. Um dia, ele descobre o mundo das fadas, um lugar mágico onde seu pai (Colin Farrell) é mantido refém. Para libertá-lo, ele sequestra um elfo para ter o direito de negociar com seres mágicos. 

Bom, podemos dizer que o filme consegue prolongar bastante essa história, porém sem muito sucesso. Todos os personagens destinados a ajudar Artemis são extremamente superficiais, sendo até suas caracterizações dignas de pena. Eles estão ali apenas cumprindo o papel de quase figurante enquanto um protagonista nada carismático tentar ganhar o público. 

Enquanto todos defeitos do longa saltam para fora da tela, o roteiro força a boa vontade do espectador acrescentando várias criaturas aleatórias para encher sua história. Da mesma forma, as consecutivas cenas de ação são colocadas em prática com efeitos visuais sofríveis, sendo muito difícil ter qualquer tipo de abstração vendo o filme. 

DESPERDÍCIO DE ELENCO

Como seu primeiro trabalho na atuação, Ferdia Shaw não consegue carregar o pesado fardo de ser protagonista de uma história tão pobre. Aqui até a apresentação do personagem é mal feita com direito a sensação de que aquilo já foi visto anteriormente. Além de não conseguir cativar o público, Ferdia também possui uma grande dificuldade nas cenas dramáticas, sendo palpável o abismo entre ele e Colin Farrell, mesmo levando em conta a juventude do garoto. 

Ainda no elenco estrelado, porém, totalmente descartável pela completa falta de função em uma trama ruim, Josh Gad se esforça para fazer os momentos cômicos perdurarem, sendo basicamente em vão. Em contrapartida, as cenas mais dramáticas são dirigidas para Judi Dench, que após o fracasso de ‘Cats’ não poderia ter escolhido uma produção pior para estar atrelada. 

E, completando este compilado de mal aproveitamento, Kenneth Branagh assina a direção do longa, marcando um momento bem complicado em sua carreira. Se na década de 1990 ele foi indicado a três cerimônias do Oscar, agora além do fraco ‘O Assassinato no Expresso do Oriente’, temos mais um longa problemático para contar. 

Se para o público, a estreia de ‘Artemis Fowl’ foi ruim, para a Disney provavelmente foi até positivo considerando um possível prejuízo nas bilheterias. Entretanto, o seu lançamento parece mais um daqueles eventos que poderia ser feito de qualquer maneira, mas, ainda assim, seria ruim. 

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...