Com o constante adiamento da estreia de ‘Mulan’ nos cinemas, a Disney decidiu disponibilizar sua magia em um live-action com ‘Artemis Fowl’ no Disney+. A decisão, entretanto, não poderia ser pior para o público já que o filme apresenta erros consecutivos desde seu roteiro até os efeitos visuais. Apesar de ainda possuir a tendência megalomaníaca do estúdio, aqui demonstrada na escolha do elenco, é verdadeiramente difícil encontrar um aspecto no qual o filme tenha sido bem-sucedido, tornando-se um dos piores da Disney nos últimos tempos.   

O filme acompanha a história de Artemis Fowl (Ferdia Shaw), um garoto de 12 anos extremamente inteligente que usa sua capacidade para roubar. Um dia, ele descobre o mundo das fadas, um lugar mágico onde seu pai (Colin Farrell) é mantido refém. Para libertá-lo, ele sequestra um elfo para ter o direito de negociar com seres mágicos. 

Bom, podemos dizer que o filme consegue prolongar bastante essa história, porém sem muito sucesso. Todos os personagens destinados a ajudar Artemis são extremamente superficiais, sendo até suas caracterizações dignas de pena. Eles estão ali apenas cumprindo o papel de quase figurante enquanto um protagonista nada carismático tentar ganhar o público. 

Enquanto todos defeitos do longa saltam para fora da tela, o roteiro força a boa vontade do espectador acrescentando várias criaturas aleatórias para encher sua história. Da mesma forma, as consecutivas cenas de ação são colocadas em prática com efeitos visuais sofríveis, sendo muito difícil ter qualquer tipo de abstração vendo o filme. 

DESPERDÍCIO DE ELENCO

Como seu primeiro trabalho na atuação, Ferdia Shaw não consegue carregar o pesado fardo de ser protagonista de uma história tão pobre. Aqui até a apresentação do personagem é mal feita com direito a sensação de que aquilo já foi visto anteriormente. Além de não conseguir cativar o público, Ferdia também possui uma grande dificuldade nas cenas dramáticas, sendo palpável o abismo entre ele e Colin Farrell, mesmo levando em conta a juventude do garoto. 

Ainda no elenco estrelado, porém, totalmente descartável pela completa falta de função em uma trama ruim, Josh Gad se esforça para fazer os momentos cômicos perdurarem, sendo basicamente em vão. Em contrapartida, as cenas mais dramáticas são dirigidas para Judi Dench, que após o fracasso de ‘Cats’ não poderia ter escolhido uma produção pior para estar atrelada. 

E, completando este compilado de mal aproveitamento, Kenneth Branagh assina a direção do longa, marcando um momento bem complicado em sua carreira. Se na década de 1990 ele foi indicado a três cerimônias do Oscar, agora além do fraco ‘O Assassinato no Expresso do Oriente’, temos mais um longa problemático para contar. 

Se para o público, a estreia de ‘Artemis Fowl’ foi ruim, para a Disney provavelmente foi até positivo considerando um possível prejuízo nas bilheterias. Entretanto, o seu lançamento parece mais um daqueles eventos que poderia ser feito de qualquer maneira, mas, ainda assim, seria ruim. 

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...

‘The Humans’: um jantar de Ação de Graças sobre ausências

“The Humans” é a adaptação da peça de teatro homônima de Stephen Karam, premiada com o Tony de melhor peça em 2016. A história serve de début para o dramaturgo como diretor de filmes. Nela acompanhamos o jantar de Ação de Graças de uma família no novo apartamento da...

‘Um Jantar Entre Espiões’: morno thriller de espionagem

Os filmes de espionagem sempre tiveram uma ótima capacidade de se adaptarem a novos contextos históricos. Do combate ao nazismo (década de 40-50), a paranoia comunista (década de 60-80) até chegar aos novos “inimigos” surgidos pela face do terrorismo (década de 90 até...

A Bolha’: Judd Apatow reúne amigos em comédia sofrível

A Pandemia do Covid-19 foi/está sendo e sempre será um assunto delicado para todo mundo. Voltar à rotina de antes é difícil, pois o medo ainda impera e os protocolos de segurança, embora afrouxados, ainda estão em vigor e se fazem necessários. Bom, para a indústria do...