“Meu Pai” começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do filme dirigido por Florian Zeller: um drama que, tal qual uma ária, é sentido de formas diferentes pelas pessoas por ele afetadas. 

Indicado a seis Oscars, a produção britânica começa em uma rua, mas é ambientada realmente dentro de um apartamento. Lá, um homem idoso (Anthony Hopkins) tenta resistir às tentativas da filha de lhe arrumar uma cuidadora. Em meio a tudo isso, questões não resolvidas do passado surgem de forma a tirar o espectador da zona de conforto. 

Baseado em uma peça de autoria do próprio Zeller e adaptada para o cinema com o reforço de Christopher Hampton (roteirista de obras como ‘Desejo e Reparação‘ e ‘Ligações Perigosas‘), “Meu Pai” é um exercício de empatia, mas, ao mesmo tempo, não se furta de testar as reações do público para com seus personagens.  

O ar adorável do Anthony interpretado pelo xará Hopkins (realmente merecedor de todo e qualquer prêmio) é desafiado pela dificuldade de comunicação com a personagem de Olivia Colman (que aqui surge contida, sem qualquer resquício da fina ironia que imprimiu à rainha Elizabeth em ‘The Crown‘, ou do histrionismo brilhante de ‘A Favorita’). 

A CASA como extensão da confusão mental

Mas que um filme com essas credenciais seja capitaneado por grandes atuações de Hopkins e Colman é esperado. E “Meu Pai” já ganharia pontos fosse só isso. Só que ele vai além, ao explorar a psique de alguém que vive com demência e transformar essa experiência em algo sensorial. E nada melhor que usar um símbolo tão importante quanto a própria morada dos personagens para pôr as relações em xeque. 

Junto ao montador Yorgos Lamprinos e ao diretor de fotografia Ben Smithard, Zeller faz do apartamento uma extensão da confusão mental de Anthony. Ora vemos uma cor, ora vemos outra. Ora um cômodo parece maior, ora tem outras dimensões. Os corredores parecem mais pedaços de um labirinto sem saída e o sol que bate sem cessar parece ser um sinal de que o tempo ganhou outra régua. 

“Meu Pai” é um filme de decisões difíceis, com diálogos que revelam mais do que explicam. Ainda que a angústia seja sentida sem peso na balança maior para um dos lados, o filme engrandece ao traduzir a experiência de uma pessoa convivendo com uma doença que lhe tira a noção do que é real. Em tempos em que somos confrontados diariamente com a efemeridade da vida e o valor de um dia podermos estar fisicamente com quem amamos, é uma obra que merece atenção. 

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...