“Meu Pai” começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do filme dirigido por Florian Zeller: um drama que, tal qual uma ária, é sentido de formas diferentes pelas pessoas por ele afetadas. 

Indicado a seis Oscars, a produção britânica começa em uma rua, mas é ambientada realmente dentro de um apartamento. Lá, um homem idoso (Anthony Hopkins) tenta resistir às tentativas da filha de lhe arrumar uma cuidadora. Em meio a tudo isso, questões não resolvidas do passado surgem de forma a tirar o espectador da zona de conforto. 

Baseado em uma peça de autoria do próprio Zeller e adaptada para o cinema com o reforço de Christopher Hampton (roteirista de obras como ‘Desejo e Reparação‘ e ‘Ligações Perigosas‘), “Meu Pai” é um exercício de empatia, mas, ao mesmo tempo, não se furta de testar as reações do público para com seus personagens.  

O ar adorável do Anthony interpretado pelo xará Hopkins (realmente merecedor de todo e qualquer prêmio) é desafiado pela dificuldade de comunicação com a personagem de Olivia Colman (que aqui surge contida, sem qualquer resquício da fina ironia que imprimiu à rainha Elizabeth em ‘The Crown‘, ou do histrionismo brilhante de ‘A Favorita’). 

A CASA como extensão da confusão mental

Mas que um filme com essas credenciais seja capitaneado por grandes atuações de Hopkins e Colman é esperado. E “Meu Pai” já ganharia pontos fosse só isso. Só que ele vai além, ao explorar a psique de alguém que vive com demência e transformar essa experiência em algo sensorial. E nada melhor que usar um símbolo tão importante quanto a própria morada dos personagens para pôr as relações em xeque. 

Junto ao montador Yorgos Lamprinos e ao diretor de fotografia Ben Smithard, Zeller faz do apartamento uma extensão da confusão mental de Anthony. Ora vemos uma cor, ora vemos outra. Ora um cômodo parece maior, ora tem outras dimensões. Os corredores parecem mais pedaços de um labirinto sem saída e o sol que bate sem cessar parece ser um sinal de que o tempo ganhou outra régua. 

“Meu Pai” é um filme de decisões difíceis, com diálogos que revelam mais do que explicam. Ainda que a angústia seja sentida sem peso na balança maior para um dos lados, o filme engrandece ao traduzir a experiência de uma pessoa convivendo com uma doença que lhe tira a noção do que é real. Em tempos em que somos confrontados diariamente com a efemeridade da vida e o valor de um dia podermos estar fisicamente com quem amamos, é uma obra que merece atenção. 

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Ferrugem’, de Juan Sebastian Mesa

O drama colombiano “A Ferrugem” tem como personagem principal Jorge (Daniel Ortiz), um jovem que mora no interior do país e conduz a pequena fazenda da família. Ele é atordoado por visões do pai falecido e também sobre as incertezas sobre ficar ou partir.  A obra...