Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram. Assistir o live action de “Cruella” marcou um retorno a essa memória e de forma bastante positiva. Afinal, estamos diante de uma vilã emblemática em uma construção temática e visual muito atrativa.

A direção de Craig Gillespie (“Eu, Tonya”) mergulha o espectador no universo punk e outsider da Inglaterra na década de 70. Somos apresentados a Estella (Emma Stone), uma jovem órfã que vive de pequenos golpes com seus amigos e sonha em atuar no mundo da moda. A produção foca em mostrar como ela se tornou a famigerada vilã em busca de um casaco de pele de dálmatas. Nesse processo, Gillespie orquestra com dinamismo os recursos técnicos.

Cruella veste Beaven

O maior destaque fica por conta dos figurinos de Jenny Beaven, que possui dois Oscars pelo seu trabalho em “Uma Janela Para o Amor” e “Mad Max: Estrada da Fúria”. Não me surpreenderia se Cruella lhe rendesse mais uma indicação.

Assim como os detalhes no figurino de Sansa Stark em “Game of Thrones” indicavam seu movimento político, conhecemos as figuras mais importantes de “Cruella” por meio do simbolismo de suas vestimentas. As cores, os tecidos e os desenhos nos fazem distinguir o estado de espírito de Estella e, de forma ambivalente, a aproximam e distanciam da Baronesa (Emma Thompson).

É possível compreender os caminhos que elas querem seguir enquanto indivíduos e profissionais, curiosamente, também servem para discutir o estado social de conflito entre gerações – especialmente no recorte temporal do filme – e indicar o quanto o que está obsoleto pode voltar a moda. Basta observar o comportamento de Cruella e interligá-lo a como sua história foi contada no audiovisual.

Repetições e Superficialidade

Embora os elementos técnicos como fotografia, maquiagem e cabelo, design de produção e trilha sonora corroborem no dinamismo da narrativa, o roteiro e a montagem de Tatiana Riegel – parceira regular de Gillespie – são os itens que enfraquecem a produção. Na verdade, a montagem sofre pela repetição na condução da trama. “Cruella” é extenso (são 2h14 de duração) e há pouco espaço para o desenvolvimento de personagens secundários que passam a sensação de terem algo a ofertar como os interpretados por Mark Strong e Joel Fry.

Isso ocorre porque invés de aprofundar esses personagens, que a câmera busca sempre que estão em cena, escolhe-se fazer sequências de novas roupagens de músicas atemporais enquanto vemos o jogo de gato e rato das protagonistas. Embora tenha gostado bastante das músicas, o uso desequilibrado contribui para a falta de profundidade da trama e quem mais sofre com isso é a própria figura central do filme.

Entendo que o projeto de recontar a história dos vilões de contos de fadas passe por incertezas. Afinal, é necessário desconstruir personalidades emblemáticas para captar identificação e apoio do público. Cruella sai a frente de outros filmes do mesmo nicho por não esconder sua subversividade, contudo até que ponto podemos chamar geniosidade, genialidade e imposição de suas vontades de princípios de psicopatia? Em qual momento os motivos e ambições de Cruella são fortes o bastante para que ela assassine internamente Estella? Quando seus amigos e parceiros de golpes se tornam escalada?

São muitas as indagações que as motivações e viradas da personagem despertam, sem nunca chegar a respostas cabíveis que não sejam de ordem determinista. O quadro é ainda mais preocupante se lembrarmos das outras obras do estúdio relacionados a personagem e associarmos como Estella se transformou da garota conformista e dócil na própria Baronesa.

Apesar dos altos e baixos, a sensação que fica ao final de “Cruella” é ter passado o final de semana entregue a um bom clássico da Disney. Pode faltar profundidade, mas sobra um visual impecável e músicas punks para emergir nesse nicho. É um filme para lembrar como o cinema pode ser divertido e arrancar risadas despretensiosamente, até mesmo de Cruella DeVille.

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...