De Sophia Loren a Sidney Poitier, chegou a hora de listar os 10 maiores momentos do Oscar na década de 1960.  

10. CERIMÔNIA QUASE CANCELADA 

Você já pensou faltar três horas para o início do Oscar e não saber se a festa iria ocorrer ou não? 

Foi o caso de 1967 quando a Federação americana dos Artistas de Rádio e Televisão entrou em greve e quase inviabilizou a realização da cerimônia.

O assunto só foi resolvido faltando pouco mais de três horas para o início do Oscar. 

O apresentador da festa, Bob Hope, aproveitou para tirar onda com a situação durante o monólogo de abertura do Oscar vencido por “O Homem que não Vendeu Sua Alma”. 

9. CANÇÃO GREGA PREMIADA

Canção do filme grego “Nunca aos Domingos”, “Ta Paidia tou Piraia” foi a primeira música não falada em inglês o Oscar, em 1960.

Fato semelhante só foi ocorrer 44 anos depois com “Al Otro Lado Del Río”, de “Diários de Motocicleta”. 

8. APARIÇÃO DE PATRICIA NEAL 

Patricia Neal venceu o Oscar de Melhor Atriz merecidamente por “O Indomado” em 1964. Porém, a vida dela nos anos 1960 foi marcada por tragédias familiares. 

Com apenas quatro meses, o filho dela, Theo, sofreu lesões cerebrais em decorrência de um acidente de trânsito. Depois, foi a filha de sete anos, Olivia, morrer de encefalite. Durante a última gravidez, a Patricia Neal ficou entre a vida e a morte ao sofrer um aneurisma cerebral. 

Por todo esse histórico e a força por sempre se reerguer, ao surgir no Oscar de 1967 para a apresentar a categoria de Melhor Filme em Língua Não-Inglesa, ela foi ovacionada no palco do Dorothy Chandler Pavilion. 

7. VITÓRIA DE SOPHIA LOREN 

Em 1962, a Academia fez uma escolha ousada em Melhor Atriz. 

Mesmo com a possibilidade de premiar estrelas hollywoodianas do naipe de Audrey Hepburn, por “Bonequinha de Luxo”, ou Natalie Wood, de “Clamor ao Sexo”, o Oscar foi para a Sophia Loren, do excelente “Duas Mulheres”.

Foi a primeira vez em que uma interpretação vinda de um filme não falado em inglês saiu premiada. 

6. A VITÓRIA DE JOHN WAYNE 

Se o faroeste é o gênero mais marcante do cinema americano, o John Wayne foi a imagem dele. O homem corajoso, íntegro, valente e leal simbolizava também aquilo que os EUA gostariam de vender como marcas de suas supostas qualidades para o planeta inteiro. 

Esta persona, muitas vezes, fazia com que os personagens dele não apresentassem tanta variação de um para o outro. Ter sido indicado apenas uma vez ao Oscar durante o auge da carreira mostra muito bem isso. 

Porém, a Academia sempre dá um jeito de consagrar as principais estrelas da história de Hollywood. 

Apesar de não esbanjar a vitalidade de outrora, o Wayne segue sendo o herói americano perfeito com uma pontinha de anti-herói e o ponto alto do fraco “Bravura Indômita”. O Oscar, entretanto, veio mais pelo conjunto da obra do que pela atuação em si. 

Afinal, em um mundo justo, o Dustin Hoffman ou o Jon Voight deveriam ter sido os ganhadores por “Perdidos na Noite”. 

5. O DISCURSO DE ALFRED HITCHCOCK 

Toda lista das maiores injustiças da história do Oscar que se preze traz o nome de Alfred Hitchcock. Afinal, o mestre do suspense chegou a ser indicado por obras-primas como “Rebecca”, “Janela Indiscreta” e “Psicose”, porém, nunca venceu Melhor Direção. 

Em 1968, a Academia resolveu homenageá-lo com o prêmio Irving G Thalberg. E Hitchcock fez um dos discursos mais memoráveis da história do evento. 

Ganhador de dois Oscars naquela década com clássicos dos musicais como “Amor Sublime Amor” e “A Noviça Rebelde”, o Robert Wise ressaltou a carreira do diretor e o chamou ao palco. Todo elegante e com seu jeito peculiar de andar, o Hitchcock recebe o prêmio e inspirado diz: ‘THANK YOU’. E vai embora.

Precisa de mais? 

4. ADIAMENTO POR MARTIN LUTHER KING

O assassinato do reverendo e líder do movimento negro dos EUA, Martin Luther King, no dia 4 de abril de 1968, fez a Academia mudar os planos da cerimônia daquele ano. 

Inicialmente, a festa seria realizada no dia 8 de abril, porém, como o funeral estava marcado para o dia 9, a decisão foi adiar a festa para 10 de abril. Mesmo assim, o clima não era dos melhores. 

Logo no início da cerimônia, o Gregory Peck subiu ao palco para dar as boas-vindas e prestou solidariedade aos familiares de Martin Luther King, exaltando a importância dele nos EUA. Também citou como a seleção de filmes daquele ano tocava, entre outros assuntos, no racismo como visto em “No Calor da Noite” e “Adivinhe quem vem para Jantar?”. Também pedindo união através da compaixão e como o cinema como espaço para celebrar a dignidade humana independente de qualquer diferença de raça, crença ou nacionalidade.  

3. EMPATE ENTRE KATHARINE HEPBURN E BARBRA STREISAND

Seis empates aconteceram na história do Oscar. E um deles reuniu duas lendas de Hollywood. 

Em 1969, a Barbra Streisand estreou nos cinemas de maneira brilhante com “Funny Girl”, enquanto a Katharine Hepburn esbanjava ironia e cinismo em “Um Leão no Inverno”, um dos melhores trabalhos dela na carreira. As duas tiveram 3030 votos e dividiram a estatueta.

A única diferença é que a Barbra foi na festa. Já a Hepburn manteve a tradição de não ir. 

2. VITÓRIA DE SIDNEY POITIER 

Para hoje vermos brilharem astros como Denzel Washington, Forest Whitaker ou Daniel Kaluuya foi porque alguém abriu esse caminho lá atrás.

E o nome foi Sidney Poitier, o primeiro homem negro indicado a vencer o Oscar. 

A estatueta veio na edição de 1964 quando ele foi premiado por sua contagiante atuação em “Uma Voz nas Sombras”.

A alegria do anúncio feito pela Anne Bancroft, a corrida de felicidade até chegar ao palco e o sorriso de orelha a orelha do Poitier tornam este momento inesquecível. 

1. FIM DA ERA DO PRETO E BRANCO 

Competindo com a televisão no fim dos anos 1950 e início dos 1960, o cinema americano abraçou de vez o colorido, deixando o preto e branco em segundo plano. O Oscar refletiu bem essas mudanças. 

Em 1961, “Se o Meu Apartamento Falasse”, do Billy Wilder, se tornou o último longa daquela era em preto e branco a sair ganhador de Melhor Filme. Isso só foi se repetir em 1994 com “A Lista de Schindler”, e 2012 com “O Artista”. 

A própria cerimônia não ficou fora da transformação tecnológica. 

Em 1966, o Oscar foi transmitido em cores pela primeira vez, permitindo ao público ver com mais detalhes o tapete vermelho e o palco da cerimônia que tinha 42 fontes borrifando água.  

Dois anos depois, a cerimônia decidiu unificar as categorias de Direção de Arte, Fotografia e Figurino sem mais divisão entre filmes coloridos e preto e branco. 

Oscar 2022 de Melhor Filme: Previsões Iniciais – Parte I

Chegou a hora de falar do Oscar 2022: a partir de agora até o dia 27 de março, tudo sobre o evento mais popular do cinema você encontra aqui no canal do Cine Set no YouTube.  Para começar, vamos com as previsões iniciais para Melhor Filme. Nesta primeira parte, tem...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Martin Scorsese

Pode-se dizer sem pestanejar que Martin Scorsese seja o maior diretor vivo do cinema dos EUA. Na história, está ao lado de D.W Griffith e John Ford como os maiores de todos os tempos.  As obras de Scorsese são fundamentais para entender a criação, formação e as...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Robert De Niro

Do patriarca da família mais famosa do cinema a um taxista em crise passando por um boxeador campeão e perturbado: grandes papéis não faltaram na carreira do Robert De Niro. Da comédia ao drama, ele brilhou em obras-primas históricas.  Ao longo da carreira, foi...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Steven Spielberg

Raros diretores conseguiram ser tão felizes ao aliar sucesso de público, comercial com produções elogiadas pela crítica com o Steven Spielberg. Desde o suspense “Encurralado” à aventura “Jogador Número 1”, ele experimentou os mais diversos gêneros ao longo de quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Cate Blanchett

Cate Blanchett: o ideal de atriz de uma geração.  Essa era o título de um artigo do Cine Set sobre a carreira desta australiana feito pelo Renildo Rodrigues. O link está na descrição.  E cá entre nós, o título de modo algum parece exagerado: a Cate Blanchett, ao lado...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Dustin Hoffman

Baixinho, nem fortão nem magrelo, muito menos um símbolo sexual de parar avenidas.   O Dustin Hoffman poderia ser uma antítese daquilo que Hollywood consagrou como uma estrela do cinema, porém, é justamente essa capacidade do público enxergar nele uma pessoa como seu...

Oscar: 10 Filmes que Mereciam Mais Indicações entre 2016 e 2021

Sabe aquelas grandes produções que poderiam ter ido mais longe do Oscar? Conseguido uma indicação a Melhor Filme, por exemplo? Neste vídeo, Caio Pimenta fala sobre as 10 maiores entre 2016 e 2021 levando em consideração obras que foram indicadas ao prêmio....

Oscar 2022: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 8

De "Cyrano" a "Encanto", Caio Pimenta apresenta mais possibilidades de filmes para disputar o Oscar 2022 nesta oitava parte do especial. https://www.youtube.com/watch?v=Svbz5YvQ87A BLUE BAYOU  https://www.youtube.com/watch?v=KvNCMXgRo8w Vamos começar com uma produção...

Oscar: TOP 10 Atuações Esnobadas entre 2000-2010

Chegou a hora de escolher 10 grandes atuações esnobadas no Oscar entre 2000 a 2010. A lista leva em conta atuações nomeadas para o Bafta, Globo de Ouro e SAG daqueles anos. https://www.youtube.com/watch?v=_vz0vCsdoUo 10. MAGGIE GYLLENHALL, por "SECRETÁRIA" A Maggie...

Oscar 2022: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 7

De “The Eyes of Tammy Faye” a “Medusa”, Caio Pimenta apresenta mais possibilidades de filmes para disputar o Oscar 2022.  https://www.youtube.com/watch?v=bCuHGbgJ_iA THE EYES OF TAMMY FAYE  https://www.youtube.com/watch?v=6xBXRn3BvGY Tenho falado bastante de...