“O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada Guinevere, com um cachorro-dragão e repleto de colegas de classe dos mais diferentes tipos.  

Igual fizera Woody Allen no excelente “Meia-Noite em Paris”, a nova aventura da Pixar brinca com a nossa incapacidade de observamos a beleza presente no dia a dia, buscando no passado e na nostalgia respostas para as angústias do presente. Pode até não atingir o brilhantismo de obras-primas como “Toy Story 3” ou “Os Incríveis” nem ser um primor de criatividade como “Divertida Mente”, mas, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” diverte e comove como os melhores filmes do estúdio. 

Com direção e roteiro de Dan Scanlon (“Universidade Monstros”), a produção acompanha Ian, um garoto inseguro, incapaz de fazer amigos e melancólico pelo fato de não ter conhecido o pai, morto quando ainda era uma bebê. Ele vive ao lado da mãe Laurel (Julia Louis-Dreyfuss) e do irmão Barley (Chris Pratt), um nerd aficionado em magia.  

Certo dia, ele descobre um presente deixado pelo pai: um cajado e uma pedra preciosa capaz de fazê-lo voltar dos mortos por 24 horas. O problema é que acontece um imprevisto justamente na hora de fazer a mágica, levando o corpo apenas a retornar apenas da cintura para baixo. Para conseguir completar o serviço e conhecer o pai, Ian, ao lado de Barley, embarcam em uma aventura com caminhos imprevisíveis. 

COMBINAÇÃO PERFEITA DE DRAMA E HUMOR 

“Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” traz o que melhor a Pixar sabe fazer: criar um universo fantástico e visualmente encantador aliada a uma história rica de significados com ótimas sacadas ligadas ao mundo atual em uma combinação perfeita de drama e humor. A trama central, por exemplo, revela camadas muito mais densas e profundas do que inicialmente se imagina de ser uma aventura pura e simples.  

Encontrar o pai para Ian, por exemplo, não é apenas ter contato com alguém tão amado: há o desejo em ter um modelo concreto de inspiração para ser mais sociável e conseguir cumprir sua lista de objetivos. Isso se torna ainda mais uma necessidade pela figura aparentemente louca do irmão que mais o constrange do que causa orgulha.  

Porém, a forma como o roteiro subverte e ressignifica esta base através de barreiras de comunicação – o pai pela metade, Barley não ter as sugestões acatadas por Ian, a falta de confiança do protagonista em si próprio levando às falhas das frases mágicas – cria as camadas necessárias para a evolução dos personagens. Quando o trio começa a dançar e Ian percebe a forma desengonçada do pai, a idealização de alguém perfeito carregada durante toda uma vida se desmancha, o que, porém, não diminui a alegria daquele momento.  Já o que parecia o alívio cômico de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica”, Barley ganha uma surpreende em um comovente relato do último momento dele com o pai. 

Tudo isso culmina no desfecho longe do tradicional ‘final feliz’: igual “Viva – A Vida é uma Festa”, as conquistas do personagem não chegam a ser totalmente plenas com eles conseguindo tudo o que desejavam. Percebe-se, entretanto, que o alcançado foi algo muito maior e a valorização daquilo que realmente importa alcançado, mesmo que não seja considerado por muitos como extraordinário. 

Paralelo a isso, somos brindados com a inteligência habitual da Pixar em conseguir extrair do cotidiano ácidas sacadas de humor. Desde críticas à ausência de riscos que deixamos de correr e a perda de imaginação pelas comodidades oferecidas pela tecnologia até o maravilhoso trecho envolvendo a mantícora desiludida pela vida que leva de garçonete, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” aponta para a necessidade urgente de que precisamos ser ousados para avançar como sociedade. Ou, então, o medo e as inseguranças predominam. 

Para uma produção que pouco se esperava dela, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” revela-se uma surpresa das melhores neste início de ano. 

Mostra online de cinema de horror brasileiro ganha mais cinco dias

Depois de quase um mês dedicado aos filmes de terror brasileiros a mostra macaBRo – Horror Brasileiro Contemporâneo, promovida pelo Centro Cultural Banco do Brasil, vai oferecer uma segunda chance para o público assistir aos filmes. De 25 a 29 de novembro, a mostra...

Festival Curta Cinema apresenta melhor do cinema brasileiro e mundial

O Festival Curta Cinema – Festival Internacional de Curtas-Metragens do Rio de Janeiro chega a sua 30ª edição, trazendo o mais significativo das produções dentro e fora do Brasil, agora totalmente online. De 20 a 28 de novembro, as Mostras Competitiva Nacional e...

Candidato do Brasil no Oscar 2021, ‘Babenco’ estreia em Manaus nesta quinta

O premiado "Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou" chega aos cinemas de Manaus nesta quinta-feira (26). A produção dirigida por Bárbara Paz será o representante do Brasil no Oscar 2021 de Melhor Filme Internacional e ganhou o prêmio de Melhor...

Gravado em Manaus, ‘A Febre’ ganha distribuição nos EUA

"A Febre" pode até não ter conseguido a vaga brasileira para o Oscar 2021, porém, isso não significa que a produção de Maya Da-Rin ficará fora do circuito norte-americano. Distribuidora baseada no Brooklyn, a KimStim adquiriu os direitos do longa para os EUA. O filme,...

UCI em Manaus abre reservas para sessões privadas com até 20 pessoas

Em meio ao caos instalado na pandemia da COVID-19, as redes de cinema tentam achar estratégias para atrair o público da volta às salas. A UCI, por exemplo, lançou o projeto 'Sessão Amigos' em que se pode reservar uma sala de forma exclusiva para até 20 pessoas. Os...

‘À Luz Delas’ aborda trajetórias de grandes mulheres na direção de fotografia no Brasil

Oito histórias não contadas de grandes nomes do audiovisual nacional ganham destaque no novo documentário “À Luz Delas”, de Nina Tedesco e Luana Farias. Baseado na pesquisa “Mulheres atrás das câmeras: inícios de uma trajetória“, realizada desde 2014 na Universidade...

Cineamazônia 2020 seleciona ‘O Barco e o Rio’, ‘Zana’ e ‘O Príncipe da Encantaria’

O audiovisual do Amazonas estará em dose tripla no Cineamazônia – Festival de Cinema Ambiental 2020: "Zana - O Filho da Mata", de Augustto Gomes; "O Barco e o Rio", de Bernardo Ale Abinader; e "O Príncipe da Encantaria" estão selecionados para as mostras competitivas...

Tradicional Cine PE seleciona ‘Manaus Hot City’ para edição 2020

Dirigido e roteirizado por Rafael Ramos, "Manaus Hot City" segue colecionando participação em importantes festivais do circuito brasileiro. A produção, agora, está selecionada para o tradicional Cine PE 2020. O evento terá edição online, em parceria com o Canal Brasil...

‘Epidemiya’: a série que Stephen King recomendou em seus tweets

Com as salas de cinemas fechadas, plataformas de streaming se tornaram uma das principais formas de entretenimento. Para um público de cinéfilos que não abriram mão de continuar assistindo seus filmes, ou simplesmente, para pessoas com mais tempo diante da televisão. ...

‘Manaus Hot City’ e ‘O Barco e o Rio’ representam Amazonas em festival no Rio de Janeiro

O cinema do Amazonas estará em dose dupla no Festival Curta Cinema 2020: "Manaus Hot City" e "O Barco e o Rio" fazem parte da Mostra Competitiva Nacional ao lado de outras 31 produções. Os dois filmes são os únicos da Região Norte do Brasil de uma lista composta...