“O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada Guinevere, com um cachorro-dragão e repleto de colegas de classe dos mais diferentes tipos.  

Igual fizera Woody Allen no excelente “Meia-Noite em Paris”, a nova aventura da Pixar brinca com a nossa incapacidade de observamos a beleza presente no dia a dia, buscando no passado e na nostalgia respostas para as angústias do presente. Pode até não atingir o brilhantismo de obras-primas como “Toy Story 3” ou “Os Incríveis” nem ser um primor de criatividade como “Divertida Mente”, mas, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” diverte e comove como os melhores filmes do estúdio. 

Com direção e roteiro de Dan Scanlon (“Universidade Monstros”), a produção acompanha Ian, um garoto inseguro, incapaz de fazer amigos e melancólico pelo fato de não ter conhecido o pai, morto quando ainda era uma bebê. Ele vive ao lado da mãe Laurel (Julia Louis-Dreyfuss) e do irmão Barley (Chris Pratt), um nerd aficionado em magia.  

Certo dia, ele descobre um presente deixado pelo pai: um cajado e uma pedra preciosa capaz de fazê-lo voltar dos mortos por 24 horas. O problema é que acontece um imprevisto justamente na hora de fazer a mágica, levando o corpo apenas a retornar apenas da cintura para baixo. Para conseguir completar o serviço e conhecer o pai, Ian, ao lado de Barley, embarcam em uma aventura com caminhos imprevisíveis. 

COMBINAÇÃO PERFEITA DE DRAMA E HUMOR 

“Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” traz o que melhor a Pixar sabe fazer: criar um universo fantástico e visualmente encantador aliada a uma história rica de significados com ótimas sacadas ligadas ao mundo atual em uma combinação perfeita de drama e humor. A trama central, por exemplo, revela camadas muito mais densas e profundas do que inicialmente se imagina de ser uma aventura pura e simples.  

Encontrar o pai para Ian, por exemplo, não é apenas ter contato com alguém tão amado: há o desejo em ter um modelo concreto de inspiração para ser mais sociável e conseguir cumprir sua lista de objetivos. Isso se torna ainda mais uma necessidade pela figura aparentemente louca do irmão que mais o constrange do que causa orgulha.  

Porém, a forma como o roteiro subverte e ressignifica esta base através de barreiras de comunicação – o pai pela metade, Barley não ter as sugestões acatadas por Ian, a falta de confiança do protagonista em si próprio levando às falhas das frases mágicas – cria as camadas necessárias para a evolução dos personagens. Quando o trio começa a dançar e Ian percebe a forma desengonçada do pai, a idealização de alguém perfeito carregada durante toda uma vida se desmancha, o que, porém, não diminui a alegria daquele momento.  Já o que parecia o alívio cômico de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica”, Barley ganha uma surpreende em um comovente relato do último momento dele com o pai. 

Tudo isso culmina no desfecho longe do tradicional ‘final feliz’: igual “Viva – A Vida é uma Festa”, as conquistas do personagem não chegam a ser totalmente plenas com eles conseguindo tudo o que desejavam. Percebe-se, entretanto, que o alcançado foi algo muito maior e a valorização daquilo que realmente importa alcançado, mesmo que não seja considerado por muitos como extraordinário. 

Paralelo a isso, somos brindados com a inteligência habitual da Pixar em conseguir extrair do cotidiano ácidas sacadas de humor. Desde críticas à ausência de riscos que deixamos de correr e a perda de imaginação pelas comodidades oferecidas pela tecnologia até o maravilhoso trecho envolvendo a mantícora desiludida pela vida que leva de garçonete, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” aponta para a necessidade urgente de que precisamos ser ousados para avançar como sociedade. Ou, então, o medo e as inseguranças predominam. 

Para uma produção que pouco se esperava dela, “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” revela-se uma surpresa das melhores neste início de ano. 

Netflix anuncia parceria com ICAB para apoio a profissionais do audiovisual brasileiro

O Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros (ICAB) e a Netflix retomam parceria para auxiliar os profissionais da indústria audiovisual brasileira. A nova doação de R$ 3 milhões para o fundo gerenciado pelo ICAB tem como objetivo apoiar a comunidade criativa na...

Karim Ainouz representa o cinema brasileiro no Festival de Cannes 2021

O Festival de Cannes divulgou a lista de filmes selecionados para a aguardada edição de 2021 na quinta-feira, 3 de junho, e a América Latina não teve vez na disputa pela Palma de Ouro: nenhum longa da região irá concorrer ao prêmio máximo do evento na Riviera...

Projeto da Universidade Federal de Sergipe realiza Mostra de Cinema Nortista

O projeto UFS | Cine Vitória online está de volta com a sua segunda edição. O projeto tem o intuito de estimular o cinema e continuar, de forma remota, o trabalho feito pelo Cinema Vitória, a única sala de cinema de arte do estado desde 1934. Serão diversas produções...

Sobre Jazz, Cinema, Bate-Papos e saudades de um tempo sem pandemia

Entre as muitas coisas que a pandemia da Covid-19 nos tem tirado – a tranquilidade, a vontade de sair à rua, as pessoas queridas que se foram –, a perda das experiências culturais compartilhadas é uma ausência que cala particularmente fundo.  Essa perda é ainda mais...

Inscrições abertas para masterclass gratuita com Jorge Bodanzky

Estão abertas as inscrições para a masterclass ministrada pelo cineasta Jorge Bodanzky, na terça-feira, 1 de junho, às 17h00. O evento faz parte da programação da Mostra Ecofalante de Cinema-Semana do Meio Ambiente: Especial Amazônia, em parceria com a Spcine....

Bruna Linzmeyer e Linn da Quebrada são atrações do Festival de Finos Filmes

Entre 2/6 e 6/6, o VIII Festival de Finos Filmes leva seis debates ao canal de YouTube do Museu da Imagem e do Som – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa  do  Governo do Estado de São Paulo. Bruna Linzmeyer, Linn da Quebrada, Alê Santos, Christian...

Filmes sobre Jair Rodrigues e Yamandu Costa serão atrações do In-Edit Brasil

O IN-EDIT BRASIL – Festival Internacional do Documentário Musical chega à sua 13ª edição e acontece de 16 a 27 de junho, com mais de 50 filmes nacionais e internacionais inéditos no circuito comercial. Pelo segundo ano consecutivo, o festival será online, alcançando...

Cardume se torna a nova opção de streaming de curtas brasileiros

Atores e produtores da cena independente, Daniel Jaber e Luciana Damasceno conhecem bem a batalha que é fazer cinema no Brasil. Entusiastas do formato curta-metragem, também sabem a dificuldade que é conseguir exibir os filmes depois de prontos, tendo visto muitos de...

Embaúba Play estreia como novo opção de streaming para o cinema brasileiro

A cinefilia nacional conta com uma nova plataforma, a Embaúba Play (http://embaubaplay.com), com uma proposta inédita no país: oferecer boa parte da produção nacional recente, a preço acessível, trazendo inclusive obras inéditas em circuito comercial, que foram...

‘Enterrado no Quintal’ vence Mostra Brasil do Festival de Cinema do Meio do Mundo

O curta-metragem "Enterrado no Quintal", dirigido por Diego Bauer, venceu o prêmio de Melhor Filme da Mostra Brasil do 3º Festival de Cinema do Meio do Mundo, FESTCIMM. O filme amazonense foi escolhido o vencedor dentre os 17 filmes que compunham a Mostra Brasil do...