Em “Espíritu Sagrado”, crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta co-produção Espanha-França-Turquia, que marca a estreia de Ibarra na direção de longas-metragens, foi exibida na Competição Internacional do Festival de Locarno deste ano e o anuncia como um talento a ser acompanhado.

Numa pequena cidade espanhola, uma menina desaparece, deixando um vazio nas vidas de sua mãe Charo (Joanna Valverde) e de sua irmã gêmea Veró (Llum Arques). Ao mesmo tempo, Julio (José Ángel Asensio), líder de uma associação ufologista local, morre, deixando o grupo numa delicada situação.

Conectando essas histórias está José Manuel (Nacho Fernández), irmão de Charo e o membro da associação escolhido por Julio para dar prosseguimento a um plano secreto: contatar extraterrestres para despertar um espírito ancestral na Terra e mudar o destino da humanidade.

FOCO NO SISTEMA DE CRENÇAS


Ibarra vem de uma esteira de curtas de ficção científica e tudo em “Espíritu Sagrado” reflete sua profunda afinidade com este tipo de material. O roteiro assinado por ele, largamente focado na vida de José Manuel e em seus esforços para levar o plano de seu mentor adiante, faz uso deliberado de recursos narrativos clássicos do gênero, mas não é uma ficção científica no estrito senso do termo.

Para além das discussões sobre a natureza dos extraterrestres e das teorias conspiratórias, o cineasta está claramente interessado em sistemas de crença e em como a forma de encarar o mundo molda a visão das pessoas. Nesta estranha cidade povoada por personagens estranhos e idiossincráticos, diversos grupos distintos (católicos, ufólogos, paranormais, etc.) se esbarram nas ruas apegados às suas crendices, incapazes de enxergar a totalidade do que os rodeia.

HISTÓRIA DE MÚLTIPLOS TONS


A aura dessa Espanha parece feita sob medidas para sessões de meia-noite, com detalhes extremamente táteis (filmados em 16mm com maestria pelo diretor de fotografia Ion de Sosa) que remetem ao cinema do mestre britânico da estranheza Peter Strickland. Durante os 97 minutos de projeção, o espectador não consegue deixar de lado a ideia de que há algo profundamente errado acontecendo, ainda que isso não se mostre claramente.

O triunfo de Ibarra é fazer um filme desafiador em termos de tom, constantemente alternando entre comédia, mistério, sátira e tragédia, mas que não perde de vista a trama. “Espíritu Sagrado” fala de almas perdidas, da vontade de pertencimento e da escuridão que nasce durante o sono da razão – e também dá ao seu mistério uma conclusão que recompensa tanto quem acompanha esse subtexto quanto quem só quer saber o final da história. Um acerto em múltiplos níveis.

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....