“Eu vejo você em todos os lugares”, filme húngaro que esteve presente na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, se desenvolve como uma antologia de seis pequenas histórias cuja únicas semelhanças estão em serem trágicas. Os temas variam entre acidentes, violência sexual, transtornos psicológicos, doenças incuráveis, graves desentendimentos familiares.

Para além de seus temas espinhosos, o sentimento que o filme parece buscar em suas diferentes histórias é a culpa, colocando seus personagens em campos de batalha uns contra os outros onde cada um tenta empurrar para o outro a responsabilidade por aquelas situações.

Por trabalhar com temas tão sensíveis, seria natural esperar um filme com certo apelo emotivo, que mal trabalhado poderia cair em situações piegas. Para evitar essa armadilha, o diretor Benedek Fliegaulf escolhe encenar todas as diferentes histórias da mesma forma: uma câmera que reproduz sempre os mesmos movimentos, indo dos rostos para as mãos dos personagens.

Essa técnica, repetida do início ao fim de “Eu vejo você em todos os lugares”, nos aproxima dos personagens apresentados ao mesmo tempo em que nos coloca em um lugar de conforto por rapidamente percebermos os movimentos repetidos. Parece uma escolha pensada para criar empatia por aquelas pessoas em cena, enquanto não agride o público com o peso das histórias apresentadas a partir da monotonia, o que funciona bem.

Além disso, essa estética também ajuda a criar uma unidade entre as diferentes histórias, algumas mais interessantes que outras. Com o benefício de ser aquela que inaugura a obra, a primeira parece ser a melhor. É onde tanto roteiro quanto direção estão mais afiados. Uma garota (Juli Jakab) inicia um discurso sobre o dia em que sua mãe precisou fazer uma viagem de carro e acabou sofrendo um acidente fatal. Ela se dirige a um homem (Lázló Cziffer) que, mais tarde, descobrimos ser seu pai. 

Simplicidade eficiente

As atuações nos entregam sempre o ponto certo entre o desespero e a ironia, na disputa de um tenta lançar ao outro a culpa pela tragédia. Outra estratégia interessante do roteiro é iniciar cada história com uma breve cena de como ela terminará, dando uma espécie de spoiler descontextualizado ao espectador.

A maior dificuldade de “Eu vejo você em todos os lugares” é manter o nível entre suas diferentes tramas. Nenhuma delas chega a ser ruim, mas algumas parecem mais forçadas que outras, apresentando choques mais gratuitos ou até mesmo finais maçantes.

Ainda assim, “Eu vejo você em todos os lugares” traz um resultado satisfatório ao longo de sua duração, apostando na simplicidade de sua direção e roteiro, compondo um caleidoscópio de histórias que. por mais extravagantes que possam parecer, sempre mantém o interesse do espectador.

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...