Pense comigo: quantas cinebiografias você já assistiu que começam com uma entrevista ou algum outro momento em que o ou a protagonista, no “presente”, começa a lembrar ou contar do seu passado? É uma fórmula infalível, pelo menos, quando falamos de filmes que pretendem ter certo sucesso na temporada de premiações. Não é de surpreender que o novo trabalho de Lee Daniels, “Os EUA contra Billie Holiday”, parta deste mesmo ponto para levar o espectador a uma viagem que começa no fim da década de 1930, quando Billie grava “Strange Fruit“, música que denuncia o linchamento da população negra no Sul dos Estados Unidos. 

É a partir daí que seguimos com a cantora em uma série de relacionamentos abusivos, memórias traumatizantes da infância, vício em heroína e obra-prima musical seguida de obra-prima musical. Em meio a tudo isso, uma perseguição acachapante do Governo dos Estados Unidos e seu racismo disfarçado de política antinarcóticos. 

E é justamente nesta perseguição que temos a força e o calcanhar de Aquiles do filme de Daniels. Por um lado, a cinebiografia apresenta Billie como uma artista que desafiava organizações como a Ku Klux Klan ao colocar “Strange Fruit” no repertório e falar sobre os “dois pesos, duas medidas” da mídia em relação a ela e artistas brancas como Doris Day. 

Em compensação, a forma como o drama se concentra na percepção do Departamento de Narcóticos sobre a cantora e o que ela representa para a cultura norte-americana por vezes resulta em um filme que poderia ser rebatizado de “conversas de homens sobre Billie Holiday”, ou “conversas de gente branca sobre Billie Holiday”. Quer um exemplo? O subplot mal aproveitadíssimo da bissexualidade da cantora, reduzido a uma conversa quase cartunesca entre o agente federal Harry Aslinger (Garrett Hedlund) e a atriz Tallulah Bankhead (Natasha Lyonne). 

A ENTREGA IMPRESSIONANTE DE ANDRA DAY 

Mas se “Os EUA contra Billie Holiday” peca ao não dar a dimensão da lenda de Billie – algo que a cinebiografia mais tradicional de 1972 protagonizada por Diana Ross consegue fazer com mais competência -, o trabalho de Andra Day deve ser exaltado. Cantora que teve seu nome artístico inspirado na alcunha “Lady Day”, de Billie, ela tem uma entrega impressionante, que vai além da imitação tão exaltada em filmes sobre artistas conhecidos. Ajuda o fato de que Day realmente canta todas as músicas em cena, e também sua intimidade já existente com o repertório de Holiday. 

Nas cenas fora do palco, ela também excele: destaco um dos poucos momentos inspirados da direção de Daniels, o plano-sequência que leva Billie a encarar todos os seus demônios. A já citada cena da entrevista que “emoldura” o longa também tem vale ser destacada. Ainda que haja o exagero da participação de Leslie Jordan como um colunista nos moldes de Luella Parsons ou Hedda Hopper, a dor e a impaciência de uma Billie que está perdendo a guerra contra o governo norte-americano são exprimidas com pungência por Andra Day. 

Infelizmente, ela é mais um caso de atriz infinitamente melhor que o filme no qual está. A aposta de um romance como grande conflito do longa e o “olhar masculino” em cenas de violência e de sexo são muletas que poderiam ser evitadas. A sorte é que, como a Billie Holiday de Andra Day prevê em determinado momento de “Os EUA contra Billie Holiday”, a arte dela permanecerá. 

Independente de qualquer produção que não esteja à altura de sua lenda. 

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...