Pense comigo: quantas cinebiografias você já assistiu que começam com uma entrevista ou algum outro momento em que o ou a protagonista, no “presente”, começa a lembrar ou contar do seu passado? É uma fórmula infalível, pelo menos, quando falamos de filmes que pretendem ter certo sucesso na temporada de premiações. Não é de surpreender que o novo trabalho de Lee Daniels, “Os EUA contra Billie Holiday”, parta deste mesmo ponto para levar o espectador a uma viagem que começa no fim da década de 1930, quando Billie grava “Strange Fruit“, música que denuncia o linchamento da população negra no Sul dos Estados Unidos. 

É a partir daí que seguimos com a cantora em uma série de relacionamentos abusivos, memórias traumatizantes da infância, vício em heroína e obra-prima musical seguida de obra-prima musical. Em meio a tudo isso, uma perseguição acachapante do Governo dos Estados Unidos e seu racismo disfarçado de política antinarcóticos. 

E é justamente nesta perseguição que temos a força e o calcanhar de Aquiles do filme de Daniels. Por um lado, a cinebiografia apresenta Billie como uma artista que desafiava organizações como a Ku Klux Klan ao colocar “Strange Fruit” no repertório e falar sobre os “dois pesos, duas medidas” da mídia em relação a ela e artistas brancas como Doris Day. 

Em compensação, a forma como o drama se concentra na percepção do Departamento de Narcóticos sobre a cantora e o que ela representa para a cultura norte-americana por vezes resulta em um filme que poderia ser rebatizado de “conversas de homens sobre Billie Holiday”, ou “conversas de gente branca sobre Billie Holiday”. Quer um exemplo? O subplot mal aproveitadíssimo da bissexualidade da cantora, reduzido a uma conversa quase cartunesca entre o agente federal Harry Aslinger (Garrett Hedlund) e a atriz Tallulah Bankhead (Natasha Lyonne). 

A ENTREGA IMPRESSIONANTE DE ANDRA DAY 

Mas se “Os EUA contra Billie Holiday” peca ao não dar a dimensão da lenda de Billie – algo que a cinebiografia mais tradicional de 1972 protagonizada por Diana Ross consegue fazer com mais competência -, o trabalho de Andra Day deve ser exaltado. Cantora que teve seu nome artístico inspirado na alcunha “Lady Day”, de Billie, ela tem uma entrega impressionante, que vai além da imitação tão exaltada em filmes sobre artistas conhecidos. Ajuda o fato de que Day realmente canta todas as músicas em cena, e também sua intimidade já existente com o repertório de Holiday. 

Nas cenas fora do palco, ela também excele: destaco um dos poucos momentos inspirados da direção de Daniels, o plano-sequência que leva Billie a encarar todos os seus demônios. A já citada cena da entrevista que “emoldura” o longa também tem vale ser destacada. Ainda que haja o exagero da participação de Leslie Jordan como um colunista nos moldes de Luella Parsons ou Hedda Hopper, a dor e a impaciência de uma Billie que está perdendo a guerra contra o governo norte-americano são exprimidas com pungência por Andra Day. 

Infelizmente, ela é mais um caso de atriz infinitamente melhor que o filme no qual está. A aposta de um romance como grande conflito do longa e o “olhar masculino” em cenas de violência e de sexo são muletas que poderiam ser evitadas. A sorte é que, como a Billie Holiday de Andra Day prevê em determinado momento de “Os EUA contra Billie Holiday”, a arte dela permanecerá. 

Independente de qualquer produção que não esteja à altura de sua lenda. 

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...