Pense comigo: quantas cinebiografias você já assistiu que começam com uma entrevista ou algum outro momento em que o ou a protagonista, no “presente”, começa a lembrar ou contar do seu passado? É uma fórmula infalível, pelo menos, quando falamos de filmes que pretendem ter certo sucesso na temporada de premiações. Não é de surpreender que o novo trabalho de Lee Daniels, “Os EUA contra Billie Holiday”, parta deste mesmo ponto para levar o espectador a uma viagem que começa no fim da década de 1930, quando Billie grava “Strange Fruit“, música que denuncia o linchamento da população negra no Sul dos Estados Unidos. 

É a partir daí que seguimos com a cantora em uma série de relacionamentos abusivos, memórias traumatizantes da infância, vício em heroína e obra-prima musical seguida de obra-prima musical. Em meio a tudo isso, uma perseguição acachapante do Governo dos Estados Unidos e seu racismo disfarçado de política antinarcóticos. 

E é justamente nesta perseguição que temos a força e o calcanhar de Aquiles do filme de Daniels. Por um lado, a cinebiografia apresenta Billie como uma artista que desafiava organizações como a Ku Klux Klan ao colocar “Strange Fruit” no repertório e falar sobre os “dois pesos, duas medidas” da mídia em relação a ela e artistas brancas como Doris Day. 

Em compensação, a forma como o drama se concentra na percepção do Departamento de Narcóticos sobre a cantora e o que ela representa para a cultura norte-americana por vezes resulta em um filme que poderia ser rebatizado de “conversas de homens sobre Billie Holiday”, ou “conversas de gente branca sobre Billie Holiday”. Quer um exemplo? O subplot mal aproveitadíssimo da bissexualidade da cantora, reduzido a uma conversa quase cartunesca entre o agente federal Harry Aslinger (Garrett Hedlund) e a atriz Tallulah Bankhead (Natasha Lyonne). 

A ENTREGA IMPRESSIONANTE DE ANDRA DAY 

Mas se “Os EUA contra Billie Holiday” peca ao não dar a dimensão da lenda de Billie – algo que a cinebiografia mais tradicional de 1972 protagonizada por Diana Ross consegue fazer com mais competência -, o trabalho de Andra Day deve ser exaltado. Cantora que teve seu nome artístico inspirado na alcunha “Lady Day”, de Billie, ela tem uma entrega impressionante, que vai além da imitação tão exaltada em filmes sobre artistas conhecidos. Ajuda o fato de que Day realmente canta todas as músicas em cena, e também sua intimidade já existente com o repertório de Holiday. 

Nas cenas fora do palco, ela também excele: destaco um dos poucos momentos inspirados da direção de Daniels, o plano-sequência que leva Billie a encarar todos os seus demônios. A já citada cena da entrevista que “emoldura” o longa também tem vale ser destacada. Ainda que haja o exagero da participação de Leslie Jordan como um colunista nos moldes de Luella Parsons ou Hedda Hopper, a dor e a impaciência de uma Billie que está perdendo a guerra contra o governo norte-americano são exprimidas com pungência por Andra Day. 

Infelizmente, ela é mais um caso de atriz infinitamente melhor que o filme no qual está. A aposta de um romance como grande conflito do longa e o “olhar masculino” em cenas de violência e de sexo são muletas que poderiam ser evitadas. A sorte é que, como a Billie Holiday de Andra Day prevê em determinado momento de “Os EUA contra Billie Holiday”, a arte dela permanecerá. 

Independente de qualquer produção que não esteja à altura de sua lenda. 

CRÍTICA | ‘Eu não sou tudo aquilo que quero ser’: o reconhecimento tardio de uma fotógrafa controversa

Pária no socialismo, pária no capitalismo, a fotógrafa Libuše Jarcovjáková é quase como a autora principal do próprio documentário “Eu não sou tudo aquilo que quero ser”. Feito essencialmente de suas fotografias. Com a sua narração. Com o seu diário como base. Em um...

Crítica | ‘Os Observadores’: hesitação entre a fábula e o terror

Com o passar dos anos, M. Night Shyamalan virou uma grife dentro do cinema. Tanto fãs quanto detratores do diretor de O Sexto Sentido (1999), Sinais (2002), A Vila (2004) e Fragmentado (2016) reconhecem que existe um estilo Shyamalan, que foi refinado ao longo dos...

CRÍTICA | ‘Tijolo por Tijolo’: proximidade é a chave para documentário surpreendente

Um depoimento emocionado em um culto evangélico improvisado em uma casa de tijolos descobertos. “Jesus” escrito em uma impressão A4 com uma fonte meio word art. Uma mulher emocionada no púlpito. Falando de tudo que acometeu sua casa. Condenada. Demolida. E que será...

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...