Não há como escapar: todo filme moderno que abordar o tema “serial killers” vai inevitavelmente ficar na sombra de dois jovens clássicos que viraram marcos desse tipo de obra nos anos 1990: O Silêncio dos Inocentes (1991) de Jonathan Demme, e Seven (1995) de David Fincher. Seven, em especial, parece uma influência forte em Os Pequenos Vestígios, suspense do diretor John Lee Hancock que tenta trazer o suspense com assassinos em série de volta ao cinema – ou no caso, ao streaming da HBO Max, onde ele acabou sendo lançado nos Estados Unidos devido à pandemia.

De fato, nos últimos tempos foram a TV e o streaming que levaram a uma ressurgência no tema, com seriados como Mindhunter, Hannibal e True Detective chamando atenção, e várias séries documentais fazendo sucesso na Netflix ao abordar os crimes reais de famosos assassinos psicóticos. Essas produções comprovam que, quando bem abordado, esse tema não sai das nossas mentes, e é porque assassinos em série mexem com as nossas cabeças, nos intrigam, nos repelem e fascinam alternadamente.

E mexer com cabeças é o que ocorre em Os Pequenos Vestígios. Na trama do filme, também roteirizada por Hancock, Denzel Washington – que já tem uma experiência com serial killers no cinema com O Colecionador de Ossos (1999) – vive Joe Deacon. Descobrimos ao longo da história que ele já foi um detetive de Los Angeles, mas caiu em desgraça e agora cumpre pequenas tarefas para a polícia de Bakersfield. Estamos em 1990, e por acaso Deacon se descobre na posição de ajudar um jovem agente do FBI, Jim Baxter (Rami Malek), numa investigação de assassinatos em série que está aterrorizando a região. Com o tempo, a investigação os conduz ao esquisitíssimo Albert Sparma (Jared Leto), que se torna seu principal suspeito. Mas ele é mesmo o homem certo? Deacon diz que são “as pequenas coisas”, os detalhes, que fazem a diferença, que determinam a culpa ou inocência de um suspeito. E durante a sua convivência, Deacon e Baxter colocarão essa filosofia à prova.

O diabo realmente está nos detalhes, como se diz. Os Pequenos Vestígios é um filme a que se começa a assistir com entusiasmo e durante boa parte da sua duração realmente parece a um passo de se transformar em um ótimo filme. Mas nunca acontece. É estranho, porque ao pesquisarmos um pouco sobre o filme, descobre-se que Hancock escreveu o roteiro lá nos anos 1990 e só agora ele foi produzido. Talvez isso explique a sensação de “nada de muito novo” a respeito do longa. Ele realmente parece um daqueles thrillers dos anos 1990 que costumávamos rever no Supercine algum tempo depois do lançamento no cinema.

Hancock conduz a história com competência e uma calma que também parece pouco característica do cinema de 2021 – e é verdade que ele vem se tornando um artesão esmerado de Hollywood. Seus últimos filmes –  Fome de Poder (2016) e Estrada Sem Lei (2019) – foram acima da média, o tipo de narrativa clássica hollywoodiana bem feita que não consegue deixar de cativar quem curte e sente falta desse tipo de produção. Em termos de direção, Os Pequenos Vestígios é para lá de satisfatório: o ritmo é bom, o clima sombrio do início é envolvente e nunca abandona a história, o trabalho de encenação e condução dos atores é inteligente e forte.

SEM TENSÃO

O filme não alcança voos maiores, ironicamente, por causa dos pequenos detalhes do roteiro, então, Hancock também é parcialmente culpado. A figura do “policial com problema do passado” virou um clichezão, assim como o batido “policial jovem e policial velho que não se dão bem no início, mas depois viram parceiros”. Isso guarda mais do que uma mera semelhança com Seven, e despertar constantes lembranças de um filme melhor raramente faz bem a qualquer produção. Além disso, o aspecto meio “procedural da TV” do trabalho de investigação que vemos no filme também já virou o padrão de qualquer seriado policial de hoje em dia. E o longa comete o maior pecado de um filme de suspense: a história se desenvolve sem urgência, o que o deixa sem muita tensão. O gás do filme vai se esvaziando até o final, que acaba deixando no espectador uma sensação insatisfatória.

O trabalho dos atores é o que eleva Os Pequenos Vestígios em alguns momentos. Washington é soberbo em cena: sério, intenso e concentrado, ele carrega o filme e nos mantém assistindo. É graças a ele que o filme, ao menos, entretém o espectador. Já Leto, que hoje em dia parece incapaz de fazer um personagem que não seja estranho, se entrega à bizarrice e faz de Sparma uma figura realmente incômoda e perturbada, mas ainda com um pezinho assustador na realidade. Entre esses pólos, porém, Malek se mostra hesitante em sua atuação. É dele o papel mais difícil, e o ator infelizmente não corresponde: o ganhador do Oscar por “Bohemian Rhapsody” não oferece quase nada e some diante da meticulosidade de Washington ou do histrionismo de Leto. Ele não convence realmente como agente do FBI obcecado, e o impacto do final do filme não bate com tanta força no espectador, em parte, por causa dele.

E o fato do filme não atingir o espectador meio que resume Os Pequenos Vestígios: tinha ingredientes para ser ótimo, mas acaba sendo apenas mediano, justamente um daqueles que víamos no sábado à noite, perfeitamente aceitável, mas que não fica na memória do público. É um esforço até louvável, mas que mirou no Seven e acertou no Supercine.

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...