Não há como escapar: todo filme moderno que abordar o tema “serial killers” vai inevitavelmente ficar na sombra de dois jovens clássicos que viraram marcos desse tipo de obra nos anos 1990: O Silêncio dos Inocentes (1991) de Jonathan Demme, e Seven (1995) de David Fincher. Seven, em especial, parece uma influência forte em Os Pequenos Vestígios, suspense do diretor John Lee Hancock que tenta trazer o suspense com assassinos em série de volta ao cinema – ou no caso, ao streaming da HBO Max, onde ele acabou sendo lançado nos Estados Unidos devido à pandemia.

De fato, nos últimos tempos foram a TV e o streaming que levaram a uma ressurgência no tema, com seriados como Mindhunter, Hannibal e True Detective chamando atenção, e várias séries documentais fazendo sucesso na Netflix ao abordar os crimes reais de famosos assassinos psicóticos. Essas produções comprovam que, quando bem abordado, esse tema não sai das nossas mentes, e é porque assassinos em série mexem com as nossas cabeças, nos intrigam, nos repelem e fascinam alternadamente.

E mexer com cabeças é o que ocorre em Os Pequenos Vestígios. Na trama do filme, também roteirizada por Hancock, Denzel Washington – que já tem uma experiência com serial killers no cinema com O Colecionador de Ossos (1999) – vive Joe Deacon. Descobrimos ao longo da história que ele já foi um detetive de Los Angeles, mas caiu em desgraça e agora cumpre pequenas tarefas para a polícia de Bakersfield. Estamos em 1990, e por acaso Deacon se descobre na posição de ajudar um jovem agente do FBI, Jim Baxter (Rami Malek), numa investigação de assassinatos em série que está aterrorizando a região. Com o tempo, a investigação os conduz ao esquisitíssimo Albert Sparma (Jared Leto), que se torna seu principal suspeito. Mas ele é mesmo o homem certo? Deacon diz que são “as pequenas coisas”, os detalhes, que fazem a diferença, que determinam a culpa ou inocência de um suspeito. E durante a sua convivência, Deacon e Baxter colocarão essa filosofia à prova.

O diabo realmente está nos detalhes, como se diz. Os Pequenos Vestígios é um filme a que se começa a assistir com entusiasmo e durante boa parte da sua duração realmente parece a um passo de se transformar em um ótimo filme. Mas nunca acontece. É estranho, porque ao pesquisarmos um pouco sobre o filme, descobre-se que Hancock escreveu o roteiro lá nos anos 1990 e só agora ele foi produzido. Talvez isso explique a sensação de “nada de muito novo” a respeito do longa. Ele realmente parece um daqueles thrillers dos anos 1990 que costumávamos rever no Supercine algum tempo depois do lançamento no cinema.

Hancock conduz a história com competência e uma calma que também parece pouco característica do cinema de 2021 – e é verdade que ele vem se tornando um artesão esmerado de Hollywood. Seus últimos filmes –  Fome de Poder (2016) e Estrada Sem Lei (2019) – foram acima da média, o tipo de narrativa clássica hollywoodiana bem feita que não consegue deixar de cativar quem curte e sente falta desse tipo de produção. Em termos de direção, Os Pequenos Vestígios é para lá de satisfatório: o ritmo é bom, o clima sombrio do início é envolvente e nunca abandona a história, o trabalho de encenação e condução dos atores é inteligente e forte.

SEM TENSÃO

O filme não alcança voos maiores, ironicamente, por causa dos pequenos detalhes do roteiro, então, Hancock também é parcialmente culpado. A figura do “policial com problema do passado” virou um clichezão, assim como o batido “policial jovem e policial velho que não se dão bem no início, mas depois viram parceiros”. Isso guarda mais do que uma mera semelhança com Seven, e despertar constantes lembranças de um filme melhor raramente faz bem a qualquer produção. Além disso, o aspecto meio “procedural da TV” do trabalho de investigação que vemos no filme também já virou o padrão de qualquer seriado policial de hoje em dia. E o longa comete o maior pecado de um filme de suspense: a história se desenvolve sem urgência, o que o deixa sem muita tensão. O gás do filme vai se esvaziando até o final, que acaba deixando no espectador uma sensação insatisfatória.

O trabalho dos atores é o que eleva Os Pequenos Vestígios em alguns momentos. Washington é soberbo em cena: sério, intenso e concentrado, ele carrega o filme e nos mantém assistindo. É graças a ele que o filme, ao menos, entretém o espectador. Já Leto, que hoje em dia parece incapaz de fazer um personagem que não seja estranho, se entrega à bizarrice e faz de Sparma uma figura realmente incômoda e perturbada, mas ainda com um pezinho assustador na realidade. Entre esses pólos, porém, Malek se mostra hesitante em sua atuação. É dele o papel mais difícil, e o ator infelizmente não corresponde: o ganhador do Oscar por “Bohemian Rhapsody” não oferece quase nada e some diante da meticulosidade de Washington ou do histrionismo de Leto. Ele não convence realmente como agente do FBI obcecado, e o impacto do final do filme não bate com tanta força no espectador, em parte, por causa dele.

E o fato do filme não atingir o espectador meio que resume Os Pequenos Vestígios: tinha ingredientes para ser ótimo, mas acaba sendo apenas mediano, justamente um daqueles que víamos no sábado à noite, perfeitamente aceitável, mas que não fica na memória do público. É um esforço até louvável, mas que mirou no Seven e acertou no Supercine.

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: algoritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...