Não há como escapar: todo filme moderno que abordar o tema “serial killers” vai inevitavelmente ficar na sombra de dois jovens clássicos que viraram marcos desse tipo de obra nos anos 1990: O Silêncio dos Inocentes (1991) de Jonathan Demme, e Seven (1995) de David Fincher. Seven, em especial, parece uma influência forte em Os Pequenos Vestígios, suspense do diretor John Lee Hancock que tenta trazer o suspense com assassinos em série de volta ao cinema – ou no caso, ao streaming da HBO Max, onde ele acabou sendo lançado nos Estados Unidos devido à pandemia.

De fato, nos últimos tempos foram a TV e o streaming que levaram a uma ressurgência no tema, com seriados como Mindhunter, Hannibal e True Detective chamando atenção, e várias séries documentais fazendo sucesso na Netflix ao abordar os crimes reais de famosos assassinos psicóticos. Essas produções comprovam que, quando bem abordado, esse tema não sai das nossas mentes, e é porque assassinos em série mexem com as nossas cabeças, nos intrigam, nos repelem e fascinam alternadamente.

E mexer com cabeças é o que ocorre em Os Pequenos Vestígios. Na trama do filme, também roteirizada por Hancock, Denzel Washington – que já tem uma experiência com serial killers no cinema com O Colecionador de Ossos (1999) – vive Joe Deacon. Descobrimos ao longo da história que ele já foi um detetive de Los Angeles, mas caiu em desgraça e agora cumpre pequenas tarefas para a polícia de Bakersfield. Estamos em 1990, e por acaso Deacon se descobre na posição de ajudar um jovem agente do FBI, Jim Baxter (Rami Malek), numa investigação de assassinatos em série que está aterrorizando a região. Com o tempo, a investigação os conduz ao esquisitíssimo Albert Sparma (Jared Leto), que se torna seu principal suspeito. Mas ele é mesmo o homem certo? Deacon diz que são “as pequenas coisas”, os detalhes, que fazem a diferença, que determinam a culpa ou inocência de um suspeito. E durante a sua convivência, Deacon e Baxter colocarão essa filosofia à prova.

O diabo realmente está nos detalhes, como se diz. Os Pequenos Vestígios é um filme a que se começa a assistir com entusiasmo e durante boa parte da sua duração realmente parece a um passo de se transformar em um ótimo filme. Mas nunca acontece. É estranho, porque ao pesquisarmos um pouco sobre o filme, descobre-se que Hancock escreveu o roteiro lá nos anos 1990 e só agora ele foi produzido. Talvez isso explique a sensação de “nada de muito novo” a respeito do longa. Ele realmente parece um daqueles thrillers dos anos 1990 que costumávamos rever no Supercine algum tempo depois do lançamento no cinema.

Hancock conduz a história com competência e uma calma que também parece pouco característica do cinema de 2021 – e é verdade que ele vem se tornando um artesão esmerado de Hollywood. Seus últimos filmes –  Fome de Poder (2016) e Estrada Sem Lei (2019) – foram acima da média, o tipo de narrativa clássica hollywoodiana bem feita que não consegue deixar de cativar quem curte e sente falta desse tipo de produção. Em termos de direção, Os Pequenos Vestígios é para lá de satisfatório: o ritmo é bom, o clima sombrio do início é envolvente e nunca abandona a história, o trabalho de encenação e condução dos atores é inteligente e forte.

SEM TENSÃO

O filme não alcança voos maiores, ironicamente, por causa dos pequenos detalhes do roteiro, então, Hancock também é parcialmente culpado. A figura do “policial com problema do passado” virou um clichezão, assim como o batido “policial jovem e policial velho que não se dão bem no início, mas depois viram parceiros”. Isso guarda mais do que uma mera semelhança com Seven, e despertar constantes lembranças de um filme melhor raramente faz bem a qualquer produção. Além disso, o aspecto meio “procedural da TV” do trabalho de investigação que vemos no filme também já virou o padrão de qualquer seriado policial de hoje em dia. E o longa comete o maior pecado de um filme de suspense: a história se desenvolve sem urgência, o que o deixa sem muita tensão. O gás do filme vai se esvaziando até o final, que acaba deixando no espectador uma sensação insatisfatória.

O trabalho dos atores é o que eleva Os Pequenos Vestígios em alguns momentos. Washington é soberbo em cena: sério, intenso e concentrado, ele carrega o filme e nos mantém assistindo. É graças a ele que o filme, ao menos, entretém o espectador. Já Leto, que hoje em dia parece incapaz de fazer um personagem que não seja estranho, se entrega à bizarrice e faz de Sparma uma figura realmente incômoda e perturbada, mas ainda com um pezinho assustador na realidade. Entre esses pólos, porém, Malek se mostra hesitante em sua atuação. É dele o papel mais difícil, e o ator infelizmente não corresponde: o ganhador do Oscar por “Bohemian Rhapsody” não oferece quase nada e some diante da meticulosidade de Washington ou do histrionismo de Leto. Ele não convence realmente como agente do FBI obcecado, e o impacto do final do filme não bate com tanta força no espectador, em parte, por causa dele.

E o fato do filme não atingir o espectador meio que resume Os Pequenos Vestígios: tinha ingredientes para ser ótimo, mas acaba sendo apenas mediano, justamente um daqueles que víamos no sábado à noite, perfeitamente aceitável, mas que não fica na memória do público. É um esforço até louvável, mas que mirou no Seven e acertou no Supercine.

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...