Com o mundo digital documentando cada passo da vida moderna, o passado está deixando de ser uma coisa difícil de revisitar – ao menos de um ponto de vista prático. Porém, dependendo da vida que você levou, esse processo pode ser doloroso, não importa o meio. 
 
O fantástico novo filme dos diretores libaneses Joana Hadjithomas e Khalil Joreige, “Memory Box”, é um caleidoscópio de recordações embalado por uma trilha oitentista impecável. Sensível e emocionante, o longa é um dos melhores da seleção do Festival de Berlim deste ano e merece ser descoberto pelo grande público. 
 
Em uma nevasca na véspera de Natal no Canadá, Maia (Rim Turki) recebe um pacote cheio de fotos e correspondências de sua adolescência no Líbano. Receosa de abrir essa verdadeira Caixa de Pandora, ela proíbe sua filha adolescente Alex (Paloma Vauthier) de espiar seu conteúdo. 
 
Claro, como nas fábulas antigas, não existe nada que desperte mais a curiosidade do que a proibição – e Alex, ressentida por conhecer muito pouco da mãe emocionalmente fechada, revira o pacote de Maia. Ela descobre as fortes amizades da matriarca, a grande paixão dela por Raja (Hassan Akil), tristes segredos de família e um Líbano libertário e progressista massacrado pela guerra civil. 

 DISTANTE DO HERMÉTICO

Livremente baseado nos diários e registros audiovisuais dos próprios diretores, o roteiro escrito por eles em colaboração com Gaëlle Macé é uma celebração das amizades adolescentes e uma ode à juventude sufocada por conflitos armados. Através do ponto de vista de Alex, “Memory Box” também compara as vidas inteiramente digitais da atualidade e as memórias físicas das gerações passadas, achando pontos de semelhança e contraste. 
 
O destaque do filme, no entanto, é a maneira inventiva de como as recordações de Maia ganham vida na tela, com sequências feitas inteiramente através de colagens – algumas estilizadas a ponto de parecer até mesmo um videoclipe. Em conjunto com a editora Tina Baz e o diretor de efeitos visuais Laurent Brett, eles criam uma colcha de retalhos em que recortes de imagens, desenhos, voz e música se misturam, emulando como esse material é interpretado na mente. 
 
Essa abordagem, diretamente ligada ao seu trabalho nas artes visuais e na pesquisa acadêmica, poderia ser hermética em outras mãos. No entanto, em “Memory Box”, forma e conteúdo se encaixam de maneira tão fluida que é impossível tirar os olhos da tela. O filme partilha certos temas com outro selecionado para a Berlinale deste ano – “Miguel’s War“, de Eliane Raheb – mas sua narrativa mais tradicional deverá torná-lo mais acessível a uma maior audiência. 
 
De fato, o triunfo de “Memory Box” é usar técnicas do cinema experimental em prol de um cinema narrativo emocionante e inteligente, que quer, na especificidade, falar de temas comuns: o abismo entre presente e passado, a permanência da memória e a busca por novas chances na vida. 

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...

‘Memory Box’: experimentalismo fascinante em viagem reveladora ao passado

Com o mundo digital documentando cada passo da vida moderna, o passado está deixando de ser uma coisa difícil de revisitar - ao menos de um ponto de vista prático. Porém, dependendo da vida que você levou, esse processo pode ser doloroso, não importa o meio.  O...

‘A Força da Natureza’: Mel Gibson sofre em filme de ação duro de ver

Mais um dia, mais uma volta ao redor do Sol... E mais um filmeco para se assistir na Netflix. É curioso notar como este A Força da Natureza veio a existir, pois ele explica muito sobre como o cinema funciona hoje, do ponto de vista econômico e industrial. Existe todo...

‘Wheel of Fortune and Fantasy’: Hamaguchi no limite da verborragia

"Wheel of Fortune and Fantasy", novo filme de Ryūsuke Hamaguchi, é feito sob medida para quem gosta de longas cenas de conversa. Agraciado com o Urso de Prata de Grande Prêmio do Júri no Festival de Berlim, o longa encontra seu diretor em modo mais conciso,...

‘Professor Polvo’: imagens deslumbrantes em doc de pequenos excessos

Quando eu era criança e assistia a documentários da natureza com minha família, me lembro de sempre perguntar a meus pais: “como eles filmaram isso?”. A mesma sensação de deslumbramento retornou ao assistir “Professor Polvo”, documentário dirigido por Pippa Ehrlich e...