A protagonista de “Ninjababy” provavelmente levará menos de 15 minutos para conquistar você. Ela é uma ilustradora de 20 e poucos anos, amante de sexo, drogas e RPGs, que vive la vida loca como se não houvesse amanhã. Porém, quando se vê inesperadamente grávida, toda a sua vida sai do eixo. A comédia exibida na mostra Generation do Festival de Berlim deste ano habita o limiar entre acidez e ternura e tem tudo para ser um sucesso de público.

O segundo longa de Yngvild Sve Flikke – que vem de uma longa carreira na TV norueguesa – aposta no humor de constrangimento e acompanha Rakel (Kristine Thorp) num momento particularmente estressante de sua vida: a descoberta de uma gravidez indesejada aos 6 meses de gestação.

Com o aborto fora de questão, ela se lança à missão de passar o bebê pra frente, envolvendo a melhor amiga Ingrid (Tora Christine Dietrichson), seu novo flerte Mos (Nader Khademi) e o pai da criança, de quem ela nem sabe o nome apenas como Jesus Pauzudo (Arthur Berning). Como se a situação não fosse desconcertante por si só, o personagem-título (Herman Tømmeraas) – um desenho animado inspirado na criança indesejada de Rakel – surge, aparecendo para ela em todos os lugares e tornando sua vida um inferno.

COMING-OF-AGE confuso e doloroso

A graça do filme de Flikke está em saber que essa situação poderia ser apresentada como uma tragédia, mas abraçar a comicidade inerente às trapalhadas de um crescimento forçado. O roteiro de Joham Fasting, escrito em colaboração com Flikke e Inga H Sætre, transborda um humor empático com suas personagens, resultando em um dos filmes mais divertidos da Berlinale deste ano.

Aproveitando o fato da protagonista ser uma ilustradora e do filme ser baseado numa graphic novel escrita por Sætre, o longa incorpora várias animações (da própria Sætre, inclusive) que se tornam parte intrínseca da narrativa. O Ninjababy do título, de certa forma, nada mais é do que uma forma do subconsciente de Rakel de dar vazão a todos os pensamentos autodepreciativos que a levam à beira do abismo.

À sua maneira, o filme parece um primo anárquico de “Juno”, com o qual pode fazer uma excelente sessão dupla. Mesmo começando em um ponto de partida similar, a produção de Flikke vai por um caminho muito mais cáustico e politicamente incorreto do que o hit de Jason Reitman.

A guinada que a produção dá em seu terceiro ato expõe a busca do amor próprio como um grande ponto de “Ninjababy”. Mais do que gravidez, o filme quer mostrar as reviravoltas de personagens que erram, caem e crescem – e precisam lutar contra os próprios demônios para sair do outro lado dos apuros. O amadurecimento é um processo confuso e doloroso, cheio de bolas fora. Mas a resiliência que vem com ele, como Rakel descobre, é reconfortante.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...