A protagonista de “Ninjababy” provavelmente levará menos de 15 minutos para conquistar você. Ela é uma ilustradora de 20 e poucos anos, amante de sexo, drogas e RPGs, que vive la vida loca como se não houvesse amanhã. Porém, quando se vê inesperadamente grávida, toda a sua vida sai do eixo. A comédia exibida na mostra Generation do Festival de Berlim deste ano habita o limiar entre acidez e ternura e tem tudo para ser um sucesso de público.

O segundo longa de Yngvild Sve Flikke – que vem de uma longa carreira na TV norueguesa – aposta no humor de constrangimento e acompanha Rakel (Kristine Thorp) num momento particularmente estressante de sua vida: a descoberta de uma gravidez indesejada aos 6 meses de gestação.

Com o aborto fora de questão, ela se lança à missão de passar o bebê pra frente, envolvendo a melhor amiga Ingrid (Tora Christine Dietrichson), seu novo flerte Mos (Nader Khademi) e o pai da criança, de quem ela nem sabe o nome apenas como Jesus Pauzudo (Arthur Berning). Como se a situação não fosse desconcertante por si só, o personagem-título (Herman Tømmeraas) – um desenho animado inspirado na criança indesejada de Rakel – surge, aparecendo para ela em todos os lugares e tornando sua vida um inferno.

COMING-OF-AGE confuso e doloroso

A graça do filme de Flikke está em saber que essa situação poderia ser apresentada como uma tragédia, mas abraçar a comicidade inerente às trapalhadas de um crescimento forçado. O roteiro de Joham Fasting, escrito em colaboração com Flikke e Inga H Sætre, transborda um humor empático com suas personagens, resultando em um dos filmes mais divertidos da Berlinale deste ano.

Aproveitando o fato da protagonista ser uma ilustradora e do filme ser baseado numa graphic novel escrita por Sætre, o longa incorpora várias animações (da própria Sætre, inclusive) que se tornam parte intrínseca da narrativa. O Ninjababy do título, de certa forma, nada mais é do que uma forma do subconsciente de Rakel de dar vazão a todos os pensamentos autodepreciativos que a levam à beira do abismo.

À sua maneira, o filme parece um primo anárquico de “Juno”, com o qual pode fazer uma excelente sessão dupla. Mesmo começando em um ponto de partida similar, a produção de Flikke vai por um caminho muito mais cáustico e politicamente incorreto do que o hit de Jason Reitman.

A guinada que a produção dá em seu terceiro ato expõe a busca do amor próprio como um grande ponto de “Ninjababy”. Mais do que gravidez, o filme quer mostrar as reviravoltas de personagens que erram, caem e crescem – e precisam lutar contra os próprios demônios para sair do outro lado dos apuros. O amadurecimento é um processo confuso e doloroso, cheio de bolas fora. Mas a resiliência que vem com ele, como Rakel descobre, é reconfortante.

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...