A protagonista de “Ninjababy” provavelmente levará menos de 15 minutos para conquistar você. Ela é uma ilustradora de 20 e poucos anos, amante de sexo, drogas e RPGs, que vive la vida loca como se não houvesse amanhã. Porém, quando se vê inesperadamente grávida, toda a sua vida sai do eixo. A comédia exibida na mostra Generation do Festival de Berlim deste ano habita o limiar entre acidez e ternura e tem tudo para ser um sucesso de público.

O segundo longa de Yngvild Sve Flikke – que vem de uma longa carreira na TV norueguesa – aposta no humor de constrangimento e acompanha Rakel (Kristine Thorp) num momento particularmente estressante de sua vida: a descoberta de uma gravidez indesejada aos 6 meses de gestação.

Com o aborto fora de questão, ela se lança à missão de passar o bebê pra frente, envolvendo a melhor amiga Ingrid (Tora Christine Dietrichson), seu novo flerte Mos (Nader Khademi) e o pai da criança, de quem ela nem sabe o nome apenas como Jesus Pauzudo (Arthur Berning). Como se a situação não fosse desconcertante por si só, o personagem-título (Herman Tømmeraas) – um desenho animado inspirado na criança indesejada de Rakel – surge, aparecendo para ela em todos os lugares e tornando sua vida um inferno.

COMING-OF-AGE confuso e doloroso

A graça do filme de Flikke está em saber que essa situação poderia ser apresentada como uma tragédia, mas abraçar a comicidade inerente às trapalhadas de um crescimento forçado. O roteiro de Joham Fasting, escrito em colaboração com Flikke e Inga H Sætre, transborda um humor empático com suas personagens, resultando em um dos filmes mais divertidos da Berlinale deste ano.

Aproveitando o fato da protagonista ser uma ilustradora e do filme ser baseado numa graphic novel escrita por Sætre, o longa incorpora várias animações (da própria Sætre, inclusive) que se tornam parte intrínseca da narrativa. O Ninjababy do título, de certa forma, nada mais é do que uma forma do subconsciente de Rakel de dar vazão a todos os pensamentos autodepreciativos que a levam à beira do abismo.

À sua maneira, o filme parece um primo anárquico de “Juno”, com o qual pode fazer uma excelente sessão dupla. Mesmo começando em um ponto de partida similar, a produção de Flikke vai por um caminho muito mais cáustico e politicamente incorreto do que o hit de Jason Reitman.

A guinada que a produção dá em seu terceiro ato expõe a busca do amor próprio como um grande ponto de “Ninjababy”. Mais do que gravidez, o filme quer mostrar as reviravoltas de personagens que erram, caem e crescem – e precisam lutar contra os próprios demônios para sair do outro lado dos apuros. O amadurecimento é um processo confuso e doloroso, cheio de bolas fora. Mas a resiliência que vem com ele, como Rakel descobre, é reconfortante.

‘Social Hygiene’: distanciamento social físico e metafórico em filmaço

Um filme que reflete perfeitamente os tempos pandêmicos, "Social Hygiene", de Denis Côté, é uma produção que dá um significado completamente novo ao termo "distanciamento social". O longa tornou seu realizador um dos ganhadores do prêmio de Melhor Diretor da...

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...