Quando eu era criança e assistia a documentários da natureza com minha família, me lembro de sempre perguntar a meus pais: “como eles filmaram isso?”. A mesma sensação de deslumbramento retornou ao assistir “Professor Polvo”, documentário dirigido por Pippa Ehrlich e James Reed, que combina belíssimas imagens da natureza com uma história um pouco estranha, mas, mesmo assim, muito humana.

“Professor Polvo” conta o que aconteceu com Craig Foster, cineasta, amante dos oceanos e conservacionista marinho. Enquanto passava por um período de dificuldades profissionais e de depressão pessoal, Foster conheceu e acompanhou por alguns anos um polvo-fêmea enquanto mergulhava na costa da Cidade do Cabo, na África do Sul. Acompanhamos sua história pelo seu próprio depoimento em frente à câmera, pelas imagens que ele gravou da época e imagens atuais também. O contato com o molusco ao longo do tempo acabou provocando mudanças na vida dele e tirando-o da baixa emocional em que se encontrava.

É quase um relato em primeira pessoa e a forma honesta com que Foster se abre para a câmera nos primeiros minutos do filme se torna convidativa para o espectador. Isso e as belíssimas imagens do filme são as grandes qualidades de Professor Polvo. As cenas no fundo do oceano despertam aquela sensação de assombro diante da natureza, impressionam pelo seu aspecto não intrusivo, e são elas que ficam na memória ao fim da experiência.

LEVE MANIPULAÇÃO EMOCIONAL

Essa qualidade tão pessoal acaba cobrando um preço porque se torna pessoal em excesso em alguns momentos. Foster, e por consequência Ehrlich e Reed, antropomorfizam muito a estrela de oito patas do filme. Talvez seja algo compreensível para alguém que estava passando pelo que ele passou, mas a relação entre ele e o molusco atinge quase níveis de um caso de amor, um “octo-romance”, por assim dizer. Numa cena, Foster quer entender o que se passava nos olhos do animal; noutro, diz que se sentiu “desmembrado” depois de ver o polvo ser atacado. Momentos como esse passam um pouco além da conta…

O enfoque é mais emocional do que realmente científico, e nada contra, esse é um ponto de vista válido. Além disso, felizmente a antropomorfização no filme não chega a níveis de A Marcha dos Pinguins (2005)… Mas é difícil perder a impressão de que os cineastas de “Professor Polvo”, às vezes, não resistem a um pouquinho de manipulação emocional.

Ainda assim, é um filme com bom coração e boas intenções que sobrevive apesar dessas falhas. Ao final, somos deixados com uma oportuna reflexão sobre o papel da natureza em nossas vidas e como, em nossa arrogância e visão limitada, às vezes não damos valor ao simples convívio com o mundo natural, que pode ser a nossa salvação. O tom conservacionista de “Professor Polvo” é sóbrio e não é martelado na cabeça do espectador. Mas sua mensagem de valorização da natureza é clara. E para além das belas imagens e da magnificência do mundo natural, pode-se extrair do filme um significado mais humano. O de que a empatia, que pode surgir também entre um ser humano e algo inumano, é um sentimento capaz de curar.

‘A Colônia’: documentário distante do objeto de seu estudo

“A Colônia” é um filme que mistura documentário e ficção para compor uma narrativa que se debruça sobre o bairro Antônio Justa em Maracanaú, interior do Ceará. O bairro surge a partir de uma antiga colônia criada para manter em isolamento pacientes com hanseníase. O...

‘Seguindo todos os protocolos’: inventivo olhar das redes sociais na pandemia

Há um universo nas redes sociais brasileiras ainda mal explorado na recente produção audiovisual do país. Embora sirva de pano de fundo para várias produções, o que vemos sempre resvala em pequenas sacadas óbvias, humor questionável ou críticas sociais com a...

‘A Pior Pessoa do Mundo’: dramédia romântica fora dos padrões

O que define um sujeito como “pior pessoa do mundo”? No mundo socialmente determinado, temos a clara noção do que é bom e ruim, dentro do que é aceito. Histórias são diversas, múltiplas e instigantes. Pense em uma pessoa ruim, por exemplo, certamente merece esse...

‘892’: John Boyega se agiganta em filme repleto de tensão

Há alguns anos, considero que John Boyega passou do ponto com as reclamações sobre sua participação na última trilogia Star Wars. Seu argumento tinha era bastante válido (a ausência de personagens não-brancos com maior destaque), mas também ecoava certo ataque de...

‘Uma Escola no Marajó’: um dia na vida de uma escola ribeirinha

Selecionado para a Mostra Panorama, “Uma Escola no Marajó” começa com uma viagem de barco pela ilha do título do filme, no interior do Pará. A embarcação é uma condução que leva as crianças que vivem em casas mais isoladas para a escola. O sol ainda não nasceu...

‘Marte Um’: a esperança que se recusa a morrer

Marte Um, de Gabriel Martins, começa literalmente na noite em que Jair Bolsonaro foi eleito presidente em 2018. Um garotinho negro olha para o céu enquanto os fogos de artificio pipocam à distância, em comemoração. É um filme que não tem um enfoque abertamente...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...