Quando eu era criança e assistia a documentários da natureza com minha família, me lembro de sempre perguntar a meus pais: “como eles filmaram isso?”. A mesma sensação de deslumbramento retornou ao assistir “Professor Polvo”, documentário dirigido por Pippa Ehrlich e James Reed, que combina belíssimas imagens da natureza com uma história um pouco estranha, mas, mesmo assim, muito humana.

“Professor Polvo” conta o que aconteceu com Craig Foster, cineasta, amante dos oceanos e conservacionista marinho. Enquanto passava por um período de dificuldades profissionais e de depressão pessoal, Foster conheceu e acompanhou por alguns anos um polvo-fêmea enquanto mergulhava na costa da Cidade do Cabo, na África do Sul. Acompanhamos sua história pelo seu próprio depoimento em frente à câmera, pelas imagens que ele gravou da época e imagens atuais também. O contato com o molusco ao longo do tempo acabou provocando mudanças na vida dele e tirando-o da baixa emocional em que se encontrava.

É quase um relato em primeira pessoa e a forma honesta com que Foster se abre para a câmera nos primeiros minutos do filme se torna convidativa para o espectador. Isso e as belíssimas imagens do filme são as grandes qualidades de Professor Polvo. As cenas no fundo do oceano despertam aquela sensação de assombro diante da natureza, impressionam pelo seu aspecto não intrusivo, e são elas que ficam na memória ao fim da experiência.

LEVE MANIPULAÇÃO EMOCIONAL

Essa qualidade tão pessoal acaba cobrando um preço porque se torna pessoal em excesso em alguns momentos. Foster, e por consequência Ehrlich e Reed, antropomorfizam muito a estrela de oito patas do filme. Talvez seja algo compreensível para alguém que estava passando pelo que ele passou, mas a relação entre ele e o molusco atinge quase níveis de um caso de amor, um “octo-romance”, por assim dizer. Numa cena, Foster quer entender o que se passava nos olhos do animal; noutro, diz que se sentiu “desmembrado” depois de ver o polvo ser atacado. Momentos como esse passam um pouco além da conta…

O enfoque é mais emocional do que realmente científico, e nada contra, esse é um ponto de vista válido. Além disso, felizmente a antropomorfização no filme não chega a níveis de A Marcha dos Pinguins (2005)… Mas é difícil perder a impressão de que os cineastas de “Professor Polvo”, às vezes, não resistem a um pouquinho de manipulação emocional.

Ainda assim, é um filme com bom coração e boas intenções que sobrevive apesar dessas falhas. Ao final, somos deixados com uma oportuna reflexão sobre o papel da natureza em nossas vidas e como, em nossa arrogância e visão limitada, às vezes não damos valor ao simples convívio com o mundo natural, que pode ser a nossa salvação. O tom conservacionista de “Professor Polvo” é sóbrio e não é martelado na cabeça do espectador. Mas sua mensagem de valorização da natureza é clara. E para além das belas imagens e da magnificência do mundo natural, pode-se extrair do filme um significado mais humano. O de que a empatia, que pode surgir também entre um ser humano e algo inumano, é um sentimento capaz de curar.

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...