Pioneira nos estudos da radioatividade e a primeira mulher a receber um prêmio Nobel, Marie Curie já ganhou diversas produções biográficas no cinema com o propósito de retratar parte de sua vida. ‘Radioactive’ é o filme da vez e investe no talento de Rosamund Pike para dar vida à cientista com foco dividido entre sua vida pessoal e profissional. O resultado é um registro competente em apresentar a personalidade ao público, porém, sem ser igualmente bem-sucedido em criar uma narrativa consistente. 

A trama conta a história da Marie (Rosamund Pike) e sua luta em ser ouvida e respeitada pela comunidade científica de sua época, além de retratar seu casamento e as descobertas científicas ao lado de seu marido, Pierre Curie (Sam Riley), em especial importantes elementos químicos que trazem à tona a radioatividade. Em um segundo momento, o longa também apresenta momentos históricos em que suas descobertas impactaram a sociedade. 

Como protagonista, a “garota exemplar” Rosamund Pike consegue ser um dos principais atrativos do longa. Tanto o figurino quanto a maquiagem e cabelo fazem um grande trabalho em recriar a cientista, porém, é possível perceber que a atriz buscou entregar uma performance completa, criando gestos próprios para este papel, sendo um verdadeiro sucesso. Já o restante do elenco nem chega perto do mesmo destaque, não apenas pelas limitações de suas performances, como também devido às construções de personagem superficiais no roteiro. 

NADA ENVOLVENTE

Mantendo um ritmo acelerado, a montagem de “Radioactive” é extremamente problemática: nos primeiros 30 minutos, existem muitos cortes em uma tentativa desesperada de apresentar os primeiros anos de Marie na ciência, sendo extremamente perceptível a vontade de encurtar o filme ao máximo. Essa constância se mantém quando o assunto é a vida pessoal da personagem, onde os acontecimentos sempre se desenvolvem muito rapidamente sem deixar o público acompanhar gradualmente a evolução da cientista, entregando uma personagem já fragilizada pelo roteiro a Pike. 

Com o objetivo de enfatizar a importância de Curie para o mundo moderno, “Radioactive” passa a alternar a história da protagonista com acontecimentos futuros em que suas descobertas foram essenciais. Apesar de não contribuir nada para a montagem assumir maior dinamismo, a simulação desses momentos históricos ajuda muito a relacionar o conteúdo explicado anteriormente sobre elementos químicos e tornar fácil de entender a linha de raciocínio científico dos Curie. 

Outro ponto positivo em relacionar histórias diversas com a personagem é entender sua reação ao uso de suas descobertas indevidamente. Pois, apesar de contribuir bastante com a ciência e até mesmo medicina, os estudos de Curie também foram adaptados para desenvolver a radioatividade em armas químicas, podendo mostrar um cientista lidando com os efeitos negativos de suas descobertas sem se basear em um enfrentamento melancólico e óbvio.   

Para amenizar a montagem frenética do início ao fim do longa, a trilha sonora é muito bem adaptada para despistar momentos mais corridos, inserindo uma sensação de maior aproveitamento narrativo. Assim, mesmo com um ótimo tema, ‘Radioactive’ não consegue ser um filme extremamente envolvente, sendo seus grandes benefícios a atuação de Pike como protagonista e a própria importância de Curie e suas descobertas. Devido a temática e seu aprofundamento, o longa não é totalmente uma perda de tempo, embora a história pudesse ter sido melhor adaptada. 

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...