Pioneira nos estudos da radioatividade e a primeira mulher a receber um prêmio Nobel, Marie Curie já ganhou diversas produções biográficas no cinema com o propósito de retratar parte de sua vida. ‘Radioactive’ é o filme da vez e investe no talento de Rosamund Pike para dar vida à cientista com foco dividido entre sua vida pessoal e profissional. O resultado é um registro competente em apresentar a personalidade ao público, porém, sem ser igualmente bem-sucedido em criar uma narrativa consistente. 

A trama conta a história da Marie (Rosamund Pike) e sua luta em ser ouvida e respeitada pela comunidade científica de sua época, além de retratar seu casamento e as descobertas científicas ao lado de seu marido, Pierre Curie (Sam Riley), em especial importantes elementos químicos que trazem à tona a radioatividade. Em um segundo momento, o longa também apresenta momentos históricos em que suas descobertas impactaram a sociedade. 

Como protagonista, a “garota exemplar” Rosamund Pike consegue ser um dos principais atrativos do longa. Tanto o figurino quanto a maquiagem e cabelo fazem um grande trabalho em recriar a cientista, porém, é possível perceber que a atriz buscou entregar uma performance completa, criando gestos próprios para este papel, sendo um verdadeiro sucesso. Já o restante do elenco nem chega perto do mesmo destaque, não apenas pelas limitações de suas performances, como também devido às construções de personagem superficiais no roteiro. 

NADA ENVOLVENTE

Mantendo um ritmo acelerado, a montagem de “Radioactive” é extremamente problemática: nos primeiros 30 minutos, existem muitos cortes em uma tentativa desesperada de apresentar os primeiros anos de Marie na ciência, sendo extremamente perceptível a vontade de encurtar o filme ao máximo. Essa constância se mantém quando o assunto é a vida pessoal da personagem, onde os acontecimentos sempre se desenvolvem muito rapidamente sem deixar o público acompanhar gradualmente a evolução da cientista, entregando uma personagem já fragilizada pelo roteiro a Pike. 

Com o objetivo de enfatizar a importância de Curie para o mundo moderno, “Radioactive” passa a alternar a história da protagonista com acontecimentos futuros em que suas descobertas foram essenciais. Apesar de não contribuir nada para a montagem assumir maior dinamismo, a simulação desses momentos históricos ajuda muito a relacionar o conteúdo explicado anteriormente sobre elementos químicos e tornar fácil de entender a linha de raciocínio científico dos Curie. 

Outro ponto positivo em relacionar histórias diversas com a personagem é entender sua reação ao uso de suas descobertas indevidamente. Pois, apesar de contribuir bastante com a ciência e até mesmo medicina, os estudos de Curie também foram adaptados para desenvolver a radioatividade em armas químicas, podendo mostrar um cientista lidando com os efeitos negativos de suas descobertas sem se basear em um enfrentamento melancólico e óbvio.   

Para amenizar a montagem frenética do início ao fim do longa, a trilha sonora é muito bem adaptada para despistar momentos mais corridos, inserindo uma sensação de maior aproveitamento narrativo. Assim, mesmo com um ótimo tema, ‘Radioactive’ não consegue ser um filme extremamente envolvente, sendo seus grandes benefícios a atuação de Pike como protagonista e a própria importância de Curie e suas descobertas. Devido a temática e seu aprofundamento, o longa não é totalmente uma perda de tempo, embora a história pudesse ter sido melhor adaptada. 

‘Bob Marley: One Love’: a vulnerabilidade de uma lenda

Acredito que qualquer pessoa no planeta Terra sabe quem é Bob Marley ou já escutou alguma vez as suas canções. Se duvidar, até mesmo um alienígena de passagem por aqui já se desembestou a cantarolar um dos sucessos do cantor jamaicano, símbolo do reggae, subgênero...

‘Ferrari’: Michael Mann contido em drama sobre herói fora de seu tempo

Coisa estranha: a silhueta de um homem grisalho, a linha do cabelo recuando, adorna um balde de pipoca. É Adam Driver como Enzo Ferrari, em uma ação de marketing curiosa: vender o novo filme de Michael Mann como um grande blockbuster para a garotada. Jogada inusitada,...

‘Garra de Ferro’: um drama que não sai do quase

Garra de Ferro, o novo filme do diretor Sean Durkin, o mesmo dos bons Martha Marcy May Marlene (2011) e O Refúgio (2020), é decepcionante. Mas tinha ingredientes para ser marcante: um ótimo elenco e a base de uma história real e bastante dramática. No fim das contas,...

‘A Memória Infinita’: quando o amor é maior que o esquecimento

“Estou aqui para relembrar quem foi Augusto Góngora”  Com essas palavras e uma câmera desfocada, Paulina Urrutia, ex-ministra da cultura do Chile e companheira de Gongora a quase 25 anos, nos introduz a “A Memória Infinita”, filme dirigido por Maitê Alberdi, indicado...

‘Argylle’: Matthew Vaughn ladeira abaixo em filme fraco

Entre 2007 a 2015, Matthew Vaughn surgiu como uma das mentes criativas do entretenimento norte-americano. Neste período, ele comandou as melhores sátiras subversivas ao trabalhar os elementos de fantasia a partir da violência cartunesca com o humor politicamente...

‘Todos Menos Você’: dois gostosos e a essência da comédia romântica

As comédias românticas migraram dos cinemas para os streamings nos últimos anos. Basta lembrar que “Podres de Rico”, de 2018, foi o último filme do gênero a alcançar bilheteria e repercussão significativas nas telonas. Por isso, a ótima repercussão de “Todos Menos...

‘Minha Irmã e Eu’: o sucessor natural de ‘Minha Mãe é uma Peça’ 

O cinema brasileiro celebra os necessários números superiores a 1,5 milhão de ingressos vendidos por “Minha Irmã e Eu” depois de um período de vacas magras provocado pela pandemia da COVID-19 e ausência de políticas públicas de verdade como a cota de tela. Antes dele,...

‘Ficção Americana’: dramédia familiar compensa sátira engessada

Monk Ellison (Jeffrey Wright) é um professor universitário super qualificado e frustrado; portanto, sem tempo para os bons-mocismos liberais. Sua acidez o afasta do magistério e o coloca em uma sinuca de bico: como reinventar a carreira falida se tudo que o mercado...

‘O Mal que nos Habita’: terror argentino perde gás ao abandonar podridão

Não é de se espantar que o grande Marcelo Hessel tenha apelado para as alegorias sociais na hora de balizar sua leitura do argentino “O Mal Que Nos Habita”. É porque o filme, no campo puramente fílmico, perde o gás lá pela metade. Resta o trabalho mental de tradução...

‘A Noite que Mudou o Pop’: documentário direto ao ponto com ótimas histórias

Voltemos aos anos 1980 um pouco, caro leitor: era uma época em que não havia internet, mas a África já passava fome e existiam pop stars. Essa é a proposta do documentário A Noite que Mudou o Pop, produção da Netflix dirigida por Bao Nguyen que reconta a história da...