O drama da Lituânia, “The Lawyer”, é um conto comovente de pessoas que chegam a um acordo consigo mesmas. Combinando uma fotografia exuberante e comentários sociais pungentes de pano de fundo, o quarto longa de Romas Zabarauskas apresenta essa história de tristeza e amor em um filme certeiro e potente.

Marius (Eimutis Kvoščiauskas) é um advogado corporativo em Vilnius, capital da Lituânia, enfrentando uma crise de meia idade enquanto contempla o vazio de seu estilo de vida privilegiado. Ele anseia por um companheiro, mas acima de tudo, por algo que possa dar sentido à sua vida. Quando seu pai morre, o processo de luto o leva a encontrar Ali (Doğaç Yildiz), um refugiado sírio na Sérvia que ele conheceu através de sessões de sexcam. O encontro leva esses dois homens muito complicados a tentarem a salvação.

A força do roteiro, também escrito por Zabarauskas, é como ele se aventura além das fronteiras desse enredo enganosamente simples para lidar com muitas questões em torno da vida gay na Europa Oriental. O escritor-diretor segue claramente interessado em discutir a homofobia na região, retratando como a comunidade LGBT deseja explorar como o contato com alguém de outra origem pode ser transformador. No entanto, ele também encontra tempo para comentar sobre o tédio da classe alta e a percepção social dos refugiados.

Essa ousadia aparece no retrato complexo de Ali. O personagem é um bissexual ativo que parece não ser gay o suficiente para atender aos critérios para iniciativas especiais de refugiados LGBT. Contra todas as probabilidades, ele sente falta de sua terra natal e se recusa a ser visto como vítima, a tal ponto que esse mesmo desafio acabou moldando suas interações com as pessoas desde que fugiu da Síria.

Por sua parte, Marius cegou-se à inutilidade de sua vida e há o suficiente na opinião de Kvoščiauskas sobre o personagem para sugerir que, em um canto profundo de sua alma, ele não chegou totalmente a um acordo sobre quem ele é. Ao avaliar a situação em um quarto de hotel em Belgrado, os dois homens percebem que a única maneira de seguir em frente é enfrentar todos os aspectos de seus demônios.

Graças ao trabalho do diretor de fotografia Narvydas Naujalis, tudo parece muito polido, com trabalhos de câmera precisos e cores vivas se fundindo em tomadas maravilhosas (o fato de que os dois protagonistas são fáceis para os olhos também não machuca). Muitas vezes confiando na composição para reforçar os temas do filme, seu trabalho aqui dá aos procedimentos um brilho austero. Como seu personagem-título, “The Lawyer” mantém os espectadores adivinhando a totalidade de seu tempo de execução e os faz pensar sobre esse drama muito depois dos créditos.

‘Ski’: manifesto social fragmentado e irreverente

"Ski", de Manque La Banca ("T.R.A.P" e "Grr"), é uma viagem ao coração obscuro que existe por trás das empreitadas remotas e luxuosas. A co-produção Argentina-Brasil, que estreou na mostra Forum da Berlinale deste ano, mistura as estéticas de documentários, vídeos...

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...