Toda a polêmica cercando “Um Dia de Chuva em Nova York” tornou-se maior do que o próprio filme. Para quem não viveu na Terra nos últimos dois anos, um resumo: em meio ao escândalo envolvendo assédios cometidos por Harvey Weinstein e Kevin Spacey com o fortalecimento do movimento feminista em Hollywood através do movimento #MeToo, as acusações de abuso sexual cometidas por Woody Allen contra a filha adotiva, Dylan Farrow, voltaram à tona. Com isso, a Amazon Studios decidiu romper o vínculo com o cineasta deixando à deriva o lançamento da produção estrelada por Timothee Chalamet e Elle Fanning.

Agora, a comédia romântica do diretor começa a ser lançada ao redor do planeta – primeiro, na Europa para, em seguida, chegar ao Brasil em janeiro de 2020. Já nos EUA, ainda não há nenhum tipo de previsão sobre quando o filme será exibido. Como cinema, porém, “Um Dia de Chuva em Nova York” revela-se uma daquelas produções insossas lançadas rotineiramente por Woody Allen: um filme agradável, inofensivo, mas, muito, muito longe da genialidade alcançada nos melhores projetos da carreira.

“Um Dia de Chuva em Nova York” acompanha a história do casal Ashleigh (Elle Fanning) e Gatsby Welles (Timothee Chalamet). Os dois planejam passar um fim de semana em Nova York durante uma folga dos estudos. Porém, durante a viagem, ela consegue a difícil missão de entrevistar o diretor cult do momento, Roland Pollard (Liev Schreiber), enquanto ele perambula pela cidade em meio a situações incomuns à espera da amada.

Desde “Tudo Pode dar Certo”, de 2009, Woody Allen não fazia um filme tão novaiorquino como agora. Este sentimento nostálgico de retorno à casa inspira o roteiro, colocando Gatsby sempre em constante movimento pelas ruas da cidade. Igual acontecera em obras como “A Rosa Púrpura do Cairo” e no último grande projeto do diretor, “Meia-Noite em Paris”, o elemento mágico recai sobre os personagens com o acaso tendo influência sobre o destino deles e a fotografia de Vittorio Storaro projeta isso na tela de forma mais suave do que fizera em “Roda Gigante” ao explorar o contraste da chuva com raios de sol em sequências líricas.

HISTÓRIA PREGUIÇOSA

Tamanha nostalgia e beleza visual, porém, não são capazes de tornar “Um Dia de Chuva em Nova York” empolgante. Toda a trama traz uma sensação de déja-vu constante sem praticamente um pingo de originalidade ou brilho.

Como esperado, Chalamet encarna a enésima versão de Woody Allen, e, tal qual ocorre nos piores exemplares do cineasta, vemos um protagonista apenas tedioso e rabugento. Já Elle Fanning até se esforça demonstrando toda a empolgação quase juvenil e ingenuidade, porém, não vimos exatamente isso em versões anteriores com Mia Farrow e Emma Stone nos mesmos papéis?

Se a ausência de química combina com a proposta do roteiro, falta aos protagonistas certa contemporaneidade: vemos dois jovens em pleno século XXI muito longe dos conflitos e angústias da juventude atual. Caso a trama fosse ambientada nos anos 1930 ou 1950 não haveria tantas alterações em relação aos seus

A falta de criatividade do roteiro também impede um aproveitamento decente de nomes como Jude Law, Liev Schreiber, Diego Luna e Rebecca Hall, ambos com personagens sem tempo suficiente para serem desenvolvidos satisfatoriamente. Já Selena Gomez até se sai bem no papel de musa até porque, cá entre nós, não chega a ser algo tão desafiador assim. Quem realmente se salva é Cherry Jones: interpretando a mãe de Gatsby, a atriz possui o único momento memorável da trama em um diálogo revelador com Timothee Chalamet, ampliando horizontes e nos fazendo pensar que a história de “Um Dia de Chuva em Nova York” talvez estivesse ali.

Nem mesmo os momentos geniais presentes em filmes fracos (o cantor de chuveiro de “Para Roma, Com Amor”) conseguem render o mesmo efeito – refiro-me claro à risada estranha da cunhada de Gatsby. De modo geral, “Um Dia de Chuva em Nova York” não é uma bomba como “Igual a Tudo na Vida” ou “Scoop – O Grande Furo”; apenas é bem, bem esquecível.

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...