Toda a polêmica cercando “Um Dia de Chuva em Nova York” tornou-se maior do que o próprio filme. Para quem não viveu na Terra nos últimos dois anos, um resumo: em meio ao escândalo envolvendo assédios cometidos por Harvey Weinstein e Kevin Spacey com o fortalecimento do movimento feminista em Hollywood através do movimento #MeToo, as acusações de abuso sexual cometidas por Woody Allen contra a filha adotiva, Dylan Farrow, voltaram à tona. Com isso, a Amazon Studios decidiu romper o vínculo com o cineasta deixando à deriva o lançamento da produção estrelada por Timothee Chalamet e Elle Fanning.

Agora, a comédia romântica do diretor começa a ser lançada ao redor do planeta – primeiro, na Europa para, em seguida, chegar ao Brasil em janeiro de 2020. Já nos EUA, ainda não há nenhum tipo de previsão sobre quando o filme será exibido. Como cinema, porém, “Um Dia de Chuva em Nova York” revela-se uma daquelas produções insossas lançadas rotineiramente por Woody Allen: um filme agradável, inofensivo, mas, muito, muito longe da genialidade alcançada nos melhores projetos da carreira.

“Um Dia de Chuva em Nova York” acompanha a história do casal Ashleigh (Elle Fanning) e Gatsby Welles (Timothee Chalamet). Os dois planejam passar um fim de semana em Nova York durante uma folga dos estudos. Porém, durante a viagem, ela consegue a difícil missão de entrevistar o diretor cult do momento, Roland Pollard (Liev Schreiber), enquanto ele perambula pela cidade em meio a situações incomuns à espera da amada.

Desde “Tudo Pode dar Certo”, de 2009, Woody Allen não fazia um filme tão novaiorquino como agora. Este sentimento nostálgico de retorno à casa inspira o roteiro, colocando Gatsby sempre em constante movimento pelas ruas da cidade. Igual acontecera em obras como “A Rosa Púrpura do Cairo” e no último grande projeto do diretor, “Meia-Noite em Paris”, o elemento mágico recai sobre os personagens com o acaso tendo influência sobre o destino deles e a fotografia de Vittorio Storaro projeta isso na tela de forma mais suave do que fizera em “Roda Gigante” ao explorar o contraste da chuva com raios de sol em sequências líricas.

HISTÓRIA PREGUIÇOSA

Tamanha nostalgia e beleza visual, porém, não são capazes de tornar “Um Dia de Chuva em Nova York” empolgante. Toda a trama traz uma sensação de déja-vu constante sem praticamente um pingo de originalidade ou brilho.

Como esperado, Chalamet encarna a enésima versão de Woody Allen, e, tal qual ocorre nos piores exemplares do cineasta, vemos um protagonista apenas tedioso e rabugento. Já Elle Fanning até se esforça demonstrando toda a empolgação quase juvenil e ingenuidade, porém, não vimos exatamente isso em versões anteriores com Mia Farrow e Emma Stone nos mesmos papéis?

Se a ausência de química combina com a proposta do roteiro, falta aos protagonistas certa contemporaneidade: vemos dois jovens em pleno século XXI muito longe dos conflitos e angústias da juventude atual. Caso a trama fosse ambientada nos anos 1930 ou 1950 não haveria tantas alterações em relação aos seus

A falta de criatividade do roteiro também impede um aproveitamento decente de nomes como Jude Law, Liev Schreiber, Diego Luna e Rebecca Hall, ambos com personagens sem tempo suficiente para serem desenvolvidos satisfatoriamente. Já Selena Gomez até se sai bem no papel de musa até porque, cá entre nós, não chega a ser algo tão desafiador assim. Quem realmente se salva é Cherry Jones: interpretando a mãe de Gatsby, a atriz possui o único momento memorável da trama em um diálogo revelador com Timothee Chalamet, ampliando horizontes e nos fazendo pensar que a história de “Um Dia de Chuva em Nova York” talvez estivesse ali.

Nem mesmo os momentos geniais presentes em filmes fracos (o cantor de chuveiro de “Para Roma, Com Amor”) conseguem render o mesmo efeito – refiro-me claro à risada estranha da cunhada de Gatsby. De modo geral, “Um Dia de Chuva em Nova York” não é uma bomba como “Igual a Tudo na Vida” ou “Scoop – O Grande Furo”; apenas é bem, bem esquecível.

CRÍTICA | ‘Eu não sou tudo aquilo que quero ser’: o reconhecimento tardio de uma fotógrafa controversa

Pária no socialismo, pária no capitalismo, a fotógrafa Libuše Jarcovjáková é quase como a autora principal do próprio documentário “Eu não sou tudo aquilo que quero ser”. Feito essencialmente de suas fotografias. Com a sua narração. Com o seu diário como base. Em um...

Crítica | ‘Os Observadores’: hesitação entre a fábula e o terror

Com o passar dos anos, M. Night Shyamalan virou uma grife dentro do cinema. Tanto fãs quanto detratores do diretor de O Sexto Sentido (1999), Sinais (2002), A Vila (2004) e Fragmentado (2016) reconhecem que existe um estilo Shyamalan, que foi refinado ao longo dos...

CRÍTICA | ‘Tijolo por Tijolo’: proximidade é a chave para documentário surpreendente

Um depoimento emocionado em um culto evangélico improvisado em uma casa de tijolos descobertos. “Jesus” escrito em uma impressão A4 com uma fonte meio word art. Uma mulher emocionada no púlpito. Falando de tudo que acometeu sua casa. Condenada. Demolida. E que será...

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...