Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma inspiradíssima mistura de filme de zumbi com comédia romântica. Logan (2017) mescla história de super-herói com convenções do western. Hereditário (2018) é, ao mesmo tempo, um terror de roer as unhas e um forte drama familiar. E por aí vai, são muitos os exemplos por toda a história do cinema.

O terror O Sétimo Dia, produção disponibilizada no Amazon Prime Video, tenta fazer algo semelhante para injetar um sabor diferente na sua trama de possessão demoníaca. Mas, infelizmente, o resultado acaba sendo muito fraco. É preciso dizer que o diretor e roteirista Justin P. Lange e seus atores até se esforçam, tentando elevar o filme acima da média do terror genérico, mas o produto final é apenas isto, genérico. Apesar da interessante noção inicial de tentar uma mescla de gêneros.

POLICIAL COM SOBRENATURAL

Afinal, O Sétimo Dia começa como um buddy cop movie, aquele tipo de filme com dois parceiros – na maioria dos casos, policiais – que, a princípio, se estranham, mas precisam conciliar suas diferenças para resolver um caso. A história começa com o jovem padre Daniel (vivido por Vadhir Derbez), candidato a exorcista e recém-saído do seminário, sendo enviado para aprender as manhas do combate às forças do Mal com o veterano padre Peter (Guy Pearce).

A cena em que eles são reunidos pelo Arcebispo (Stephen Lang) e se conhecem é praticamente a mesma que vemos com frequência em filmes policiais, com os tiras sendo convocados e partindo para a missão. A diferença é que aqui alguns dos personagens usam batina. Afinal, igual ao número de crimes em filmes de ação dos anos 1980, as possessões demoníacas estão em alta por todo o país.

Então, pela primeira metade do filme, o que temos é praticamente um Dia de Treinamento (2001) sobrenatural, com o padre Peter ensinando o novato a encontrar demônios pelas ruas. A cena em que eles topam com um demônio disfarçado de assistente social lembra Constantine (2005), e o anti-herói de Keanu Reeves parece ter servido de leve inspiração para o personagem de Guy Pearce. Seu personagem xinga, é visto lendo quadrinhos num momento do filme, e sua barba por fazer e atitude rebelde é o material de que vários anti-heróis do cinema são feitos. Um ator sempre carismático – embora azarado, pois só tem aparecido em bombas ultimamente – Pearce rouba a cena aqui, o que não é difícil, visto que Derbez se mostra inexpressivo e sem força para carregar o filme.

Eles também começam a investigar o caso de um garotinho que matou sua família enquanto estava possuído. Chega a ser interessante acompanhar o longa nesses primeiros desdobramentos, pois a dinâmica policial prende um pouco de atenção. Claro, é um filme policial no qual os bandidos falam em voz gutural transmitida em Dolby Stereo, fazem caretas e levitam ocasionalmente. Mas a mistura de policial/terror é interessante, por um momento.

SEM INTENSIDADE, SEM SUSPENSE

Porém, quanto mais os personagens passam a falar grosso, mais se perde aquela dinâmica inicial e O Sétimo Dia começa a se tornar só mais um terror com temática demoníaca, com direito a vários clichês do tipo: criança possuída, tabuleiro de Ouija… É elogiável o fato do diretor Lange não exagerar nos truques baratos como jumpscares ou pessoas se contorcendo de maneiras absurdas – ele até cria um momento de fato perturbador na abertura do filme, com um personagem possuído exibindo um sorriso anormal. Mas é pouco: falta à sua história intensidade e um clima forte de suspense, ainda mais a partir da segunda metade.

É quando o roteirista Lange inclui um plot twist meio questionável – e ainda por cima previsível, pela maneira como a trama se encaminha – que leva o filme ainda mais para o território do clichê. Situações absurdas também começam a acontecer para fazer a trama funcionar.

E no fim das contas, seus personagens não têm vida o suficiente para carregar o longa como experiência emocional. Até mesmo tentativas de criticar a Igreja ou incluir na história subtextos de abusos por parte de sacerdotes não passam disso: tentativas, ideias jogadas na parede para ver se colam, mas que não são desenvolvidas.

Uma pena, pois, pelo menos, inicialmente, O Sétimo Dia prometia uma experiência um pouco diferente, devido à sua proposta de misturar gêneros. Mas, no fim das contas, um Hereditário não aparece toda semana, não é mesmo?

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Ferrugem’, de Juan Sebastian Mesa

O drama colombiano “A Ferrugem” tem como personagem principal Jorge (Daniel Ortiz), um jovem que mora no interior do país e conduz a pequena fazenda da família. Ele é atordoado por visões do pai falecido e também sobre as incertezas sobre ficar ou partir.  A obra...