Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma inspiradíssima mistura de filme de zumbi com comédia romântica. Logan (2017) mescla história de super-herói com convenções do western. Hereditário (2018) é, ao mesmo tempo, um terror de roer as unhas e um forte drama familiar. E por aí vai, são muitos os exemplos por toda a história do cinema.

O terror O Sétimo Dia, produção disponibilizada no Amazon Prime Video, tenta fazer algo semelhante para injetar um sabor diferente na sua trama de possessão demoníaca. Mas, infelizmente, o resultado acaba sendo muito fraco. É preciso dizer que o diretor e roteirista Justin P. Lange e seus atores até se esforçam, tentando elevar o filme acima da média do terror genérico, mas o produto final é apenas isto, genérico. Apesar da interessante noção inicial de tentar uma mescla de gêneros.

POLICIAL COM SOBRENATURAL

Afinal, O Sétimo Dia começa como um buddy cop movie, aquele tipo de filme com dois parceiros – na maioria dos casos, policiais – que, a princípio, se estranham, mas precisam conciliar suas diferenças para resolver um caso. A história começa com o jovem padre Daniel (vivido por Vadhir Derbez), candidato a exorcista e recém-saído do seminário, sendo enviado para aprender as manhas do combate às forças do Mal com o veterano padre Peter (Guy Pearce).

A cena em que eles são reunidos pelo Arcebispo (Stephen Lang) e se conhecem é praticamente a mesma que vemos com frequência em filmes policiais, com os tiras sendo convocados e partindo para a missão. A diferença é que aqui alguns dos personagens usam batina. Afinal, igual ao número de crimes em filmes de ação dos anos 1980, as possessões demoníacas estão em alta por todo o país.

Então, pela primeira metade do filme, o que temos é praticamente um Dia de Treinamento (2001) sobrenatural, com o padre Peter ensinando o novato a encontrar demônios pelas ruas. A cena em que eles topam com um demônio disfarçado de assistente social lembra Constantine (2005), e o anti-herói de Keanu Reeves parece ter servido de leve inspiração para o personagem de Guy Pearce. Seu personagem xinga, é visto lendo quadrinhos num momento do filme, e sua barba por fazer e atitude rebelde é o material de que vários anti-heróis do cinema são feitos. Um ator sempre carismático – embora azarado, pois só tem aparecido em bombas ultimamente – Pearce rouba a cena aqui, o que não é difícil, visto que Derbez se mostra inexpressivo e sem força para carregar o filme.

Eles também começam a investigar o caso de um garotinho que matou sua família enquanto estava possuído. Chega a ser interessante acompanhar o longa nesses primeiros desdobramentos, pois a dinâmica policial prende um pouco de atenção. Claro, é um filme policial no qual os bandidos falam em voz gutural transmitida em Dolby Stereo, fazem caretas e levitam ocasionalmente. Mas a mistura de policial/terror é interessante, por um momento.

SEM INTENSIDADE, SEM SUSPENSE

Porém, quanto mais os personagens passam a falar grosso, mais se perde aquela dinâmica inicial e O Sétimo Dia começa a se tornar só mais um terror com temática demoníaca, com direito a vários clichês do tipo: criança possuída, tabuleiro de Ouija… É elogiável o fato do diretor Lange não exagerar nos truques baratos como jumpscares ou pessoas se contorcendo de maneiras absurdas – ele até cria um momento de fato perturbador na abertura do filme, com um personagem possuído exibindo um sorriso anormal. Mas é pouco: falta à sua história intensidade e um clima forte de suspense, ainda mais a partir da segunda metade.

É quando o roteirista Lange inclui um plot twist meio questionável – e ainda por cima previsível, pela maneira como a trama se encaminha – que leva o filme ainda mais para o território do clichê. Situações absurdas também começam a acontecer para fazer a trama funcionar.

E no fim das contas, seus personagens não têm vida o suficiente para carregar o longa como experiência emocional. Até mesmo tentativas de criticar a Igreja ou incluir na história subtextos de abusos por parte de sacerdotes não passam disso: tentativas, ideias jogadas na parede para ver se colam, mas que não são desenvolvidas.

Uma pena, pois, pelo menos, inicialmente, O Sétimo Dia prometia uma experiência um pouco diferente, devido à sua proposta de misturar gêneros. Mas, no fim das contas, um Hereditário não aparece toda semana, não é mesmo?

‘Late Night With the Devil’: preso nas engrenagens do found footage

A mais recente adição ao filão do found footage é este "Late Night With the Devil". Claramente inspirado pelo clássico britânico do gênero, "Ghostwatch", o filme dos irmãos Cameron e Colin Cairnes, dupla australiana trabalhando no horror independente desde a última...

‘Rebel Moon – Parte 2’: desastre com assinatura de Zack Snyder

A pior coisa que pode acontecer com qualquer artista – e isso inclui diretores de cinema – é acreditar no próprio hype que criam ao seu redor – isso, claro, na minha opinião. Com o perdão da expressão, quando o artista começa a gostar do cheiro dos próprios peidos, aí...

‘Meu nome era Eileen’: atrizes brilham em filme que não decola

Enquanto assistia “Meu nome era Eileen”, tentava fazer várias conexões sobre o que o filme de William Oldroyd (“Lady Macbeth”) se tratava. Entre enigmas, suspense, desejo e obsessão, a verdade é que o grande trunfo da trama se concentra na dupla formada por Thomasin...

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...