Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma inspiradíssima mistura de filme de zumbi com comédia romântica. Logan (2017) mescla história de super-herói com convenções do western. Hereditário (2018) é, ao mesmo tempo, um terror de roer as unhas e um forte drama familiar. E por aí vai, são muitos os exemplos por toda a história do cinema.

O terror O Sétimo Dia, produção disponibilizada no Amazon Prime Video, tenta fazer algo semelhante para injetar um sabor diferente na sua trama de possessão demoníaca. Mas, infelizmente, o resultado acaba sendo muito fraco. É preciso dizer que o diretor e roteirista Justin P. Lange e seus atores até se esforçam, tentando elevar o filme acima da média do terror genérico, mas o produto final é apenas isto, genérico. Apesar da interessante noção inicial de tentar uma mescla de gêneros.

POLICIAL COM SOBRENATURAL

Afinal, O Sétimo Dia começa como um buddy cop movie, aquele tipo de filme com dois parceiros – na maioria dos casos, policiais – que, a princípio, se estranham, mas precisam conciliar suas diferenças para resolver um caso. A história começa com o jovem padre Daniel (vivido por Vadhir Derbez), candidato a exorcista e recém-saído do seminário, sendo enviado para aprender as manhas do combate às forças do Mal com o veterano padre Peter (Guy Pearce).

A cena em que eles são reunidos pelo Arcebispo (Stephen Lang) e se conhecem é praticamente a mesma que vemos com frequência em filmes policiais, com os tiras sendo convocados e partindo para a missão. A diferença é que aqui alguns dos personagens usam batina. Afinal, igual ao número de crimes em filmes de ação dos anos 1980, as possessões demoníacas estão em alta por todo o país.

Então, pela primeira metade do filme, o que temos é praticamente um Dia de Treinamento (2001) sobrenatural, com o padre Peter ensinando o novato a encontrar demônios pelas ruas. A cena em que eles topam com um demônio disfarçado de assistente social lembra Constantine (2005), e o anti-herói de Keanu Reeves parece ter servido de leve inspiração para o personagem de Guy Pearce. Seu personagem xinga, é visto lendo quadrinhos num momento do filme, e sua barba por fazer e atitude rebelde é o material de que vários anti-heróis do cinema são feitos. Um ator sempre carismático – embora azarado, pois só tem aparecido em bombas ultimamente – Pearce rouba a cena aqui, o que não é difícil, visto que Derbez se mostra inexpressivo e sem força para carregar o filme.

Eles também começam a investigar o caso de um garotinho que matou sua família enquanto estava possuído. Chega a ser interessante acompanhar o longa nesses primeiros desdobramentos, pois a dinâmica policial prende um pouco de atenção. Claro, é um filme policial no qual os bandidos falam em voz gutural transmitida em Dolby Stereo, fazem caretas e levitam ocasionalmente. Mas a mistura de policial/terror é interessante, por um momento.

SEM INTENSIDADE, SEM SUSPENSE

Porém, quanto mais os personagens passam a falar grosso, mais se perde aquela dinâmica inicial e O Sétimo Dia começa a se tornar só mais um terror com temática demoníaca, com direito a vários clichês do tipo: criança possuída, tabuleiro de Ouija… É elogiável o fato do diretor Lange não exagerar nos truques baratos como jumpscares ou pessoas se contorcendo de maneiras absurdas – ele até cria um momento de fato perturbador na abertura do filme, com um personagem possuído exibindo um sorriso anormal. Mas é pouco: falta à sua história intensidade e um clima forte de suspense, ainda mais a partir da segunda metade.

É quando o roteirista Lange inclui um plot twist meio questionável – e ainda por cima previsível, pela maneira como a trama se encaminha – que leva o filme ainda mais para o território do clichê. Situações absurdas também começam a acontecer para fazer a trama funcionar.

E no fim das contas, seus personagens não têm vida o suficiente para carregar o longa como experiência emocional. Até mesmo tentativas de criticar a Igreja ou incluir na história subtextos de abusos por parte de sacerdotes não passam disso: tentativas, ideias jogadas na parede para ver se colam, mas que não são desenvolvidas.

Uma pena, pois, pelo menos, inicialmente, O Sétimo Dia prometia uma experiência um pouco diferente, devido à sua proposta de misturar gêneros. Mas, no fim das contas, um Hereditário não aparece toda semana, não é mesmo?

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...