Hollywood, 1969. Em agosto daquele ano, Sharon Tate e seus convidados, que passavam a noite na mansão dela, foram brutalmente assassinados pelos seguidores do fanático Charles Manson. Sharon era uma jovem atriz em ascensão, a um passo de virar superestrela. Era casada com o cineasta Roman Polanski, outro que também tinha uma carreira ascendente, e quando morreu estava prestes a dar à luz ao primeiro filho do casal. Foi um crime que chocou os EUA e o mundo, estabelecendo um ponto final trágico e aterrorizante no sonho hippie de “paz e amor”.

Também em 1969, o ator Rick Dalton estava em baixa. Outrora um cowboy de sucesso na TV, naquele ano ele estava relegado a papeis de vilão da vez em seriados, enquanto avaliava se seria bom para a carreira ir à Itália filmar uns spaghetti westerns. Seu ex-dublê Cliff Booth era seu único amigo e companheiro, seu motorista e faz-tudo. E Dalton vivia na casa vizinha à dos Polanskis naquele ano fatídico…

Sharon Tate existiu de verdade. Já Rick Dalton e Cliff Booth nunca existiram, são criações do diretor/roteirista Quentin Tarantino em Era Uma Vez… Em Hollywood, no qual fatos se misturam à boa e velha fantasia do cinema. Nele, Tarantino realiza uma obra de muitas facetas: uma ode nostálgica à Hollywood de antigamente; um buddy movie (filme de parceiros) focado em uma história de amor, mesmo, entre dois caras; uma fantasia de vingança (claro). E, acima de tudo, um filme… triste, apesar de várias cenas engraçadas.

ECOS DE ‘JACKIE BROWN’

“Era uma Vez em Hollywood” é um pouco diferente do que a maioria espera de uma nova produção tarantinesca. Durante a maior parte das primeiras duas horas, o tom é melancólico – ecos de Jackie Brown (1997), o filme maduro do diretor, são sentidos aqui. Não existe realmente uma “trama”. Vemos várias cenas dos personagens apenas… vivendo. Fazendo suas tarefas. Festejando. Indo trabalhar. Vemos Dalton estudando as falas da filmagem do dia seguinte; acompanhamos Booth na solidão do seu lar e dando comida para sua cadela. Vemos Booth dirigindo pelas ruas – a oportunidade perfeita para o design de produção recriar com gosto as ruas e a paisagem urbana da Hollywood do final dos anos 1960, com pouquíssima computação gráfica. A atmosfera também é recriada com comerciais na TV, spots de rádio, imagens de antigos seriados e programas.

E num dos momentos mágicos do filme, vemos Sharon no cinema, assistindo a si mesma na aventura Arma Secreta contra Matt Helm (1968). Em outro momento curioso, Tarantino insere Leonardo DiCaprio, intérprete de Dalton, sobre o astro Steve McQueen no clássico Fugindo do Inferno (1963). Quando vemos cenas de Arma Secreta, é a verdadeira Sharon Tate quem aparece, não a sua intérprete em Era Uma Vez…em Hollywood, a atriz Margot Robbie. Tarantino trata Sharon Tate com reverência e respeito, fazendo-a aparecer quase como um raio de luz iluminando a tela, uma figura etérea trazida à vida pela presença marcante de Robbie.

A respeito dos atores, é preciso dizer que Robbie, DiCaprio e Brad Pitt como Cliff Booth realizam no filme alguns dos melhores trabalhos de suas carreiras. DiCaprio é sensacional ao retratar as inseguranças e o lado patético do seu personagem, tornando-o humano e evitando a simples caricatura. Já Pitt rouba o filme em vários momentos, retratando com facilidade – e carisma de astro, claro – o cinismo e o lado durão do seu personagem. Até a polêmica cena da sua luta com Bruce Lee (Mike Moh) pode ser vista com ambiguidade, como um momento de auto-grandeza, uma mentirinha básica que é a matéria-prima do cinema. Além deles, a jovem Margaret Qualley está eletrizante, os veteranos Bruce Dern e Al Pacino têm participações divertidas, e a menininha Julia Butters é uma revelação, atuando com DiCaprio em cenas cruciais para o filme.

MELANCOLIA E CATARSE

Era Uma Vez…em Hollywood também cria sequências antológicas: a cena tensa de Booth no rancho Spahn, cercado de seguidores de Charles Manson, é uma das mais bem dirigidas e conduzidas da carreira de Tarantino, na qual ele brinca com uma noção de anticlímax. Outro momento poderoso é a cena com Dalton sozinho no trailer, tendo um colapso. De novo, retorna a ambiguidade da narrativa: ao mesmo tempo em que celebra o cinema, possui também um olhar triste a respeito dele.  Dalton gagueja e não suporta a possibilidade de não ser mais astro. Sharon vê um filme com ela mesma no elenco, mas os donos do cinema não a reconhecem e só atrelada ao pôster ela adquire valor. É realmente um filme de “meia-idade” do seu diretor, que parece olhar para trás, para uma vida inteira dedicada ao cinema, e a vê com pitadas de melancolia.

Mesmo assim, a melancolia é ocasionalmente quebrada com letreiros indicando datas, sugerindo ao espectador – até mesmo aqueles que não sabem a respeito dos assassinatos de agosto de 1969 – que algo importante vai acontecer. E quando acontece, não acontece do jeito esperado: Acontece do jeito tarantinesco, com Era Uma Vez… Em Hollywood revelando um parentesco com Bastardos Inglórios (2009). Não é bom revelar muito, mas a meia hora final funciona como catarse, uma realização de alguém que realmente acredita que o cinema é melhor que a vida real e jamais se desculpará por isso.

Era Uma Vez… Em Hollywood celebra a fantasia do cinema, a capacidade da tela de imaginar fábulas, que é o que o título do filme sugere, e reinventar a realidade. É uma fábula com um pouco de sangue, muitos planos mostrando pés femininos, diálogos e cenas engraçadas e um tom verdadeiramente triste, um lamento de alguém que parece estar se despedindo, mas nos seus termos e agindo como um deus dentro da narrativa – Não à toa, o plano final mostra uma visão do alto, olhando para baixo para seus personagens. Easy Rider (1969) existe dentro do universo do filme, então o cinema, mesmo dentro da visão tarantinesca, iria mudar mesmo na década seguinte. Mas, durante as duas horas e meia de Era Uma Vez… Em Hollywood, 1969 revive, de uma forma muito peculiar. Como só o cinema consegue fazer.

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...