Que filme curioso é este A Vastidão da Noite, do diretor Andrew Patterson, disponível no Amazon Prime Video. Parece um episódio da clássica série Além da Imaginação (The Twilight Zone) em longa-metragem, colorido, e cheio de falatório, quase como uma obra de Richard Linklater (“Boyhood”). É um filme no qual o clima é mais importante que a história, e no qual se percebe um genuíno amor pelo gênero da ficção-científica e por histórias fantásticas. Dentro do filme, o ato de contar e ouvir histórias é o que move a trama e alimenta a narrativa, a ponto de se tornar praticamente o subtexto dela.

“A Vastidão da Noite” se passa nos anos 1950, na cidadezinha de Cayuga. No filme, acompanhamos dois jovens, a telefonista Fay (Sierra McCormick) e o DJ de rádio Everett (Jake Horowitz) durante uma noite. Os dois são bem nerds – os óculos grandes e interesse em tecnologia e futurismo denunciam. No começo da história, eles estão fascinados pelo gravador moderno que ela está testando. E conversam bastante sobre isso. Tipo, conversam MESMO. Basicamente quase toda a cidade está reunida num importante jogo de basquete, mas quando Fay recebe ligações estranhas e ouve um ruído incomum sendo transmitido, ela e Everett começam a investigar, escutam histórias de indivíduos que parecem saber o que está se passando e percebem que há algo nos céus desta noite, e que pode não ser deste planeta.

A conexão com Além da Imaginação é óbvia: logo na abertura do filme, vemos uma TV exibindo um programa de ficção-científica e o apresentador imita claramente a voz e a cadência de Rod Serling, apresentador e criador da clássica série. Cayuga, a cidade, era também o nome da produtora de Serling, que produziu a série. A certa altura de “A Vastidão da Noite”, ouvimos o nome da cidade próxima de Santa Mira – ambientação do clássico Vampiros de Almas (1956), de Don Siegel. O clima de paranoia e a presença do rádio imediatamente remetem à transmissão de Guerra dos Mundos realizada por Orson Welles e que deixou os Estados Unidos em pânico em 1938. Em alguns momentos, a tela da TV retorna e se torna uma moldura pela qual acompanhamos os eventos do filme, e A Vastidão da Noite se torna, por alguns momentos, um exemplar antigo e em preto-e-branco de ficção-científica televisiva.

CONVIDATIVOS MISTÉRIOS DA NOITE

É também um filme de planos longos: um com a Fay na sua mesa de telefonista no início se estende por vários minutos. A certa altura, a câmera sai pela porta do escritório dela e percorre a cidade, num plano-sequência – feito com ajustes digitais, claro – e a arbitrariedade do efeito provoca uma estranheza imediata no espectador. Essa estranheza também é amplificada pelo design de som preciso, pela trilha sonora espectral e ocasionalmente bela, e pela fotografia criativa de Miguel Ioann Littin Metz. Esteticamente, a fotografia lembra um pouco a dos filmes de David Fincher, mas com névoa – a presença de uma névoa quase constante nas cenas externas desperta imediatamente uma aura onírica em alguns momentos do filme.

Em 90 minutos, Patterson se preocupa em criar um clima com imagem e som. E embora esse clima seja mais importante que a história em si – que é simples e se desenvolve mais ou menos como qualquer espectador experiente do gênero ficção-científica espera – a própria narrativa apresenta o ato de contar e se ouvir uma história como algo importantíssimo. Dois dos melhores momentos de A Vastidão da Noite são monólogos, um ouvido pelo telefone e outro falado ao vivo por uma senhora estranha vivida pela atriz Gail Cronauer, cuja atuação é arrepiante. Nessas duas cenas, o filme transforma espectadores em ouvintes e faz o que o rádio consegue, estimulando a imaginação e amplificando ainda mais o clima da experiência. Pode-se extrair do filme a noção de que precisamos das histórias para compreender e dar sentido ao que vemos no mundo, e o fato dessas histórias não terem comprovação – algo ressonante no contexto atual de Fake News – até aumenta a relevância do longa.

Mas isso parece estar além do que os cineastas pretendiam com este filme. Na verdade, A Vastidão da Noite funciona num nível mais básico, explorando a noção de como a noite convida a mistérios, ao desconhecido e a comportamentos irracionais. É simples, como uma historinha contada ao redor da fogueira, e com um climão, mais estilo do que substância, mas às vezes isso basta. Com este filme, Andrew Patterson já entra na lista de diretores para se prestar atenção no futuro, e merece emprego dirigindo algum episódio na próxima temporada da nova The Twilight Zone, que aliás também está disponível no Prime Video… Ele parece ter nascido para o trabalho.

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...