Que filme curioso é este A Vastidão da Noite, do diretor Andrew Patterson, disponível no Amazon Prime Video. Parece um episódio da clássica série Além da Imaginação (The Twilight Zone) em longa-metragem, colorido, e cheio de falatório, quase como uma obra de Richard Linklater (“Boyhood”). É um filme no qual o clima é mais importante que a história, e no qual se percebe um genuíno amor pelo gênero da ficção-científica e por histórias fantásticas. Dentro do filme, o ato de contar e ouvir histórias é o que move a trama e alimenta a narrativa, a ponto de se tornar praticamente o subtexto dela.

“A Vastidão da Noite” se passa nos anos 1950, na cidadezinha de Cayuga. No filme, acompanhamos dois jovens, a telefonista Fay (Sierra McCormick) e o DJ de rádio Everett (Jake Horowitz) durante uma noite. Os dois são bem nerds – os óculos grandes e interesse em tecnologia e futurismo denunciam. No começo da história, eles estão fascinados pelo gravador moderno que ela está testando. E conversam bastante sobre isso. Tipo, conversam MESMO. Basicamente quase toda a cidade está reunida num importante jogo de basquete, mas quando Fay recebe ligações estranhas e ouve um ruído incomum sendo transmitido, ela e Everett começam a investigar, escutam histórias de indivíduos que parecem saber o que está se passando e percebem que há algo nos céus desta noite, e que pode não ser deste planeta.

A conexão com Além da Imaginação é óbvia: logo na abertura do filme, vemos uma TV exibindo um programa de ficção-científica e o apresentador imita claramente a voz e a cadência de Rod Serling, apresentador e criador da clássica série. Cayuga, a cidade, era também o nome da produtora de Serling, que produziu a série. A certa altura de “A Vastidão da Noite”, ouvimos o nome da cidade próxima de Santa Mira – ambientação do clássico Vampiros de Almas (1956), de Don Siegel. O clima de paranoia e a presença do rádio imediatamente remetem à transmissão de Guerra dos Mundos realizada por Orson Welles e que deixou os Estados Unidos em pânico em 1938. Em alguns momentos, a tela da TV retorna e se torna uma moldura pela qual acompanhamos os eventos do filme, e A Vastidão da Noite se torna, por alguns momentos, um exemplar antigo e em preto-e-branco de ficção-científica televisiva.

CONVIDATIVOS MISTÉRIOS DA NOITE

É também um filme de planos longos: um com a Fay na sua mesa de telefonista no início se estende por vários minutos. A certa altura, a câmera sai pela porta do escritório dela e percorre a cidade, num plano-sequência – feito com ajustes digitais, claro – e a arbitrariedade do efeito provoca uma estranheza imediata no espectador. Essa estranheza também é amplificada pelo design de som preciso, pela trilha sonora espectral e ocasionalmente bela, e pela fotografia criativa de Miguel Ioann Littin Metz. Esteticamente, a fotografia lembra um pouco a dos filmes de David Fincher, mas com névoa – a presença de uma névoa quase constante nas cenas externas desperta imediatamente uma aura onírica em alguns momentos do filme.

Em 90 minutos, Patterson se preocupa em criar um clima com imagem e som. E embora esse clima seja mais importante que a história em si – que é simples e se desenvolve mais ou menos como qualquer espectador experiente do gênero ficção-científica espera – a própria narrativa apresenta o ato de contar e se ouvir uma história como algo importantíssimo. Dois dos melhores momentos de A Vastidão da Noite são monólogos, um ouvido pelo telefone e outro falado ao vivo por uma senhora estranha vivida pela atriz Gail Cronauer, cuja atuação é arrepiante. Nessas duas cenas, o filme transforma espectadores em ouvintes e faz o que o rádio consegue, estimulando a imaginação e amplificando ainda mais o clima da experiência. Pode-se extrair do filme a noção de que precisamos das histórias para compreender e dar sentido ao que vemos no mundo, e o fato dessas histórias não terem comprovação – algo ressonante no contexto atual de Fake News – até aumenta a relevância do longa.

Mas isso parece estar além do que os cineastas pretendiam com este filme. Na verdade, A Vastidão da Noite funciona num nível mais básico, explorando a noção de como a noite convida a mistérios, ao desconhecido e a comportamentos irracionais. É simples, como uma historinha contada ao redor da fogueira, e com um climão, mais estilo do que substância, mas às vezes isso basta. Com este filme, Andrew Patterson já entra na lista de diretores para se prestar atenção no futuro, e merece emprego dirigindo algum episódio na próxima temporada da nova The Twilight Zone, que aliás também está disponível no Prime Video… Ele parece ter nascido para o trabalho.

‘O Homem dos Sonhos’: criativa sátira sobre fenômenos midiáticos

Quando li esse título a primeira vez, pensei que deveria se tratar de mais uma história patriarcal romântica e eu não poderia estar mais enganada. Dirigido por Kristoffer Borgli e protagonizado por Nicolas Cage, “O Homem dos Sonhos” aborda de forma discreta o fenômeno...

Como ‘Madame Teia’ consegue ser um fiasco completo?

Se os filmes de heróis da Marvel vêm passando por um período de ócio criativo, indicando uma possível saturação do público em relação às histórias, a Sony tem utilizado os “pseudos projetos cinematográficos” do universo baseado em propriedades do Homem-Aranha para...

‘Bob Marley: One Love’: a vulnerabilidade de uma lenda

Acredito que qualquer pessoa no planeta Terra sabe quem é Bob Marley ou já escutou alguma vez as suas canções. Se duvidar, até mesmo um alienígena de passagem por aqui já se desembestou a cantarolar um dos sucessos do cantor jamaicano, símbolo do reggae, subgênero...

‘Ferrari’: Michael Mann contido em drama sobre herói fora de seu tempo

Coisa estranha: a silhueta de um homem grisalho, a linha do cabelo recuando, adorna um balde de pipoca. É Adam Driver como Enzo Ferrari, em uma ação de marketing curiosa: vender o novo filme de Michael Mann como um grande blockbuster para a garotada. Jogada inusitada,...

‘Garra de Ferro’: um drama que não sai do quase

Garra de Ferro, o novo filme do diretor Sean Durkin, o mesmo dos bons Martha Marcy May Marlene (2011) e O Refúgio (2020), é decepcionante. Mas tinha ingredientes para ser marcante: um ótimo elenco e a base de uma história real e bastante dramática. No fim das contas,...

‘A Memória Infinita’: quando o amor é maior que o esquecimento

“Estou aqui para relembrar quem foi Augusto Góngora”  Com essas palavras e uma câmera desfocada, Paulina Urrutia, ex-ministra da cultura do Chile e companheira de Gongora a quase 25 anos, nos introduz a “A Memória Infinita”, filme dirigido por Maitê Alberdi, indicado...

‘Argylle’: Matthew Vaughn ladeira abaixo em filme fraco

Entre 2007 a 2015, Matthew Vaughn surgiu como uma das mentes criativas do entretenimento norte-americano. Neste período, ele comandou as melhores sátiras subversivas ao trabalhar os elementos de fantasia a partir da violência cartunesca com o humor politicamente...

‘Todos Menos Você’: dois gostosos e a essência da comédia romântica

As comédias românticas migraram dos cinemas para os streamings nos últimos anos. Basta lembrar que “Podres de Rico”, de 2018, foi o último filme do gênero a alcançar bilheteria e repercussão significativas nas telonas. Por isso, a ótima repercussão de “Todos Menos...

‘Minha Irmã e Eu’: o sucessor natural de ‘Minha Mãe é uma Peça’ 

O cinema brasileiro celebra os necessários números superiores a 1,5 milhão de ingressos vendidos por “Minha Irmã e Eu” depois de um período de vacas magras provocado pela pandemia da COVID-19 e ausência de políticas públicas de verdade como a cota de tela. Antes dele,...

‘Ficção Americana’: dramédia familiar compensa sátira engessada

Monk Ellison (Jeffrey Wright) é um professor universitário super qualificado e frustrado; portanto, sem tempo para os bons-mocismos liberais. Sua acidez o afasta do magistério e o coloca em uma sinuca de bico: como reinventar a carreira falida se tudo que o mercado...