Um tema comum a muitas narrativas de ficção-científica é a do personagem que viaja pelo universo, por grandes distâncias, e quanto mais longe vai, mais se aproxima de si mesmo, descobre algo a respeito de si mesmo. É um paradoxo: quanto mais o Homem mergulha nos mistérios do universo, mais ele se enxerga, o que poderia ser, e o que ele levou da Terra consigo. Ad Astra: Rumo às Estrelas, do diretor James Gray, é mais um exemplar do gênero que explora esse tema, com rigor, beleza e grandiosidade. É uma aventura, conduzida por um diretor que compreende mitos e velhos temas, grande e pequena ao mesmo tempo.

No filme, o astronauta Roy McBride – interpretado pelo astro Brad Pitt – é convocado para uma missão com o objetivo de salvar a Terra. Estranhas emissões de anti-matéria dentro do sistema solar estão afetando e destruindo as fontes de energia na Terra, e elas têm alguma relação com o pai de Roy, Clifford (Tommy Lee Jones), um lendário astronauta que tinha sido dado como morto numa missão espacial anos antes. Com paradas na Lua e em Marte, o destino final de Roy é Netuno, não sem antes enfrentar vários obstáculos no percurso. O espaço aqui parece uma terra sem lei, não muito distante de um Star Wars

Gray tem completa noção do tipo de história que está contando em Ad Astra. É um filme de mito, de jornada do herói, e nesse sentido demonstra mais um passo na evolução de sua visão. O roteirista/diretor que iniciou a carreira filmando no seu bairro de Nova York dramas policiais centrados em relações familiares, como Caminho Sem Volta (2000) e Os Donos da Noite (2007), deu uma guinada e começou a trabalhar sua sensibilidade numa escala cada vez maior. Em Era Uma Vez em Nova York (2013), a aventura era de uma mulher chegando a um país novo; em Z: A Cidade Perdida (2016), a jornada era para desbravar a imensidão da floresta amazônica em busca de uma região mítica e lendária. Em Ad Astra, a jornada não poderia ser maior, é pelo sistema solar… Mas ainda assim, de novo, une o épico ao pessoal, a grande tela ao pequeno conflito, a viagem espacial a uma relação entre pai e filho.

ENTRE O SUTIL E O DIDÁTICO

A parte épica do filme é, claro, trazida à vida de forma brilhante pelo design de produção de Kevin Thompson e pela encenação de Gray. Desde os primeiros momentos, com planos como o da Terra preenchendo o quadro quando Pitt desce as escadas da antena orbital, ou aquele no qual a esposa dele, Eve (Liv Tyler), é “apagada” pelo desfoque da câmera, fica claro que se está diante de um filme de visual inventivo e que compreende a dimensão épica da sua aventura. Há outros momentos incríveis também: uma perseguição na Lua une perfeitamente a computação gráfica à filmagem em estúdio, e a presença de megacorporações na base lunar faz um belo e sutil comentário visual sobre a gana capitalista que se estende pelo sistema solar graças à ação humana.

Esse mesmo momento serve para introduzir a parte pessoal do filme… E embora ela funcione, aqui se nota o principal problema da construção dramática do filme: um excesso de narração em voice-over do protagonista, que muitas vezes parece explicar coisas que já entendemos dentro do filme. Na mesma cena em que vemos Roy andando pela base lunar diante de estandes de fast-food, Pitt comenta no áudio sobre a própria crítica social que o filme já estava fazendo de modo visual. É problemática também a maneira como o roteiro coloca Pitt para explicar várias vezes no voice-over o estado emocional do protagonista, quando uma olhada no ator já transmite a ideia de forma eficaz. Percebe-se uma busca por um tom meio “filme do Terrence Malick” nessa narração, mas ao invés de “transcendental” e profunda, muitas vezes tais monólogos só soam redundantes mesmo. E depois dizem que o Christopher Nolan é didático…

Felizmente, Brad Pitt – que está presente em todas as cenas – consegue superar esses deslizes com sua atuação sutil, delicada e precisamente construída. É mais um grande trabalho do ator, e seu carisma de astro também faz com que nos importemos com um sujeito frio e emocionalmente distante, cujos batimentos cardíacos, um oficial da agência espacial nos diz, não passam de 80 nem quando ele está diante da morte iminente. Ele é o filme, e graças ao ator a jornada do protagonista é plenamente realizada ao final. Num filme cheio de estrelas, ele é a maior.

Apesar de seu tom dramático, existe uma ligeira pitada pulp, de “filme B” em Ad Astra: afinal, é um filme com piratas na Lua, em certa altura vemos uma briga de facas em gravidade zero, em outra um ataque animalesco. De novo, presenciamos James Gray se apropriar de uma estrutura de gênero para, na verdade, falar dos temas que lhe são caros pessoalmente: A luta de alguém para definir-se a si mesmo, o amor/ódio/mistura dos dois que podem existir dentro de famílias, o uso do mito grandioso e antigo para falar de algo menor e universal. Trata-se de um filme que combina piratas lunares, fim do mundo e crise existencial. Ele até tem algumas falhas, mas parece que estava mirando demais para as estrelas para notá-las. Realmente, a noção de que quando você explora o espaço descobre algo sobre si mesmo, vale também para cineastas.

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...