Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas mutantes que começaram a se alimentar dos seres humanos. O pobre Joel está vivendo há sete anos confinado num bunker, rodeado por outros sobreviventes, e sua vidinha é medíocre. Ele não pode sair, é ridicularizado pelos demais e, às vezes, tem que aguentar o casal transando no cubículo ao lado. Até parece que, sem querer, os produtores do longa fizeram um filme sobre a vida durante a pandemia de Covid-19.

Amor e Monstros muda um pouco de tom quando Joel resolve embarcar numa busca pela moça que era sua namorada antes do apocalipse, Aimee. Ninguém acredita que o medroso e apatetado Joel vai conseguir encontrá-la e, talvez para ele, uma morte rápida seja até preferível à sua existência atual. Mas a viagem até o outro posto avançado, a quilômetros de distância, é a aventura que o diretor Michael Matthew e os roteiristas Brian Duffield e Matthew Robinson querem contar. O resultado é um filme despretensioso e relativamente divertido. Podia ser até mais divertido, se tivesse a coragem de ousar um pouco mais e ser mais criativo com a sua premissa.

Todo o filme gira em torno do seu ator principal, e é graças a Dylan O’Brien, da cinessérie Maze Runner, que ele funciona. O’Brien tem uma boa atuação aqui. Em vários trechos, ele atua sozinho ou com um cachorro, ou tem que fugir de monstros malucos criados por computação gráfica. É uma atuação eminentemente física, na qual ele corre, pula e reage várias vezes a coisas que não estão lá. Em outras cenas, Amor e Monstros é esperto o suficiente para colocá-lo ao lado do veterano das telas Michael Rooker, que num paralelo com outro apocalipse divertido, o de Zumbilândia (2009), faz as vezes de Woody Harrelson por um trecho do filme. Rooker melhora a produção, junto com a garotinha Ariana Greenblat, como uma dupla de sobreviventes. Eles também ajudam o astro do longa a melhorar.

ESCAPISMO INOFENSIVO

O’Brien, no entanto, não consegue ser tão engraçado porque o roteiro o limita. É frustrante notar como os roteiristas têm um protagonista interessante aqui, mas não se mostram tão dispostos assim a investir na comédia da situação ou mesmo em fornecer a ele um arco dramático que fuja do clichê. Sério, se você já viu certa quantidade de filmes em sua vida, conseguirá adivinhar tudo que acontece em Amor e Monstros. Todas as viradas de trama, todas as etapas da jornada de Joel são bem previsíveis porque o roteiro é muito básico, fruto de manual mesmo. O humor e a aventura sustentam o filme, mas a história em si é bem qualquer nota.

Além do humor e da aventura, a concepção visual das criaturas é interessante e impactante, com sapos e caranguejos gigantes trazidos à vida em bons efeitos de computação gráfica que não têm medo de mostrar suas criaturas à luz do dia. O robô Mav1s, que aparece em determinado momento da história, também é uma figura interessante.

Tudo isso, aliado à atuação de O’Brien que retrata bem a transformação de Joel em homem, faz de Amor e Monstros uma diversão legal para a família – coisa que nem todos os filmes apocalípticos são, na verdade – mas esquecível pouco depois que ele acaba. É um filme honesto, que poderia ser melhor se não fosse tão convencional na sua estrutura, e se, claro, não deixasse no ar uma pontinha de sugestão para uma sequência injustificada. Mesmo assim, ficamos felizes ao acompanhar a jornada de alguém que sai do confinamento e vai ver o mundo, mesmo que este seja perigoso e repleto de monstros.  Talvez estejamos um pouco carentes, mas tudo bem: Amor e Monstros é divertidinho e nos lembra da importância do grande mundo e das pessoas ao nosso redor.

‘Depois a Louca Sou Eu’: divertido estudo sobre a saúde mental

Poderia classificar “Depois a louca sou eu” como um retrato da geração contemporânea: volúvel, angustiada e buscando formas de conviver com seus próprios traumas. A produção dirigida por Julia Rezende ("Coisa Mais Linda", "Ponte Aérea"), inspirada no livro homônimo de...

‘Ski’: manifesto social fragmentado e irreverente

"Ski", de Manque La Banca ("T.R.A.P" e "Grr"), é uma viagem ao coração obscuro que existe por trás das empreitadas remotas e luxuosas. A co-produção Argentina-Brasil, que estreou na mostra Forum da Berlinale deste ano, mistura as estéticas de documentários, vídeos...

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...