Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc Besson, 1999), por exemplo. Já que ao invés de ressaltar aspectos importantes da construção de identidade, batem em teclas ligadas a conceitos amplamente abraçados pelo patriarcado, o que nos resta são personagens unilaterais e com baixa profundidade. Esse é o caso de “Os Segredos de Madame Claude” de Sylvie Verheyde.

Disponível na Netflix, a narrativa acompanha Fernande Grudet (Karole Rocher), conhecida popularmente como Madame Claude, responsável por orquestrar uma grande rede de prostituição na França em meados dos anos 1960. Claude se tornou famosa por ter figuras importante no seu quadro de clientes, e, consequentemente, alcançar certa influência no meio político. O roteiro também assinado por Verheyde procura mostrar esse prestigio e como isso contribuiu para sua derrocada.

TOQUES DE NOVELA MEXICANA

A maneira encontrada para recriar sua história é a narrativa em primeira pessoa, como se Claude estivesse abrindo o seu baú de memórias. No entanto, duas coisas depõem contra essa escolha: a ausência de carisma de Rocher e a superficialidade da protagonista. Na verdade, uma coisa está conectada a outra: Verheyde opta por retratar uma personagem calejada pela vida e, portanto, imune a qualquer intempérie.

Mesmo quando as coisas dão errado, Claude se mantém no pedestal e intacta; não há qualquer traço de mudança ou exibição de alguma emoção que não seja as capitaneadas como de mulheres com personalidade forte. Por essa razão, Rocher não consegue ser tão expressiva: seu rosto permanece constantemente fechado e ela passa a sensação de ser uma megera de novela mexicana – mas não no nível de Paola Bracho.

Paralelo a isso, quem ganha espaço é Sidonie (Garance Marillier), uma garota de origem aristocrática que decide imergir no mundo da prostituição. A produção tenta fazer um paralelo entre as duas personagens, mas a construção é confusa que acaba se perdendo. A montagem tenta associar que a ligação entre a empresária e sua pupila seja dúbia e também responsável pela queda da mesma. Mas a conexão entre elas é fragmentada e nunca fica nítida. Há uma áurea de mistério em Sidonie e um quê de ameaçadora, porém, conforme a trama avança, nota-se que ela é uma criança em busca de atenção.

DESIGN DE PRODUÇÃO: A SALVAÇÃO DA LAVOURA

Essa construção de personagens mostra fragilidades na narrativa e nos leva a indagar sobre a relevância das subtramas e o objetivo de Madame Claude. Soma-se a isso a mesclagem de gêneros que a diretora tenta impor e temos uma cinebiografia regada a memórias com plots dramáticos, perseguições policiais, máfia italiana e pedofilia. Colocando tudo isso no mesmo caldo, chega o momento em que entorna e isso prejudica a identificação e empatia com a obra, tornando-a enfadonha e cansativa.

Se você gosta de Paris, no entanto, o design de produção te transporta para a capital francesa em fases diferentes dos anos 1960 a 1980. Thomas Grézaud, que nos encantou em “Retrato de uma Jovem em Chamas”, tem o cuidado estético de criar ambientes que dialogam com o período retratado e mergulham no submundo da prostituição de luxo retratando a boemia ilegal parisiense.

Por mais que esses retratos sejam visualmente bonitos, ainda assim a trama é fraca e não consegue explorar o que foi realmente a vida de Madame Claude. O que é triste para uma realizadora tão cuidadosa como Verheyde e uma personagem tão emblemática quanto a maior cafetina francesa.

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...

‘Mother Schmuckers’: anarquia niilista repleta de deboche

"Mother Schmuckers" é um filme que desafia palavras, que dirá críticas. A produção dos irmãos Harpo e Lenny Guit é uma comédia de erros que envolve drogas, violência e todo o tipo de perversão sexual. Exibido nas mostras de meia-noite de Sundance, onde estreou, e do...