Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões que persiste até hoje. As imitações de Star Wars (1977) são numerosas demais para se contar. Na década passada, vários astros de Hollywood de certa idade quiseram fazer o seu Busca Implacável (2008): Denzel Washington com O Protetor (2014), Kevin Costner com 3 Dias para Matar (2013) e Sean Penn com O Franco Atirador (2015) foram alguns que seguiram a trilha aberta por Liam Neeson. E eles convenciam como heróis de ação porque a câmera tremia tanto e a montagem era tão frenética que ninguém percebia que eles não lutavam nada.

Agora, o padrão dentro do cinema de ação hollywoodiano passou a ser John Wick: De Volta ao Jogo (2014). E uma coisa interessante aconteceu: pegando emprestado do despretensioso sucesso estrelado por Keanu Reeves, o gênero deu uma guinada de volta ao básico, e para melhor. A “shaky-cam”, aquela câmera epilética popularizada pela franquia Bourne, passou a ser mal vista. E hoje em dia, o público espera que os astros, com a ajuda de seus dublês, convençam mesmo nas cenas de ação. É o que nos traz a Anônimo: é um filhote de John Wick com certeza, talvez até um pouco formulaico nesse quesito, mas o longa do diretor Ilya Naishuller se sobressai e se torna uma diversão interessante graças ao seu clima maluco e, claro, à atuação do herói de filme de “tiro, porrada e bomba” mais improvável do momento: Bob Odenkirk, o ator e comediante que ficou famoso como o advogado trambiqueiro Saul Goodman das séries Breaking Bad e Better Call Saul.

Em Anônimo, Odenkirk vive Hutch Mansell, um pai de família pacato e afável. Uma noite, sua casa é assaltada por dois ladrões pé-de-chinelo, e por um momento Hutch até pensa que poderia detê-los. Ele não o faz, o que o torna alvo de algumas chacotas e olhares tortos. Mas todo homem tem seu limite, e Hutch não é um homem qualquer. Aos poucos, ao longo da história descobrimos coisas sobre seu passado. Os atos dele acabam colocando-o na mira de um mafioso russo (vivido por Aleksey Serebryakov), e o cara pacato de quem ninguém suspeita acaba tendo que revidar…

Anônimo é escrito por Derek Kolstad, mesmo roteirista dos dois primeiros John Wick, e seu roteiro é ao mesmo tempo fonte de força e uma fraqueza no filme. A força vem da concisão: Kolstad não perde muito tempo apresentando as situações, e o faz de maneiras visuais. Ao mesmo tempo, garante nosso envolvimento com o protagonista. Com apenas 1h30, Anônimo nunca fica chato ou aborrece o espectador. Por outro lado, a aderência do filme ao padrão John Wick o torna meio previsível em algumas partes. Por mais que o roteiro tente inovar aqui e ali – este herói tem uma família e um pai idoso (Christopher Lloyd, divertindo-se a valer); várias cenas envolvendo o antagonista têm um toque de humor – ainda assim a sensação de repetição às vezes é percebida.

INEVITÁVEL INFLUÊNCIA DE JOHN WICK

Mesmo assim, o mais importante é a ação, e nesse quesito o filme não desaponta. E é hora de mencionar Odenkirk: embora sua escalação cause um pouco de espanto – afinal, ele nunca foi do tipo fortão e atlético, e hoje está até mais velho que Liam Neeson quando este começou sua carreira nos filmes de “tiro, porrada e bomba”. Mas é graças a ele que o filme funciona, escalá-lo foi o golpe de gênio do projeto. Na primeira grande cena de ação num ônibus, quando vemos a persona oculta de Hutch emergir pela primeira vez, o trabalho do ator se destaca tanto quanto a coreografia da luta. Percebemos como Odenkirk faz a coisa funcionar aos poucos, apanhando no começo, mas eventualmente trazendo à superfície uma força e uma nova personalidade, que domina a situação. É o tipo de cena que não funcionaria com Neeson, ou mesmo com outros astros acostumados ao gênero. Essa é a melhor cena do filme, um belo momento que combina coreografia, atuações e trabalho de câmera, de novo evocando a economia e o brilhantismo das cenas de ação da franquia John Wick.

Além de Odenkirk, o que mantém a experiência funcionando é a direção de Naishuller, o mesmo do insano e divertido Hardcore: Missão Extrema (2016). O diretor injeta um humor amalucado no filme, que se intensifica à medida que a história avança, e obviamente compõe uns planos engenhosos e pirados no clímax: esse é o tipo de filme em que uma arma é jogada pelo ar, e a câmera grudada nela durante o voo a mostra chegando à mão de outro personagem; ou no qual logo antes de uma perseguição automobilística o herói coloca uma música legal para tocar no som do carro. Se momentos como esse não trouxerem um sorriso ao seu rosto, me arrisco a dizer que você como espectador pode não ter captado o espírito do filme…

E essa é justamente outra qualidade de Anônimo, não se levar tão a sério e ser despretensioso, numa época em que tantos blockbusters são cheios de si. Afinal, toda a trama acontece por causa de uma mera crise de meia-idade masculina, e dezenas de pessoas morrem sem que haja grandes consequências… É um filme que não pede desculpas por ser como é, e foi feito para valorizar a ação e para dar a um ator magnífico a oportunidade de fazer algo maluco e totalmente fora do seu escopo usual. Não deve virar um marco ou originar franquia como John Wick, mas tudo bem. O que importa é a adrenalina e a diversão, e por alguns minutos Anônimo fornece isso ao seu espectador.

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...