Hilário e tocante, “Hit the Road” é uma das maiores surpresas do cinema de 2021. O longa, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de estrear na Quinzena dos Realizadores em Cannes, adiciona uma boa dose de anarquia ao filão de road movies iranianos. Ele também marca a estreia de Panah Panahi – filho do grande diretor Jafar Panahi (“Táxi Teerã” e “Isto não é um filme”) – na direção e a maturidade demonstrada aqui sugere que Panah pode ter uma carreira tão celebrada quanto a do pai pela frente. 
 
O cineasta não perde tempo em situar o espectador e começa o filme in media res (no meio da história): uma longa tomada nos apresenta um menino (Rayan Sarlak) e seu pai (Hassan Madjooni) dentro de um carro à beira da estrada, e do lado de fora, sua mãe (Pantea Panahiha) e o irmão mais velho (Amin Simiar). Eles estão em uma viagem rumo ao norte do Irã, mas há algo estranho no ar. 
 
Os 93 minutos de projeção voam, pois, o roteiro, assinado por Panahi, se recusa terminantemente a apelar para cenas expositivas, dando pistas sobre os acontecimentos de “Hit the Road” pouco a pouco e prendendo a atenção do público. A princípio, a família conversa – e briga – como qualquer uma. Porém, silêncios cheios de significado e uma preocupação em estarem sendo seguidos indicam que essa não é uma viagem qualquer. Quando finalmente o motivo dela é revelado, o filme ganha novos contornos dramáticos. 

INÍCIO DE UMA LONGA VIAGEM PARA PANAHI

O diretor alterna habilmente entre comédia e drama em boa parte porque seu elenco dá tudo de si em atuações complementares que criam um microcosmo perfeitamente relacionável. Os quatro estão ótimos, mas dois se sobressaem: Panahiha vai além do estereótipo de mãe sofredora para entregar uma personagem que existe na tríplice fronteira entre a dor, a esperança e a resiliência. 
 
Como o yang para o ying de Panahiha, Sarlak dá ao meninote uma energia hiperativa quase maníaca, sendo o grande alívio cômico do filme. Ele faz de tudo: exibe uma comédia física inata, profere linhas e linhas de diálogo na velocidade da luz e ainda protagoniza uma sequência de lip sync que já nasceu icônica. 
 
Quando estes dois atores se juntam – à la yin e yang – para uma performance conjunta em uma cena devastadora no início do terceiro ato – o ápice da produção -, o público sabe que está diante de algo especial. A cena em si, gravada sem cortes e à distância pelo diretor de fotografia Amin Jafari, remete ao estilo do cineasta Abbas Kiarostami e é de tirar o fôlego. 
 
As referências a outros diretores, no entanto, não dominam “Hit the Road”. Panahi usa realismo, lirismo, linguagem de videoclipe e até mesmo uma sequência completamente fantástica em CGI para compor um grande longa que confirma como um talento a se observar. Muitos diretores nunca chegam a esse nível. Que ele tenha começado nele é um sinal de que, como a família que retratou, ele está aqui para uma longa viagem. 

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...