Hilário e tocante, “Hit the Road” é uma das maiores surpresas do cinema de 2021. O longa, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de estrear na Quinzena dos Realizadores em Cannes, adiciona uma boa dose de anarquia ao filão de road movies iranianos. Ele também marca a estreia de Panah Panahi – filho do grande diretor Jafar Panahi (“Táxi Teerã” e “Isto não é um filme”) – na direção e a maturidade demonstrada aqui sugere que Panah pode ter uma carreira tão celebrada quanto a do pai pela frente. 
 
O cineasta não perde tempo em situar o espectador e começa o filme in media res (no meio da história): uma longa tomada nos apresenta um menino (Rayan Sarlak) e seu pai (Hassan Madjooni) dentro de um carro à beira da estrada, e do lado de fora, sua mãe (Pantea Panahiha) e o irmão mais velho (Amin Simiar). Eles estão em uma viagem rumo ao norte do Irã, mas há algo estranho no ar. 
 
Os 93 minutos de projeção voam, pois, o roteiro, assinado por Panahi, se recusa terminantemente a apelar para cenas expositivas, dando pistas sobre os acontecimentos de “Hit the Road” pouco a pouco e prendendo a atenção do público. A princípio, a família conversa – e briga – como qualquer uma. Porém, silêncios cheios de significado e uma preocupação em estarem sendo seguidos indicam que essa não é uma viagem qualquer. Quando finalmente o motivo dela é revelado, o filme ganha novos contornos dramáticos. 

INÍCIO DE UMA LONGA VIAGEM PARA PANAHI

O diretor alterna habilmente entre comédia e drama em boa parte porque seu elenco dá tudo de si em atuações complementares que criam um microcosmo perfeitamente relacionável. Os quatro estão ótimos, mas dois se sobressaem: Panahiha vai além do estereótipo de mãe sofredora para entregar uma personagem que existe na tríplice fronteira entre a dor, a esperança e a resiliência. 
 
Como o yang para o ying de Panahiha, Sarlak dá ao meninote uma energia hiperativa quase maníaca, sendo o grande alívio cômico do filme. Ele faz de tudo: exibe uma comédia física inata, profere linhas e linhas de diálogo na velocidade da luz e ainda protagoniza uma sequência de lip sync que já nasceu icônica. 
 
Quando estes dois atores se juntam – à la yin e yang – para uma performance conjunta em uma cena devastadora no início do terceiro ato – o ápice da produção -, o público sabe que está diante de algo especial. A cena em si, gravada sem cortes e à distância pelo diretor de fotografia Amin Jafari, remete ao estilo do cineasta Abbas Kiarostami e é de tirar o fôlego. 
 
As referências a outros diretores, no entanto, não dominam “Hit the Road”. Panahi usa realismo, lirismo, linguagem de videoclipe e até mesmo uma sequência completamente fantástica em CGI para compor um grande longa que confirma como um talento a se observar. Muitos diretores nunca chegam a esse nível. Que ele tenha começado nele é um sinal de que, como a família que retratou, ele está aqui para uma longa viagem. 

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...