É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson Whitehead.

Antes de falar sobre a série lançada na Amazon Prime Video, é preciso explicar que existe a prerrogativa para classificar a obra como uma fantasia histórica, pois a “The Underground Railroad” – ‘A Ferrovia Subterrânea’, em tradução literal – historicamente existiu de fato. Eram rotas de fugas de negros durante a escravidão para estados livres nos EUA, mas, que, na narrativa transforma-se literalmente em uma ferrovia subterrânea com um trem que passa para resgatar os escravos fugitivos e conduzi-los a uma estação.

A minissérie dirigida, escrita e produzida por Barry Jenkins (“Moonlight”) apresenta uma observação histórica da escravidão e da população negra nos Estados Unidos do século XIX. Diferente de projetos como “Roots”, minissérie exibida no Brasil pela Globo em 2017, focada em apresentar as gerações escravizadas por meio de longos períodos, em “The Underground Railroad”, a perspectiva principal está em Cora (Thuso Mbedu), uma jovem negra abandonada pela mãe em uma fazenda escravocrata buscando fugir para algum lugar em que possa ser livre. Apesar de ser fácil apontá-la como a protagonista da narrativa, no decorrer da história, fica bem claro que o real protagonismo é a luta pela liberdade, a liberdade em um sentido bem mais amplo e complexo da palavra.

MAESTRIA NA DIREÇÃO, FOTOGRAFIA E TRILHA

À medida em que “The Underground Railroad” situa as histórias de Cora e seus companheiros de jornada em vários estados escravocratas, o público descobre como os brancos encontraram novas formas de mantê-los aprisionados. Através do racismo nas estruturas sociais, os negros enfrentam limitações de acesso à propriedade privada, controle de natalidade e uso da religião como justificativa de perseguição e extermínio racial

Existe também a retórica entre os próprios negros que, para conseguir a sua liberdade, você precisa comprá-la. Nada mais do que uma lógica capitalista intrínseca à sociedade estadunidense, mas, frágil na prática.: com poucas demonstrações, fica claro que comprar a alforria não garantia liberdade, pois, as pessoas brancas encontraram formas de suprimi-la. A questão principal sempre é a ausência de compreensão de que os negros também são humanos e merecem ser tratados com igualdade social.

Barry Jenkins domina a história com tanto controle e maestria nos fazendo questionar até mesmo se isso poderia ser chamado televisão e não de cinema: o trabalho de autor é notável, mesmo que ele não tenha escrito todos os episódios. Além disso, ele evita se prender a formatos fixos como episódios de uma hora, buscando contar a narrativa no tempo que ela precisa para ser completa. Ao término de cada episódio, o diretor insere uma canção contemporânea feita por artistas negros para reforçar que a mensagem de “The Underground Railroad” ainda é relevante e que alguns problemas daquela época ainda se mantém vigentes.

Cada take na série parece ser desenhado para causar no espectador uma aflição tão grande que é insuportável rever os horrores que aparecem na tela. A fotografia de James Laxton (parceiro de Jenkins de “Moonlight” a “Se a Rua Beale Falasse”) é extremamente bela e realça a luz natural dos ambientes abertos e das paisagens dos estados sulistas norte-americanos. Já a trilha sonora de Nicholas Brittel, ao mesmo tempo em que é encantadora, consegue ser tão angustiante que poderia ser usada até em um filme de horror.

BELEZA E HORROR

Não existe um personagem sequer mal escrito, todos são complexos e com momentos impactantes contando com atuações brilhantes. Cora é interpretada pela sul-africana Thuso Mbedu que carrega uma das performances mais brutais de 2021. Silenciosa, discreta, ela carrega no olhar os traumas de uma vida trágica; é possível sentir o ódio, a tristeza e o sofrimento na tela, uma verdadeira força da natureza. Outro destaque é o Joel Edgerton como Arnold Ridgeway, um caçador de escravos que quer a qualquer custo capturar Cora. O personagem ganha uma história de fundo bem detalhada na narrativa que pode causar falsamente uma sensação de humanização, mas, revela o quão mesquinhas são suas motivações para trabalhar com este ofício, gerando no espectador mais repulsa ainda a sua figura.

Minha única crítica negativa foi o fato da série ter sido lançada completa de uma vez só The Underground Railroad precisava de um episódio por semana para ressoar por mais tempo com o público fazendo-o refletir o que havia acabado de assistir, ela não foi criada para assistir de uma vez, é humanamente impossível. Qualquer ser humano fica afetado com o que é mostrado, mas, mesmo assim, ainda existem momentos de poesia, beleza e, acima de tudo, potência.

Com as imagens mais belas e aterrorizantes que você verá este ano, Jenkins nos oferece uma experiência completa e satisfatória em um ano de histórias geniais na televisão e nos serviços de streaming, The Underground Railroad brilha e marca seu espaço como uma das obras televisivas mais completas já produzidas.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...