“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina direção, roteiro, fotografia e montagem, está bem mais interessado na atmosfera criada em tela, com suas cores vibrantes, músicas destacadas e belas paisagens da cidade de Veneza e arredores. O local, inclusive, parece ser o personagem mais central na história.

Acompanhamos Daniele (Daniele Barison), um jovem que trabalha com agricultura, mas se realizada mesmo quando está em sua lancha – ou barchinos, nome dos barcos a motor da região. Ele vive em Sant’Erasmo, uma ilha às margens de Veneza. “Atlântida” se concentra em explorar essa cultura bem particular dos jovens da região, o culto aos barchinos.

Eles passeiam pelas águas, dão festas nos barcos, apostam corrida, transam, dormem ou até mesmo apenas passam um tempo ocioso em seus veículos. Daniele é mais um dos jovens em meio a essa realidade, mas, ao mesmo tempo, está excluído. Tanto por sua condição financeira, quanto por sua introspecção. São pouquíssimas as falas do protagonista e, mesmo quando ele está próximo de sua namorada, ainda parece a pessoa mais distante do mundo.

PRECIOSISMO IRRITANTE

Tudo é exageradamente bonito em “Atlântida”, desde a paisagem até os corpos jovens e atléticos dos atores. Mas há aquela sensação de falta de alma. Os personagens estão inebriados em seu ócio, a beleza natural do lugar começa a se tornar irritante em certo ponto e o malabarismo da fotografia para produzir a cada frame a mais bela composição coloca o filme como esse belo corpo sem vida como seus personagens.

É tudo belo, como um comercial de perfume, não exatamente como um filme. É clara a opção por uma obra mais sensorial e o início da obra é até esperançoso nesse sentido, mas a repetição, a infinitude do mar, parecem sempre querer fazer uma relação com os personagens sem vida da obra, mas como não há interesse por esses personagens, a parte estética parece sempre um preciosismo por parte da produção.

UM FILME A PARTE

Os pontos altos do filme estão nas passagens com música. A trilha assinada por Mirco Mencacci oferece ao espectador essa sensorialidade que “Atlântida” parece tanto buscar de forma independente aos personagens ou mesmo quando se relaciona com eles, como quando o longa apresenta uma área sagrada em uma ilha, onde os jovens seguem com suas rotinas de festa, e a trilha ecoa batidas eletrônicas ritualizadas, emulando sons que facilmente ligamos aos cânticos católicos, religião predominante na Itália.

Quando a obra adentra a cidade de Veneza e faz um passeio psicodélico pelas ruas inundadas da cidade, a trilha busca mais uma vez uma relação entre clássico e contemporâneo, que combina muito bem com a fotografia que, pela primeira vez, parece acertar em seu malabarismo técnico.

Provavelmente essa parte funciona melhor, pois, os personagens já ficaram para trás com o filme concentrado exclusivamente nas sensações e na composição geográfica do local. Seria uma escolha bem mais honesta desde o início. Pena que esses momentos sejam raros em “Atlântida”, como se fossem um filme a parte do restante da obra.

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Homem-Aranha 3’, um filme coerente ainda que bagunçado

Se hoje em dia a cena mais famosa do primeiro Homem-Aranha é do beijo entre o herói e sua amada Mary-Jane, a cena mais famosa de Homem-Aranha 3 é... a dancinha do Peter Parker malvado e com penteadinho estilo emo, achando que está abafando, em uma referência ao...