“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina direção, roteiro, fotografia e montagem, está bem mais interessado na atmosfera criada em tela, com suas cores vibrantes, músicas destacadas e belas paisagens da cidade de Veneza e arredores. O local, inclusive, parece ser o personagem mais central na história.

Acompanhamos Daniele (Daniele Barison), um jovem que trabalha com agricultura, mas se realizada mesmo quando está em sua lancha – ou barchinos, nome dos barcos a motor da região. Ele vive em Sant’Erasmo, uma ilha às margens de Veneza. “Atlântida” se concentra em explorar essa cultura bem particular dos jovens da região, o culto aos barchinos.

Eles passeiam pelas águas, dão festas nos barcos, apostam corrida, transam, dormem ou até mesmo apenas passam um tempo ocioso em seus veículos. Daniele é mais um dos jovens em meio a essa realidade, mas, ao mesmo tempo, está excluído. Tanto por sua condição financeira, quanto por sua introspecção. São pouquíssimas as falas do protagonista e, mesmo quando ele está próximo de sua namorada, ainda parece a pessoa mais distante do mundo.

PRECIOSISMO IRRITANTE

Tudo é exageradamente bonito em “Atlântida”, desde a paisagem até os corpos jovens e atléticos dos atores. Mas há aquela sensação de falta de alma. Os personagens estão inebriados em seu ócio, a beleza natural do lugar começa a se tornar irritante em certo ponto e o malabarismo da fotografia para produzir a cada frame a mais bela composição coloca o filme como esse belo corpo sem vida como seus personagens.

É tudo belo, como um comercial de perfume, não exatamente como um filme. É clara a opção por uma obra mais sensorial e o início da obra é até esperançoso nesse sentido, mas a repetição, a infinitude do mar, parecem sempre querer fazer uma relação com os personagens sem vida da obra, mas como não há interesse por esses personagens, a parte estética parece sempre um preciosismo por parte da produção.

UM FILME A PARTE

Os pontos altos do filme estão nas passagens com música. A trilha assinada por Mirco Mencacci oferece ao espectador essa sensorialidade que “Atlântida” parece tanto buscar de forma independente aos personagens ou mesmo quando se relaciona com eles, como quando o longa apresenta uma área sagrada em uma ilha, onde os jovens seguem com suas rotinas de festa, e a trilha ecoa batidas eletrônicas ritualizadas, emulando sons que facilmente ligamos aos cânticos católicos, religião predominante na Itália.

Quando a obra adentra a cidade de Veneza e faz um passeio psicodélico pelas ruas inundadas da cidade, a trilha busca mais uma vez uma relação entre clássico e contemporâneo, que combina muito bem com a fotografia que, pela primeira vez, parece acertar em seu malabarismo técnico.

Provavelmente essa parte funciona melhor, pois, os personagens já ficaram para trás com o filme concentrado exclusivamente nas sensações e na composição geográfica do local. Seria uma escolha bem mais honesta desde o início. Pena que esses momentos sejam raros em “Atlântida”, como se fossem um filme a parte do restante da obra.

‘As Verdades’: elenco hábil ancora thriller competente

Está confirmado: é o ano do thriller policial no cinema brasileiro. Só no primeiro semestre de 2022, tivemos "Águas Selvagens", "A Suspeita" e agora este "As Verdades", sem dúvidas o mais regular entre todos dessa leva. A trama tem início com a volta do delegado Josué...

‘X: A Marca da Morte’: slasher entre a subversão e a tradição

“Grupo de jovens vai a um lugar isolado e começa a ser morto, um a um, por um assassino misterioso”. Quantos filmes já não vimos usando essa fórmula, não é mesmo? É a base do subgênero slasher, aquele filme de terror de matança, cujo caso mais popular é o bom e velho...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Censora’, de Peter Kerekes

Dirigido por Peter Kerekes, “A Censora” aborda o dia a dia de uma penitenciária feminina em Odessa, cidade ucraniana. Misturando documentário e ficção, o filme tem como personagem principal Lesya (Maryna Klimova), jovem que recentemente deu à luz ao primeiro filho,...

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: algoritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...