“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina direção, roteiro, fotografia e montagem, está bem mais interessado na atmosfera criada em tela, com suas cores vibrantes, músicas destacadas e belas paisagens da cidade de Veneza e arredores. O local, inclusive, parece ser o personagem mais central na história.

Acompanhamos Daniele (Daniele Barison), um jovem que trabalha com agricultura, mas se realizada mesmo quando está em sua lancha – ou barchinos, nome dos barcos a motor da região. Ele vive em Sant’Erasmo, uma ilha às margens de Veneza. “Atlântida” se concentra em explorar essa cultura bem particular dos jovens da região, o culto aos barchinos.

Eles passeiam pelas águas, dão festas nos barcos, apostam corrida, transam, dormem ou até mesmo apenas passam um tempo ocioso em seus veículos. Daniele é mais um dos jovens em meio a essa realidade, mas, ao mesmo tempo, está excluído. Tanto por sua condição financeira, quanto por sua introspecção. São pouquíssimas as falas do protagonista e, mesmo quando ele está próximo de sua namorada, ainda parece a pessoa mais distante do mundo.

PRECIOSISMO IRRITANTE

Tudo é exageradamente bonito em “Atlântida”, desde a paisagem até os corpos jovens e atléticos dos atores. Mas há aquela sensação de falta de alma. Os personagens estão inebriados em seu ócio, a beleza natural do lugar começa a se tornar irritante em certo ponto e o malabarismo da fotografia para produzir a cada frame a mais bela composição coloca o filme como esse belo corpo sem vida como seus personagens.

É tudo belo, como um comercial de perfume, não exatamente como um filme. É clara a opção por uma obra mais sensorial e o início da obra é até esperançoso nesse sentido, mas a repetição, a infinitude do mar, parecem sempre querer fazer uma relação com os personagens sem vida da obra, mas como não há interesse por esses personagens, a parte estética parece sempre um preciosismo por parte da produção.

UM FILME A PARTE

Os pontos altos do filme estão nas passagens com música. A trilha assinada por Mirco Mencacci oferece ao espectador essa sensorialidade que “Atlântida” parece tanto buscar de forma independente aos personagens ou mesmo quando se relaciona com eles, como quando o longa apresenta uma área sagrada em uma ilha, onde os jovens seguem com suas rotinas de festa, e a trilha ecoa batidas eletrônicas ritualizadas, emulando sons que facilmente ligamos aos cânticos católicos, religião predominante na Itália.

Quando a obra adentra a cidade de Veneza e faz um passeio psicodélico pelas ruas inundadas da cidade, a trilha busca mais uma vez uma relação entre clássico e contemporâneo, que combina muito bem com a fotografia que, pela primeira vez, parece acertar em seu malabarismo técnico.

Provavelmente essa parte funciona melhor, pois, os personagens já ficaram para trás com o filme concentrado exclusivamente nas sensações e na composição geográfica do local. Seria uma escolha bem mais honesta desde o início. Pena que esses momentos sejam raros em “Atlântida”, como se fossem um filme a parte do restante da obra.

‘O Homem dos Sonhos’: criativa sátira sobre fenômenos midiáticos

Quando li esse título a primeira vez, pensei que deveria se tratar de mais uma história patriarcal romântica e eu não poderia estar mais enganada. Dirigido por Kristoffer Borgli e protagonizado por Nicolas Cage, “O Homem dos Sonhos” aborda de forma discreta o fenômeno...

Como ‘Madame Teia’ consegue ser um fiasco completo?

Se os filmes de heróis da Marvel vêm passando por um período de ócio criativo, indicando uma possível saturação do público em relação às histórias, a Sony tem utilizado os “pseudos projetos cinematográficos” do universo baseado em propriedades do Homem-Aranha para...

‘Bob Marley: One Love’: a vulnerabilidade de uma lenda

Acredito que qualquer pessoa no planeta Terra sabe quem é Bob Marley ou já escutou alguma vez as suas canções. Se duvidar, até mesmo um alienígena de passagem por aqui já se desembestou a cantarolar um dos sucessos do cantor jamaicano, símbolo do reggae, subgênero...

‘Ferrari’: Michael Mann contido em drama sobre herói fora de seu tempo

Coisa estranha: a silhueta de um homem grisalho, a linha do cabelo recuando, adorna um balde de pipoca. É Adam Driver como Enzo Ferrari, em uma ação de marketing curiosa: vender o novo filme de Michael Mann como um grande blockbuster para a garotada. Jogada inusitada,...

‘Garra de Ferro’: um drama que não sai do quase

Garra de Ferro, o novo filme do diretor Sean Durkin, o mesmo dos bons Martha Marcy May Marlene (2011) e O Refúgio (2020), é decepcionante. Mas tinha ingredientes para ser marcante: um ótimo elenco e a base de uma história real e bastante dramática. No fim das contas,...

‘A Memória Infinita’: quando o amor é maior que o esquecimento

“Estou aqui para relembrar quem foi Augusto Góngora”  Com essas palavras e uma câmera desfocada, Paulina Urrutia, ex-ministra da cultura do Chile e companheira de Gongora a quase 25 anos, nos introduz a “A Memória Infinita”, filme dirigido por Maitê Alberdi, indicado...

‘Argylle’: Matthew Vaughn ladeira abaixo em filme fraco

Entre 2007 a 2015, Matthew Vaughn surgiu como uma das mentes criativas do entretenimento norte-americano. Neste período, ele comandou as melhores sátiras subversivas ao trabalhar os elementos de fantasia a partir da violência cartunesca com o humor politicamente...

‘Todos Menos Você’: dois gostosos e a essência da comédia romântica

As comédias românticas migraram dos cinemas para os streamings nos últimos anos. Basta lembrar que “Podres de Rico”, de 2018, foi o último filme do gênero a alcançar bilheteria e repercussão significativas nas telonas. Por isso, a ótima repercussão de “Todos Menos...

‘Minha Irmã e Eu’: o sucessor natural de ‘Minha Mãe é uma Peça’ 

O cinema brasileiro celebra os necessários números superiores a 1,5 milhão de ingressos vendidos por “Minha Irmã e Eu” depois de um período de vacas magras provocado pela pandemia da COVID-19 e ausência de políticas públicas de verdade como a cota de tela. Antes dele,...

‘Ficção Americana’: dramédia familiar compensa sátira engessada

Monk Ellison (Jeffrey Wright) é um professor universitário super qualificado e frustrado; portanto, sem tempo para os bons-mocismos liberais. Sua acidez o afasta do magistério e o coloca em uma sinuca de bico: como reinventar a carreira falida se tudo que o mercado...