Sharp Objects – ou “Objetos Cortantes” – é uma minissérie limitada de oito episódios, baseada no romance da escritora Gillian Flynn (“Garota Exemplar”). A adaptação foi dirigida por Jean-Marc Vallée (do excelente “Big Little Lies”) e estreou na HBO em 2018. Produzida e protagonizada por Amy Adams, aqui a vemos em um papel denso e bem complexo, de uma repórter que precisa retornar à cidade natal para investigar dois crimes a pedido do chefe.

Bastante versátil, emotiva e extremamente talentosa, Amy Adams sempre se sobressai não importa qual tipo de personagem que interpreta – principal ou secundário. Nessa última categoria, notamos sua pequena, mas grande importânica em filmes como Ela (2013), Dúvida (2008) e O Lutador (2010). Mesmo com o recente, péssimo e vergonhoso A Mulher na Janela (2021), ela se destaca. Façamos ainda menção às suas marcantes interpretações em Animais Noturnos e A Chegada, ambos de 2016. Em Sharp Objects, no entanto, Amy Adams entrega, em nossa opinião, a melhor performance de sua carreira. Sim, somos fãs dela.

Já no primeiro episódio, notamos que algo não vai bem com Camille Preaker, a protagonista vivida por Adams. As dolorosas memórias de sua adolescência e o subsequente alcoolismo são peças-chave para entender a pessoa que Camille se tornou e são constantes durante toda a série. Nas cenas finais, vemos em destaque uma das inúmeras palavras que ela tem pelo corpo – vanish (desaparecer) – cravada por diversos objetos cortantes que fazem jus ao título. Deparamos então, com um outro grave problema.

 O distúrbio Borderline

Acreditamos que a personagem Camille Preaker sofre do distúrbio Borderline. Autores como Gary M. Yontef (1998) confirmam nossa hipótese ao levarmos em conta os comportamentos da repórter. Yontef, discutindo a personalidade borderline, chama a atenção para o fato de que, neste modo de “estar-no-mundo”, o sujeito chega a perder, em alguns momentos de seu desenvolvimento, as fronteiras de tempo, de espaço e da relação com o outro. Para o sujeito borderline, há constante ameaça ou sentimento de abandono pelo outro. Em qualquer separação do outro, tais sentimentos se manifestam com muita intensidade. O bom contato é raro, já que “entregar-se ao outro” conduz facilmente à confluência, da qual ele precisa escapar rapidamente para não ser “engolido” pelo outro. Isso fica claro na relação com o detetive Richard Willis (Chris Messina). Quando estão prestes a formar um vínculo mais duradouro, Camille se afasta e acaba se relacionando com um dos suspeitos dos crimes, John Keene (Taylor John Smith), de 18 anos. 

O sujeito borderline ataca o outro e tenta destruí-lo, mas tal ação provoca sensação de fracasso e de abandono. Yontef considera que o sujeito borderline expõe muito fácil e intensamente o seu drama existencial, o que não significa que consiga assimilação ou bom contato com o que expressa, pois a intensidade ocorre com os eventos imediatos e em um presente vazio, ou seja, na ausência de uma relação com o passado e o futuro. 

Tal ausência é constantemente destacada na série pelos inúmeros (e muitas vezes, cansativos) flashbacks de Camille. São lembranças que a assombram frequentemente como se fossem fantasmas e que estão presentes em praticamente todos os lugares que ela visita na cidade, inclusive nos vários cômodos dentro da casa da mãe.

A mãe, na duríssima cena em que confessa à filha que não a ama, tem papel fundamental para o adoecimento de Camille, da filha já falecida Marian Crellin (Lulu Wilson) e ainda na caçula Amma (Eliza Scanlen). Adora, interpretada brilhantemente por Patricia Clarkson, incomoda com tanta entrega ao personagem da matricarca castradora, tirana e ainda portadora da síndrome de Munchausen – um tipo de abuso infantil. Essa síndrome se manifesta quando um dos pais, geralmente a mãe, intencionalmente causa sintomas de doenças na criança com a intenção de chamar atenção para si.

O pai, Alan Crellin (Henry Czerny), completamente submisso e passivo, dedica seus dias a envelhecer, ser condizente e escutar suas músicas preferidas na sala, se retraindo e evitando qualquer comprometimento na doença que toma conta da casa. Esse comportamento é notado nas várias cenas onde ele coloca fones de ouvido com a música bem alta para não tomar conhecimento do que está se passando ao seu redor.

Achamos importante também mencionar o papel fundamental de Amma na série – não pelo desfecho, claro, mas como a personagem se desenvolve no decorrer dos episódios. A irmã caçula de Camille está tentando ser uma adolescente em um ambiente sombrio e carregado. Em casa com a mãe Adora, ela se comporta como se fosse bem mais nova do que é; se veste como uma menina de 6, 7 anos e brinca com uma casa de bonecas. Fora de casa, quando sai com as amigas, bebe, usa drogas e flerta com um dos professores da escola. Amma é manipuladora, insistente e várias vezes perdemos a paciência com ela. Entretando, a personagem é essencial à narrativa da trama. Como explica Brian Tallerico, editor do site RogerEbert.Com, “Amma Crellin é uma vítima mas também é agressora; é criança e adulta dentro de um corpo confuso. Ela é Camille – a garota que escapou – e Marian – a garota que não -, ao mesmo tempo”. 

É ainda curioso notar a presença do ventilador, em todos os episódios, em diferentes contextos e memórias. Nos dá a ideia exata do que acontece na vida de Camille Preaker: algo está em movimento e parado no mesmo lugar ao mesmo tempo, além do ventilador não ser suficiente para causar nenhuma mudança substancial. 

Sharp Objects, além de todo o mistério que a envolve, é na verdade uma estória sobre trauma, ciclos de abuso e recuperação. Pessoas como Camille (e Amma) são tão danificadas psicologicamente que não sabem viver de outra maneira… só conseguem sentir algo através da dor que infligem em si mesmas (física e/ou mental). Ressaltamos que, apesar de excelente, é uma série bastante intensa psicologicamente e com uma carga emocional bem elevada – um prato cheio para os amantes de psicologia (e do cinema, claro).

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Homem-Aranha 3’, um filme coerente ainda que bagunçado

Se hoje em dia a cena mais famosa do primeiro Homem-Aranha é do beijo entre o herói e sua amada Mary-Jane, a cena mais famosa de Homem-Aranha 3 é... a dancinha do Peter Parker malvado e com penteadinho estilo emo, achando que está abafando, em uma referência ao...