Seguindo a tendência hollywoodiana de bombardear os cinemas com reboots e remakes de filmes amados pelo público, ‘Convenção das Bruxas’ foi concebido pelo oscarizado Robert Zemeckis (‘Forrest Gump’) como um reboot do filme de Nicolas Roeg, lançado há 30 anos. Sem grandes mudanças na história ou forma de conduzir a narrativa, o novo longa se distancia do anterior por seu visual mais elaborado e devido aos nomes de Octavia Spencer e Anne Hathaway em seu elenco. Entretanto, nem todas novidades foram boas para a narrativa, exemplo disto é a atualização dos efeitos visuais que se tornaram bem menos críveis em comparados ao filme original, restando somente uma obra com boas qualidades, mas totalmente desnecessária por reproduzir algo já feito anteriormente.

Tanto o filme de 1990 quanto o reboot são baseados no livro homônimo de Roald Dahl, o que resulta em narrativas escritas de forma muito semelhante, com cenas praticamente idênticas. Basicamente, a trama acompanha um menino de oito anos (Jahzir Bruno) que passa a morar com sua avó (Octavia Spencer) após a morte de seus pais. Ao se hospedarem em um hotel luxuoso, ambos se deparam com uma reunião de bruxas lideradas pela grande bruxa (Anne Hathaway), a qual possui o plano de transformar crianças em ratos.

Sem grandes alterações na forma de conduzir a história, a grande mudança realizada por Zemeckis é atualizar o longa para o público atual inserindo maior representatividade. Desta vez, o jovem protagonista e sua avó são negros, o que é utilizado para ressaltar pequenas críticas ao racismo quando suas histórias de vida são contadas. Apesar da iniciativa ser louvável, ela é bem tímida e percebida somente por um público mais atento.

Ainda nos aspectos positivos, o design de produção se destaca pelo ótimo aproveitamento dos figurinos e do hotel como cenário. Da mesma forma, as interações entre Anne Hathaway e Octavia Spencer são muito boas e conseguem manter a história interessante. Além de ambas serem grandes atrizes, elas realmente parecem aproveitar seus papéis ao máximo. Anne possui um bom suporte dos efeitos visuais e entrega uma vilã com traços de humor, sem perder o objetivo de dar medo. Já Octavia Spencer também passa a impressão de estar se divertindo e confortável com o personagem, mas, diferente de Anne, os efeitos visuais nas cenas de Octavia são bem precários. Tanto os feitiços da bruxa quanto os ratos passam a impressão de tela verde sendo posta em prática, deixando a história menos fantasiosa e imersiva – isso sem nem comparar com os ótimos efeitos práticos com longa original.

Entre reboots e remakes

Para qualquer um que acompanha regularmente a indústria cinematográfica, a excessiva realização de remakes não é nenhuma novidade. O estúdio Disney, por exemplo, é um dos maiores defensores das readaptações e mostra na prática que o longa não precisa ter uma grande aprovação da crítica ou público para lucrar nas bilheterias como ‘O Rei Leão’ (2019) fez. Assim como a produção da Disney, ‘Convenção das Bruxas’ é um filme bem feito e possui grandes nomes envolvidos como Guillermo del Toro e Alfonso Cuarón na produção, mas, não deixa de ser apenas uma cópia do anterior com efeitos atualizados.

A Warner Bros., produtora do reboot, já possui um histórico de readaptações desde 2005 com o sucesso de ‘A Fantástica Fábrica de Chocolate’ até o recente ‘It – A Coisa’ (2017), onde atuou como distribuidora. ‘Convenção das Bruxas’ é somente mais uma produção desta nova fase no cinema, como seus próximos lançamentos: ‘Duna’, ‘Godzilla vs Kong’, ‘Tom & Jerry’ e ‘Space Jam – O Novo Legado’, sendo estes últimos dois longas voltados para o público infantil, o grande alvo das adaptações de histórias antigas com uma visualidade correspondente ao padrão de efeitos visuais que estão acostumados.

Assim como seus companheiros deste movimento de remakes, ‘Convenção das Bruxas’ não é um filme necessário, muito menos possui uma história que tenha obrigatoriedade de ser revisitada – apesar do protagonismo de personagens negros ser muito bem-vindo e bem inserido, diga-se de passagem. Em linhas gerais, o filme apenas refina o visual com elementos cênicos mais atrativos e adapta os efeitos práticos para uma tecnologia teoricamente superior, mas, que não consegue fazer o longa anterior ser esquecido, servindo mais como uma sessão despretensiosa que desperdiça um bom diretor e elenco. 

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...

‘Benzedeira’: encontro da estética fílmica com o brilho do protagonista

“Benzedeira”, curta documentário de Pedro Olaia e San Marcelo, é um bom exemplo de como uma narrativa aparentemente simples ganha outra dimensão no audiovisual ao se apropriar de recursos da linguagem para destacar o que há de melhor no tema abordado.  Aqui, a direção...

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...