Recentemente, a Rede Globo lançou sua primeira novela inédita na era pandêmica: “Nos Tempos do Imperador”. Desde então, a produção vem recebendo críticas ferozes de tweeteiros que apontam problemas históricos na trama de Dom Pedro II. Ironias à parte, tudo que a trama romantiza encontra ecos antagônicos e verossímeis em “Doutor Gama”, de Jeferson De (“M-8: Quando a Morte Socorre a Vida”).

Acompanhamos a trajetória de Luiz Gama (César Mello). Nascido livre, é vendido como escravo aos 10 anos pelo pai branco, a fim de pagar suas dívidas. Já adulto, conhece Antônio (Jhonny Massaro), um estudante de direito que o ensina a ler e a conquistar sua liberdade. Anos depois, Gama torna-se advogado e um célere abolicionista, sendo um dos símbolos do movimento preto e da luta antirracial brasileira.

ROTEIRO PRECISO E CORES SIMBÓLICAS

A cinebiografia é bem direta no que pretende dizer. Somos convidados a compreender três estágios da jornada de Gama: seu entendimento como escravo, a descoberta da liberdade por meio da leitura e sua consolidação como homem de leis e defensor de seu povo. A obra é bem pontuada e assertiva em cada um desses processos. O roteiro de Luiz Antônio, além de se ater a mostrar apenas o que é necessário para que o público compreenda a trajetória do protagonista, é sensível ao não explicitar imagens do sofrimento do povo preto como muleta narrativa.

Ao lado do diretor de fotografia Cristiano Conceição, Jeferson De cria imagens que se assemelham esteticamente a pinturas, como a cena em que os escravizados caminham pela mata a noite. As cores são muito presentes em toda a produção e carregam simbolismos determinantes, como o vermelho sob o rosto da mulher preta abusada ou o amarelo que predomina nas cenas na casa de Gama. Mesmo assim, a maior força da narrativa está nos diálogos fortes e necessários.

A FORÇA DOS ARGUMENTOS

O roteiro se assemelha a um capítulo expandido de uma série, o que não o prejudica, dado que essa construção facilita assimilação e a conexão com públicos distintos. Embora os diálogos sejam diretos e decisivos, não há tom acusatório ou didático. Pelo contrário, Gama apresenta argumentos convincentes e racionais para libertar seus clientes, mostrando amor e dedicação pelo ofício. Estima-se que, por meio da sua tática argumentativa, ele tenha libertado mais de 500 escravizados e adotado um método único, apoiado inteiramente nas leis abolicionistas nacionais.

Isso pode ser visto no último ato de “Doutor Gama”, quando a cinebiografia se transforma em um filme de tribunal. A cena é interessante para contrapor dois pensamentos que predominavam na época. De um lado, abolicionistas e do outro, escravocratas conservadores. Os dois discursos potentes ainda se mantêm atualíssimos e, por isso, o momento ganha contornos tão emblemáticos.

“Doutor Gama” é uma cinebiografia que se apoia no resgate histórico para apresentar um herói nacional. Sem discursos enfadonhos ou cenas inverossímeis, Jefferson De constrói uma produção necessária, histórica e pronta para ser consumida pelos mais diversos públicos. Uma ótima forma de popularizar os reais guerreiros da nação brasileira.

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...