Recentemente, a Rede Globo lançou sua primeira novela inédita na era pandêmica: “Nos Tempos do Imperador”. Desde então, a produção vem recebendo críticas ferozes de tweeteiros que apontam problemas históricos na trama de Dom Pedro II. Ironias à parte, tudo que a trama romantiza encontra ecos antagônicos e verossímeis em “Doutor Gama”, de Jeferson De (“M-8: Quando a Morte Socorre a Vida”).

Acompanhamos a trajetória de Luiz Gama (César Mello). Nascido livre, é vendido como escravo aos 10 anos pelo pai branco, a fim de pagar suas dívidas. Já adulto, conhece Antônio (Jhonny Massaro), um estudante de direito que o ensina a ler e a conquistar sua liberdade. Anos depois, Gama torna-se advogado e um célere abolicionista, sendo um dos símbolos do movimento preto e da luta antirracial brasileira.

ROTEIRO PRECISO E CORES SIMBÓLICAS

A cinebiografia é bem direta no que pretende dizer. Somos convidados a compreender três estágios da jornada de Gama: seu entendimento como escravo, a descoberta da liberdade por meio da leitura e sua consolidação como homem de leis e defensor de seu povo. A obra é bem pontuada e assertiva em cada um desses processos. O roteiro de Luiz Antônio, além de se ater a mostrar apenas o que é necessário para que o público compreenda a trajetória do protagonista, é sensível ao não explicitar imagens do sofrimento do povo preto como muleta narrativa.

Ao lado do diretor de fotografia Cristiano Conceição, Jeferson De cria imagens que se assemelham esteticamente a pinturas, como a cena em que os escravizados caminham pela mata a noite. As cores são muito presentes em toda a produção e carregam simbolismos determinantes, como o vermelho sob o rosto da mulher preta abusada ou o amarelo que predomina nas cenas na casa de Gama. Mesmo assim, a maior força da narrativa está nos diálogos fortes e necessários.

A FORÇA DOS ARGUMENTOS

O roteiro se assemelha a um capítulo expandido de uma série, o que não o prejudica, dado que essa construção facilita assimilação e a conexão com públicos distintos. Embora os diálogos sejam diretos e decisivos, não há tom acusatório ou didático. Pelo contrário, Gama apresenta argumentos convincentes e racionais para libertar seus clientes, mostrando amor e dedicação pelo ofício. Estima-se que, por meio da sua tática argumentativa, ele tenha libertado mais de 500 escravizados e adotado um método único, apoiado inteiramente nas leis abolicionistas nacionais.

Isso pode ser visto no último ato de “Doutor Gama”, quando a cinebiografia se transforma em um filme de tribunal. A cena é interessante para contrapor dois pensamentos que predominavam na época. De um lado, abolicionistas e do outro, escravocratas conservadores. Os dois discursos potentes ainda se mantêm atualíssimos e, por isso, o momento ganha contornos tão emblemáticos.

“Doutor Gama” é uma cinebiografia que se apoia no resgate histórico para apresentar um herói nacional. Sem discursos enfadonhos ou cenas inverossímeis, Jefferson De constrói uma produção necessária, histórica e pronta para ser consumida pelos mais diversos públicos. Uma ótima forma de popularizar os reais guerreiros da nação brasileira.

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...

‘Annette’: Leos Carax instiga público em musical subversivo

*AVISO: o texto contém SPOILERS -- Eu não costumo criar expectativas para filmes. Não costumo assistir trailers e nem mesmo ler sinopses e, embora tenha alguns artistas favoritos e outros nem tanto, assim como todo mundo, sempre assisto qualquer filme partindo do...