Em seu novo longa, Christophe Honoré reimagina “Um Conto de Natal” como uma comédia sexual francesa. “On a Magical Night”, exibido no Festival de Londres, tem em seu centro uma Chiara Mastroianni vulnerável e imperdível em uma performance premiada na mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes, onde estreou.

Diferentemente do protagonista da obra de Charles Dickens, a avareza da professora universitária Maria (Mastroianni) não é financeira, mas sentimental: durante os anos de seu casamento com Vincent (Benjamin Biolay), ela se tornou fechada e reservada, tendo infinitos casos extraconjugais com homens mais novos para estancar uma necessidade afetiva que ela não conseguia mais repassar ao marido.

Após uma dessas escapulidas, Vincent acha mensagens comprometedoras em seu celular e a confronta, o que a faz sair de casa e passar a noite em um hotel do outro lado da rua. Lá, ela é visitada por uma versão de 20 e poucos anos de Richard (Vincent Lacoste), bem como por todos os seus ex-affairs extraconjugais – e é forçada a encarar seu passado de frente.

Uma visitante em particular chega com uma proposta indecente: Irène (Camille Cottin), a amante que Richard largou na juventude para se casar com Maria, aparece pedindo permissão para reconquistar seu antigo amor. Ela, encantada em encontrar a versão de Richard pela qual se apaixonou décadas antes, permite que Irène tente a sorte com a versão mais velha do marido. 

‘O amor é sempre um lugar compartilhado 

O desencadear da trama, também escrita por Honoré, é uma grande discussão marital recheada de elementos fantásticos. Vincent é o homem que, diante de uma decepção conjugal e o retorno de seu antigo amor, se pergunta se tomou a decisão certa. Maria, por sua vez, é um ser muito mais multifacetado.

Ela acredita no amor, mas mente para si mesma sobre a sua natureza (quem nunca?). Maria não mostra um pingo de remorso por conta de suas puladas de cerca e sempre encontra justificativa para seu comportamento. Durante a briga com Richard, a protagonista chega a afirmar que traições são a maneira como casamentos longevos sobrevivem.

Ao romantizar o passado, ela se prende à versão de Richard que ficou para trás e, por conta disso, sempre procura homens novos para ter de novo a paixão de outrora. Seu marido, no entanto, chega ao cerne dessa questão ao concluir, por volta dos 50 minutos de filme: “o amor é sempre um lugar compartilhado, um passado”.

No final das contas, “On a Magical Night” é uma fábula sobre se reconciliar com o passado que confia na audiência o suficiente para fazer perguntas pertinentes sobre o amor. Com um design de produção impecável (cortesia de Stéphane Taillasson) e charme de sobra, o filme rende uma excelente sessão a dois – ainda que com um leve risco de DR. 

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...

‘A Beautiful Day in the Neighbourhood’: além dos limites do burocrático

O estado atual da indústria cinematográfica permite engraçados paralelos. De um lado, temos filmes que imploram a tela grande sendo produzidos por empresas de streaming, como “Roma”, de Alfonso Cuáron, ou o “Suspiria” de Luca Guadagnino. Por outro, há projetos como...