Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de porcos e armadilhas elaboradas de tortura que levavam pessoas a morrerem em espetáculos dantescos. Foi a época da franquia Jogos Mortais: entre 2004 e 2010, o estúdio Lionsgate lançou sete filmes dela, um pontualmente a cada ano, e eles levaram a sanguinolência e a tortura a um novo patamar no cinema de horror para as massas. O mundo vivia a ressaca da guerra ao terror pós-11 de Setembro, guerra esta travada com muita tortura, e esses filmes refletiam um pouco disso, mostrando sangue em excesso e as reviravoltas rocambolescas do sempre criativo maníaco Jigsaw, transformando o veterano ator Tobin Bell em novo ícone do gênero.

Porém, assim como o Orkut, o MySpace, as bandas de nu metal e várias outras coisas do começo dos anos 2000, talvez fosse melhor deixar a franquia lá naquela época. Em retrospecto, só o primeiro filme, concebido por Leigh Whanell e James Wan, ainda resiste hoje como um bom, não ótimo, suspense. Quem ditou o resto da franquia, que se tornou cada vez mais intrincada e exagerada, foi o fraquinho Darren Lynn Bousman, diretor dos Jogos Mortais 2, 3 e 4. Ainda assim, a nostalgia nubla todas as lembranças, não é mesmo? Jigsaw e suas armadilhas ainda têm fãs, o que mantém a Lionsgate interessada em ressuscitar a saga. A primeira tentativa foi com Jogos Mortais: Jigsaw (2017), e ela passou em brancas nuvens há alguns anos. Agora, chega este Espiral: O Legado de Jogos Mortais para tentar de novo, porque se há algo comum a todas as franquias hollywoodianas de terror é o fato delas se recusarem a morrer.

Espiral é uma mistura de recomeço com continuação, dessas que vem se tornando moda em Hollywood: honra o que veio antes e dá sequência, mas o faz com novos personagens e situações que podem partir para novos rumos. Curiosamente, a ideia para o filme veio do seu próprio astro, o ator e comediante Chris Rock, fã da franquia: na história, Rock vive o detetive Zeke Banks, cujo pai Marcus (Samuel L. Jackson) foi uma lenda no departamento. Zeke, no entanto, se tornou um pária ao investigar alguns companheiros. A situação dele piora quando chega um novo parceiro (Max Minghella), e os dois começam a investigar uma série bizarra de assassinatos de policiais que parecem indicar que há um novo maníaco copiando o modus operandi do finado Jigsaw.

CHRIS ROCK RISÍVEL

O filme até começa chutando a porta com um policial preso em uma armadilha nos trilhos de um trem e a língua presa numa armação. É intenção dos roteiristas e do diretor Bousman, de volta ao comando, sinalizar que Jogos Mortais voltou e com gosto. O problema é que parece que gastaram toda a imaginação e a vontade de chocar logo na abertura. O resto do filme é até um pouco contido e as armadilhas bem menos inspiradas dessa vez. A sensação é de realmente estarmos vendo obra de um imitador, de alguém que decidiu copiar o velho Jigsaw e seus discípulos, mas sem o talento para a coisa.

Quando a própria especialidade da franquia parece já estar desgastada, é sinal de problemas para todo o resto. A começar por Rock em uma atuação bem fraca. Ele é um ótimo comediante, mas não convence como detetive e nas cenas em que tenta demonstrar comoção ou medo, suas caras e bocas são constrangedoras. Ele também fala alto várias vezes, uma das suas marcas registradas, e por causa disso ficamos esperando a hora em que seus colegas de cena vão cair na risada. Mesmo assim, Minghella, Jackson e o resto do elenco não se saem assim tão melhor.

 ‘ÀS VEZES, A MORTE É MELHOR’

Tanto Minghella quanto Jackson se mostram no piloto automático, mas parece que estão combinando com a direção de Bousman. É incrível, mas depois de tanto tempo fazendo thrillers, o sujeito ainda não sabe construir nem sustentar qualquer tensão. É até curioso rever os filmes antigos e notar como são chatos, sem tensão, e Espiral vai pelo mesmo caminho, talvez até pior. Bousman não consegue trabalhar com atores, não sabe criar atmosfera e se limita, como sempre, a filmar boa parte do longa em galpões onde – ele acredita – vai haver tensão devido à presença de sangue. E claro: não deixa de incluir algumas referências aos filmes anteriores, como a cena com um serrote, para satisfazer os nostálgicos. O roteiro fraquinho também sabota seus esforços: lá pelo meio, dá para adivinhar quem é o assassino, por mais que a musiquinha conhecida da franquia tente contornar a sensação de anticlímax no final.

Essa nova tentativa de ressuscitar Jogos Mortais acaba sendo até mais fraca que a anterior. Se a franquia deixou mesmo um legado, aparentemente foi o de ampliar as fronteiras do que se podia mostrar, em termos de violência, na tela, para as plateias dos multiplexes que poderiam escolher entre um espetáculo sangrento, um longa de super-herói ou uma animação com a família. Não se pode dizer muito desses filmes além disso. O que não impede Hollywood, claro, de tentar, de novo e de novo, como doutores Frankensteins eternamente em busca da reanimação de cadáveres já putrefatos. Porém, como já disse o Stephen King lá no livro O Cemitério, “às vezes, a morte é melhor”. Se essa for mesmo a melhor ideia que tiveram para reviver o espírito da franquia, melhor deixar ela quieta lá na sua tumba.

‘O Homem dos Sonhos’: criativa sátira sobre fenômenos midiáticos

Quando li esse título a primeira vez, pensei que deveria se tratar de mais uma história patriarcal romântica e eu não poderia estar mais enganada. Dirigido por Kristoffer Borgli e protagonizado por Nicolas Cage, “O Homem dos Sonhos” aborda de forma discreta o fenômeno...

Como ‘Madame Teia’ consegue ser um fiasco completo?

Se os filmes de heróis da Marvel vêm passando por um período de ócio criativo, indicando uma possível saturação do público em relação às histórias, a Sony tem utilizado os “pseudos projetos cinematográficos” do universo baseado em propriedades do Homem-Aranha para...

‘Bob Marley: One Love’: a vulnerabilidade de uma lenda

Acredito que qualquer pessoa no planeta Terra sabe quem é Bob Marley ou já escutou alguma vez as suas canções. Se duvidar, até mesmo um alienígena de passagem por aqui já se desembestou a cantarolar um dos sucessos do cantor jamaicano, símbolo do reggae, subgênero...

‘Ferrari’: Michael Mann contido em drama sobre herói fora de seu tempo

Coisa estranha: a silhueta de um homem grisalho, a linha do cabelo recuando, adorna um balde de pipoca. É Adam Driver como Enzo Ferrari, em uma ação de marketing curiosa: vender o novo filme de Michael Mann como um grande blockbuster para a garotada. Jogada inusitada,...

‘Garra de Ferro’: um drama que não sai do quase

Garra de Ferro, o novo filme do diretor Sean Durkin, o mesmo dos bons Martha Marcy May Marlene (2011) e O Refúgio (2020), é decepcionante. Mas tinha ingredientes para ser marcante: um ótimo elenco e a base de uma história real e bastante dramática. No fim das contas,...

‘A Memória Infinita’: quando o amor é maior que o esquecimento

“Estou aqui para relembrar quem foi Augusto Góngora”  Com essas palavras e uma câmera desfocada, Paulina Urrutia, ex-ministra da cultura do Chile e companheira de Gongora a quase 25 anos, nos introduz a “A Memória Infinita”, filme dirigido por Maitê Alberdi, indicado...

‘Argylle’: Matthew Vaughn ladeira abaixo em filme fraco

Entre 2007 a 2015, Matthew Vaughn surgiu como uma das mentes criativas do entretenimento norte-americano. Neste período, ele comandou as melhores sátiras subversivas ao trabalhar os elementos de fantasia a partir da violência cartunesca com o humor politicamente...

‘Todos Menos Você’: dois gostosos e a essência da comédia romântica

As comédias românticas migraram dos cinemas para os streamings nos últimos anos. Basta lembrar que “Podres de Rico”, de 2018, foi o último filme do gênero a alcançar bilheteria e repercussão significativas nas telonas. Por isso, a ótima repercussão de “Todos Menos...

‘Minha Irmã e Eu’: o sucessor natural de ‘Minha Mãe é uma Peça’ 

O cinema brasileiro celebra os necessários números superiores a 1,5 milhão de ingressos vendidos por “Minha Irmã e Eu” depois de um período de vacas magras provocado pela pandemia da COVID-19 e ausência de políticas públicas de verdade como a cota de tela. Antes dele,...

‘Ficção Americana’: dramédia familiar compensa sátira engessada

Monk Ellison (Jeffrey Wright) é um professor universitário super qualificado e frustrado; portanto, sem tempo para os bons-mocismos liberais. Sua acidez o afasta do magistério e o coloca em uma sinuca de bico: como reinventar a carreira falida se tudo que o mercado...