Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de porcos e armadilhas elaboradas de tortura que levavam pessoas a morrerem em espetáculos dantescos. Foi a época da franquia Jogos Mortais: entre 2004 e 2010, o estúdio Lionsgate lançou sete filmes dela, um pontualmente a cada ano, e eles levaram a sanguinolência e a tortura a um novo patamar no cinema de horror para as massas. O mundo vivia a ressaca da guerra ao terror pós-11 de Setembro, guerra esta travada com muita tortura, e esses filmes refletiam um pouco disso, mostrando sangue em excesso e as reviravoltas rocambolescas do sempre criativo maníaco Jigsaw, transformando o veterano ator Tobin Bell em novo ícone do gênero.

Porém, assim como o Orkut, o MySpace, as bandas de nu metal e várias outras coisas do começo dos anos 2000, talvez fosse melhor deixar a franquia lá naquela época. Em retrospecto, só o primeiro filme, concebido por Leigh Whanell e James Wan, ainda resiste hoje como um bom, não ótimo, suspense. Quem ditou o resto da franquia, que se tornou cada vez mais intrincada e exagerada, foi o fraquinho Darren Lynn Bousman, diretor dos Jogos Mortais 2, 3 e 4. Ainda assim, a nostalgia nubla todas as lembranças, não é mesmo? Jigsaw e suas armadilhas ainda têm fãs, o que mantém a Lionsgate interessada em ressuscitar a saga. A primeira tentativa foi com Jogos Mortais: Jigsaw (2017), e ela passou em brancas nuvens há alguns anos. Agora, chega este Espiral: O Legado de Jogos Mortais para tentar de novo, porque se há algo comum a todas as franquias hollywoodianas de terror é o fato delas se recusarem a morrer.

Espiral é uma mistura de recomeço com continuação, dessas que vem se tornando moda em Hollywood: honra o que veio antes e dá sequência, mas o faz com novos personagens e situações que podem partir para novos rumos. Curiosamente, a ideia para o filme veio do seu próprio astro, o ator e comediante Chris Rock, fã da franquia: na história, Rock vive o detetive Zeke Banks, cujo pai Marcus (Samuel L. Jackson) foi uma lenda no departamento. Zeke, no entanto, se tornou um pária ao investigar alguns companheiros. A situação dele piora quando chega um novo parceiro (Max Minghella), e os dois começam a investigar uma série bizarra de assassinatos de policiais que parecem indicar que há um novo maníaco copiando o modus operandi do finado Jigsaw.

CHRIS ROCK RISÍVEL

O filme até começa chutando a porta com um policial preso em uma armadilha nos trilhos de um trem e a língua presa numa armação. É intenção dos roteiristas e do diretor Bousman, de volta ao comando, sinalizar que Jogos Mortais voltou e com gosto. O problema é que parece que gastaram toda a imaginação e a vontade de chocar logo na abertura. O resto do filme é até um pouco contido e as armadilhas bem menos inspiradas dessa vez. A sensação é de realmente estarmos vendo obra de um imitador, de alguém que decidiu copiar o velho Jigsaw e seus discípulos, mas sem o talento para a coisa.

Quando a própria especialidade da franquia parece já estar desgastada, é sinal de problemas para todo o resto. A começar por Rock em uma atuação bem fraca. Ele é um ótimo comediante, mas não convence como detetive e nas cenas em que tenta demonstrar comoção ou medo, suas caras e bocas são constrangedoras. Ele também fala alto várias vezes, uma das suas marcas registradas, e por causa disso ficamos esperando a hora em que seus colegas de cena vão cair na risada. Mesmo assim, Minghella, Jackson e o resto do elenco não se saem assim tão melhor.

 ‘ÀS VEZES, A MORTE É MELHOR’

Tanto Minghella quanto Jackson se mostram no piloto automático, mas parece que estão combinando com a direção de Bousman. É incrível, mas depois de tanto tempo fazendo thrillers, o sujeito ainda não sabe construir nem sustentar qualquer tensão. É até curioso rever os filmes antigos e notar como são chatos, sem tensão, e Espiral vai pelo mesmo caminho, talvez até pior. Bousman não consegue trabalhar com atores, não sabe criar atmosfera e se limita, como sempre, a filmar boa parte do longa em galpões onde – ele acredita – vai haver tensão devido à presença de sangue. E claro: não deixa de incluir algumas referências aos filmes anteriores, como a cena com um serrote, para satisfazer os nostálgicos. O roteiro fraquinho também sabota seus esforços: lá pelo meio, dá para adivinhar quem é o assassino, por mais que a musiquinha conhecida da franquia tente contornar a sensação de anticlímax no final.

Essa nova tentativa de ressuscitar Jogos Mortais acaba sendo até mais fraca que a anterior. Se a franquia deixou mesmo um legado, aparentemente foi o de ampliar as fronteiras do que se podia mostrar, em termos de violência, na tela, para as plateias dos multiplexes que poderiam escolher entre um espetáculo sangrento, um longa de super-herói ou uma animação com a família. Não se pode dizer muito desses filmes além disso. O que não impede Hollywood, claro, de tentar, de novo e de novo, como doutores Frankensteins eternamente em busca da reanimação de cadáveres já putrefatos. Porém, como já disse o Stephen King lá no livro O Cemitério, “às vezes, a morte é melhor”. Se essa for mesmo a melhor ideia que tiveram para reviver o espírito da franquia, melhor deixar ela quieta lá na sua tumba.

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...