Você sabia, caro leitor, que a Marvel Comics, a editora que publica o Homem-Aranha e todos os personagens que dominaram a cultura pop de uns anos para cá, quase foi à falência em meados dos anos 1990? Pense nisso um momento e imagine como seria o mundo hoje, se tudo tivesse acabado ali… A editora foi salva por seus contratos com a Toy Biz, varejista de brinquedos – de propriedade do esquisito Ike Perlmutter, que mandou nos filmes do Marvel Studios por uns anos e parece ele mesmo um vilão de gibi – e com estúdios de cinema. Foi nessa época que a companhia vendeu para estúdios como 20th Century Fox e Sony/Columbia Pictures os direitos de suas propriedades intelectuais, ou seja, seus personagens mais famosos.

E a Sony/Columbia fez Homem-Aranha, o filme do mais popular super-herói Marvel. Não deixa de ser curioso, revendo-o hoje, o quanto o estúdio acertou em praticamente todas as decisões a respeito da produção – a começar pela escolha do diretor Sam Raimi – e o quanto ele se tornou importante dentro da indústria hollywoodiana. Homem-Aranha não apenas trouxe de vez os super-heróis para as telas de cinema, depois do embaraço gigantesco de Batman & Robin (1997) e dos sucessos mais contidos de Blade: O Caçador de Vampiros (1998) e X-Men: O Filme (2000). Em uma era em que se tornou possível mostrar os poderes desses personagens com o desenvolvimento da computação gráfica, ele também ditou o rumo para os blockbusters que viriam.

A TÁTICA BRILHANTE DE RAIMI

Claro, muita gente sempre amou o Homem-Aranha, tendo crescido com ele e seus quadrinhos ou desenhos animados ou mesmo com a série de TV esquisita e de vida curta dos anos 1970. Mas também houve muita gente que passou a conhecer o personagem com este filme.

A inteligência da abordagem de Sam Raimi se manifesta aí: o público precisava estabelecer uma conexão emocional com o personagem e foi isso que ele entregou ao fazer um filme de origem para apresentá-lo, com um elenco carismático e a boa dose de “grandes poderes trazem grandes responsabilidades” – o lema que se tornou associado ao herói desde o começo da sua carreira nas HQs, criado por Stan Lee e Steve Ditko.

Em si, a origem do Aranha é triste: ele é um super-herói nascido de uma tragédia e movido por um sentimento de culpa. Peter Parker é um nerd de marca maior que, um dia, é picado por uma aranha radioativa – ou geneticamente modificada, no caso do filme – e adquire poderes aracnídeos com os quais ele primeiro tenta apenas ganhar dinheiro. Certa noite, um ladrão mata seu tio Ben e Peter o persegue. Quando o encontra, descobre que era um sujeito que poderia ter detido dias antes, mas não o fez simplesmente porque não deu a mínima. É um negócio forte. Não é à toa que o personagem se tornou tão querido.

Raimi e o roteiro do filme de autoria de David Koepp – com direito a contribuições não creditadas de uma porção de gente, incluindo James Cameron que flertou com um longa do herói nos anos 1990 e inventou as teias orgânicas presentes neste aqui – até amplifica esse sentimento de empatia. Vemos Peter penando desde a primeira cena, correndo atrás de um ônibus e a única passageira que parece lhe tratar com um pouco de humanidade é o objeto do seu amor.

O CORAÇÃO DO FILME

Em muitos filmes de super-herói, o interesse romântico do protagonista era algo perfunctório, estava lá apenas por estar para que as produções não parecessem tanto “filmes de meninos”. Aqui, é essencial desde os primeiros minutos da história: Peter Parker, interpretado por Tobey Maguire, é apaixonado pela sua vizinha Mary-Jane Watson (Kirsten Dunst), e quase tudo que acontece com ele é em decorrência disso. Tanto que o momento mais icônico e lembrado deste filme, hoje, é a cena do beijo dos dois com o Aranha de cabeça para baixo.

Essa cena fez o público feminino se interessar por filmes de heróis e ajudou a modificar a percepção geral da cultura nerd nas mentes do mundo todo. De repente, ser nerd era legal, podia ser até romântico, e aqui estamos, duas décadas depois – claro, desde então se viu muita misoginia e preconceito nesse mundo, mas o filme não tem culpa disso. E se qualquer filme do Marvel Studios hoje tem uma plateia feminina grande, bem, agradeçam a Homem-Aranha e a Tobey e Kirsten, tão adoráveis juntos em cena que os espectadores simplesmente não resistiram.

Então, durante o filme, Peter ganha poderes, perde o tio, vira o Aranha e tenta equilibrar a vida super-heróica com o amor por Mary-Jane. Como não sentir empatia pelo personagem?  Aí entra a figura de Tobey Maguire também. À época, era um tipo diferente, uma presença interessante que tinha aparecido em iscas de Oscar como A Vida em Preto-e-Branco (1998) e Regras da Vida (1999). Não sou tão fã dele quanto a maioria – ainda acho que ele foi bobão e chorão demais como Peter, de um modo que o personagem nos quadrinhos nunca foi, e seu Aranha quase nunca teve a agudeza e a eletricidade humorística que o definem.

Mas, assim como foi com Michael Keaton em Batman, que funcionava no universo de Tim Burton, Maguire inegavelmente funciona dentro da visão de Raimi, e merecidamente conquistou inúmeros fãs. O Peter Parker de Raimi é um bom rapaz, uma pessoa boa impulsionada por uma consciência moral. Ainda assim… como ator e caracterização do personagem, prefiro Tom Holland, e podem vir brigar comigo, nerds.

Enfim, escalar Maguire e Dunst – outra que sempre pareceu mais interessada em filmes alternativos do que em blockbusters com efeitos visuais – foi mais um golpe muito inteligente de Raimi. Eles são o coração do filme e isso faz falta a muitas produções desse tipo.

NEM TÃO AMALUCADO COMO PODERIA

Na época, Sam Raimi era uma incógnita, conhecido pela trilogia Evil Dead: A Morte do Demônio, filmes de terror de inventividade gigantesca, inversamente proporcional aos seus orçamentos modestíssimos. O diretor parecia uma escolha estranha para comandar um projeto multimilionário, mas tinha duas coisas a seu favor: ele amava os quadrinhos do Aranha e, de certo modo, já tinha feito um “filme de super-herói” com Darkman: Vingança Sem Rosto (1990), uma obra tão cult e maravilhosa quanto sua trilogia de terror. Seu amor pelo personagem é palpável, e sua abordagem fez o filme.

Afinal, Homem-Aranha é um filme que sabe claramente o que quer e oferece isso à plateia: um clima de diversão, sem medo ou vergonha de abraçar o espírito tolo das HQs como X-Men, por exemplo, teve. Realismo passa longe aqui, até no que tange à escalação dos atores: os adolescentes do filme, incluindo Maguire e Dunst, são aqueles jovens de 25, 30 anos que Hollywood adora nos empurrar.

Não há razão narrativa, por exemplo, para o inimigo do herói, o Duende Verde – interpretado por Willem Dafoe de forma deliciosa, combinando canastrice e poder – ser criado ao mesmo tempo em que o herói. Também ficam nebulosas as razões pelas quais, na segunda metade do filme, o Duende tenta convencer o Aranha a se aliar a ele. É um filme consciente da bobagem que está mostrando ao público e não tenta disfarçá-la com psicologismos ou “clima sombrio”. Pelo contrário, é colorido e amalucado, nos convidando a nos divertir com ele.

O maior problema de Homem-Aranha, inclusive, é não ser amalucado o bastante. Algumas coisas não envelheceram bem, como parte dos efeitos – a computação gráfica, como nas cenas do herói viajando pelas paredes, ou quando a diretoria da Oscorp é desintegrada e viram “esqueletinhos”, é muito ruim pelos padrões modernos e já eram esquisitas em 2002. A armadura do Duende também é desinteressante visualmente, tornando-o parecido com um vilão dos Power Rangers. E para os admiradores do estilo de Sam Raimi, sente-se falta de um pouco mais da porra-louquice com a câmera que o tornou conhecido. O diretor ainda parece contido aqui, e felizmente ele se soltaria mais nos filmes seguintes.

 APOSTA PRECISA EM PETER PARKER

Mas nada disso importou: Homem-Aranha foi a maior bilheteria no seu ano de lançamento e o público pôde ver, maravilhado, coisas que antes só podiam ser contempladas nas páginas de um gibi ou em um desenho animado. Foi uma produção beneficiada muito do momento histórico: lançado alguns meses depois dos atentados de 11 de setembro, Homem-Aranha saciou o apetite mundial por uma dose generosa de escapismo e fantasia e, de quebra, ainda canalizou um sentimento pró-Nova York. Não é por acaso que, a certa altura da história, um grupo de cidadãos nova-iorquinos joga pedras no Duende Verde para ajudar o herói ou que o Aranha se balance em frente à bandeira dos Estados Unidos no final.

Acima de tudo, porém, mais do que os efeitos ou a aventura em si, o que conquistou as plateias foi o personagem. Eu que li centenas de HQs do Homem-Aranha, sabia que mesmo um filme mediano do herói já conquistaria o público, mas, ganhamos algo ainda melhor.

Nunca falha: sempre que Hollywood contou – direito – a história de um jovem ganhando grandes poderes e aprendendo a lidar com o peso deles, o resultado teve grande impacto junto ao público. Funcionou com Star Wars, Harry Potter, Matrix. E funcionou também com Homem-Aranha, justamente porque seus realizadores tinham consciência da força do personagem e sua história, e a contaram de maneira simples e com ingredientes cativantes.

E visto como está todo mundo aguardando uma aparição do Aranha de Tobey Maguire no vindouro Homem-Aranha: Sem Volta para Casa, é seguro dizer que o público ainda se sente cativado por esta versão do herói em particular.

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...