No país do caos e horror de Bolsonaro, “Homem Onça”, o novo longa de Vinícius Reis (“Noite de Reis” e “Praça Saens Peña”), não ajuda em nada na construção de uma esperança por um país melhor. Veja bem, isso não significa que se trata de um filme ruim, longe disso, mas a carga negativa que carrega em seu enredo e desesperança atual deixa uma sensação, sobretudo, de cansaço.

A trama acompanha o drama de Pedro (Chico Diaz, soberbo) que, com a privatização da empresa onde trabalha (semelhante a Vale), se vê envolto em uma série de danos irreparáveis em sua vida e das pessoas que o cercam. De repente, depois de um prêmio importante, é obrigado a demitir parte de sua equipe, amigos de toda uma vida na empresa. No fim, o próprio Pedro se vê forçado à aposentadoria.

A trama se passa em 1997, mas poderia ser facilmente se passar nos dias atuais por conta de toda incerteza e desemprego. Sua esposa, Sônia (Sílvia Buarque) é uma das muitas pessoas de meia idade descartada do mercado de trabalho, uma realidade ainda em voga para aqueles que, com mais de 40 anos, sofrem sem conseguir uma oportunidade.

Nesse meio tempo, Pedro volta a morar em Barbosa, sua terra natal, e se reencontra com um antigo amor de juventude Lola (Bianca Byington, belíssima) e também com uma onça que cerca a vizinhança desde o tempo de mocidade. Aqui, podemos perceber uma bela metáfora da transmutação, uma renovação do ser.

TRABALHADOR ESQUECIDO NO JOGO DE PODER

Apesar de dificuldade do tema, Vinícius Reis coordena “Homem Onça” com muita propriedade que, vejam só, foi gravado antes da fatídica eleição do atual presidente em que as coisas só pioraram. Mas não encare a produção como um filme de politicagem – políticos todos nós somos, não nos esqueçamos. Mas não há como desvincular uma coisa da outra, pois, está na raiz de muitos problemas nossos enquanto sociedade o comando do elo dominante – entenda-se os ricos -, no comando dessa nação.

Em uma sociedade capitalista e legitimamente desigual, a força da mão de obra, do trabalho, do trabalhador não é nada se comparado a força dessas potências entre Estado e setores privados que privatiza, desmata e também negligencia uma peça que deveria ser fundamental na estrutura capitalista: o trabalhador.

Aliás, a direção tem uma visão muito equilibrada nessa questão do trabalho. Pedro é desacreditado na empresa que tanto gosta depois de anos de serviços prestados. Sônia busca por uma oportunidade. Dantas (Emílio de Mello), melhor amigo de Pedro, vê na sua aposentadoria forçada uma nova oportunidade de vida e investimento. Mas, na meia idade, recomeçar não é uma das tarefas mais fáceis. A filha do casal (Valentina Herszage) é uma jovem com pensamentos neoliberais, pensamento ligado ao extremismo da direita que estamos hoje.

ENTRE INJUSTIÇAS E FALTAS DE OPORTUNIDADES

Foto: Andréa Testoni

O olhar vulnerável acerca de como todos lidam com o trabalho é fundamental na construção de “Homem Onça”, pois, temos uma visão de trabalho muito particular e em comum; para muitos, ele é o norte, seja por necessidade, vontade ou vocação. O trabalho é o alicerce e, quando você se encontra sem expectativa alguma de sustento e ocupação, é um peso entristecedor. Mas quem se importa? Empresários continuam ficando cada vez mais ricos.

“Homem Onça” é um filme inquietante por sua realidade e por sua incerteza que pulsa na nossa sociedade desigual que não evoluiu em nada. Na verdade, pensar em uma evolução enquanto sociedade em temas importantes sociopolíticos e econômicos beira a falácia. As injustiças, impunidades, privatizações, desempregos, vidas perdidas, mentes perturbadas e a falta de oportunidades são onipresentes e nos condiciona a um lugar inóspito, ingrato e, como disse acima, cansativo.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...