“Ei, você está ai?”

Há algum tempo li um tweet que dizia que quem driblou a pandemia foram as pessoas que arranjaram um emprego e/ou começaram a namorar durante a quarentena. A situação ímpar de isolamento que vivemos levou muitas pessoas a recorrerem à troca de mensagens com ex-parceiros no intuito de acalentar a solidão ou encontrar novas formas de se relacionar. Digamos que “Me Sinto Bem Com Você” aborda um pouco essa questão ao mostrar como os jovens lidaram com relacionamentos, flertes e conexões virtuais no último ano.

O filme dirigido por Matheus Souza (do insipido “Ana e Vitória”), disponível no Prime Vídeo, acompanha cinco relacionamentos tentando sobreviver às turbulências da quarentena. Todas as narrativas têm em comum as inseguranças, medos e carências potencializadas nesse período, no entanto, diferentemente de “Amor e Sorte” – série do Globoplay que tem a mesma temática – as conexões realmente são voltadas para alcançar o público mais jovem dado não somente pelo seu elenco, mas também pela a liquidez e efemeridade como esses relacionamentos são apresentados e construídos.

A montagem de Rodrigo Daniel Melo (“Se eu Fosse Você”) utiliza a técnica de split screen – quando a tela é dividida em vários quadros – para estabelecer um dinamismo nos diálogos entre os personagens. É possível ver telas de celular, de computador e até mesmo os famigerados áudios gigantescos. Entende-se que essa escolha visual se pauta na necessidade do distanciamento, por isso, apenas o casal interpretado por Thati Lopes e Victor Lamoglia contracenam no mesmo ambiente – por morarem juntos na vida real -, porém até mesmo eles passam pela mesma construção estilística. Devido a isso e aos inúmeros filmes pandêmicos que o utilizam, o recurso se torna cansativo.

ENTRE GATILHOS E REFLEXÕES

O maior destaque da trama é a fotografia de Camila Cornelsen (da contemporânea “Todxs Nós”). Mesclando combinações de cores quentes que nos levam ao mesmo tempo a compreender o nível dos relacionamentos –o vermelho para o casal que queria sexo casual; o amarelo para o casal que teve um término traumático; o branco para as irmãs que buscam, na troca familiar, curar feridas do passado. Essa combinação imagética possibilita um leve mergulhar nas reflexões que as histórias suscitam.

É uma pena que algumas histórias que renderiam narrativas pouco abordadas na comedia romântica/dramática nacional tenham o tempo de tela reduzido e não saiam da superficialidade.

“Me Sinto Bem Com Você” é um daqueles registros que lembrarão por bastante tempo como o audiovisual teve que se adaptar no período pandêmico. Para quem está fragilizado por um relacionamento em tempos de Covid-19, o filme pode despertar gatilhos, mas ser significativo e levar a reflexões, ainda que superficiais. Afinal, quem não sentiu saudade de alguém que lhe fez bem e a pandemia separou? Talvez seja o momento de dizer o quanto se sentia completo com ela.

‘Late Night With the Devil’: preso nas engrenagens do found footage

A mais recente adição ao filão do found footage é este "Late Night With the Devil". Claramente inspirado pelo clássico britânico do gênero, "Ghostwatch", o filme dos irmãos Cameron e Colin Cairnes, dupla australiana trabalhando no horror independente desde a última...

‘Rebel Moon – Parte 2’: desastre com assinatura de Zack Snyder

A pior coisa que pode acontecer com qualquer artista – e isso inclui diretores de cinema – é acreditar no próprio hype que criam ao seu redor – isso, claro, na minha opinião. Com o perdão da expressão, quando o artista começa a gostar do cheiro dos próprios peidos, aí...

‘Meu nome era Eileen’: atrizes brilham em filme que não decola

Enquanto assistia “Meu nome era Eileen”, tentava fazer várias conexões sobre o que o filme de William Oldroyd (“Lady Macbeth”) se tratava. Entre enigmas, suspense, desejo e obsessão, a verdade é que o grande trunfo da trama se concentra na dupla formada por Thomasin...

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...