“Ei, você está ai?”

Há algum tempo li um tweet que dizia que quem driblou a pandemia foram as pessoas que arranjaram um emprego e/ou começaram a namorar durante a quarentena. A situação ímpar de isolamento que vivemos levou muitas pessoas a recorrerem à troca de mensagens com ex-parceiros no intuito de acalentar a solidão ou encontrar novas formas de se relacionar. Digamos que “Me Sinto Bem Com Você” aborda um pouco essa questão ao mostrar como os jovens lidaram com relacionamentos, flertes e conexões virtuais no último ano.

O filme dirigido por Matheus Souza (do insipido “Ana e Vitória”), disponível no Prime Vídeo, acompanha cinco relacionamentos tentando sobreviver às turbulências da quarentena. Todas as narrativas têm em comum as inseguranças, medos e carências potencializadas nesse período, no entanto, diferentemente de “Amor e Sorte” – série do Globoplay que tem a mesma temática – as conexões realmente são voltadas para alcançar o público mais jovem dado não somente pelo seu elenco, mas também pela a liquidez e efemeridade como esses relacionamentos são apresentados e construídos.

A montagem de Rodrigo Daniel Melo (“Se eu Fosse Você”) utiliza a técnica de split screen – quando a tela é dividida em vários quadros – para estabelecer um dinamismo nos diálogos entre os personagens. É possível ver telas de celular, de computador e até mesmo os famigerados áudios gigantescos. Entende-se que essa escolha visual se pauta na necessidade do distanciamento, por isso, apenas o casal interpretado por Thati Lopes e Victor Lamoglia contracenam no mesmo ambiente – por morarem juntos na vida real -, porém até mesmo eles passam pela mesma construção estilística. Devido a isso e aos inúmeros filmes pandêmicos que o utilizam, o recurso se torna cansativo.

ENTRE GATILHOS E REFLEXÕES

O maior destaque da trama é a fotografia de Camila Cornelsen (da contemporânea “Todxs Nós”). Mesclando combinações de cores quentes que nos levam ao mesmo tempo a compreender o nível dos relacionamentos –o vermelho para o casal que queria sexo casual; o amarelo para o casal que teve um término traumático; o branco para as irmãs que buscam, na troca familiar, curar feridas do passado. Essa combinação imagética possibilita um leve mergulhar nas reflexões que as histórias suscitam.

É uma pena que algumas histórias que renderiam narrativas pouco abordadas na comedia romântica/dramática nacional tenham o tempo de tela reduzido e não saiam da superficialidade.

“Me Sinto Bem Com Você” é um daqueles registros que lembrarão por bastante tempo como o audiovisual teve que se adaptar no período pandêmico. Para quem está fragilizado por um relacionamento em tempos de Covid-19, o filme pode despertar gatilhos, mas ser significativo e levar a reflexões, ainda que superficiais. Afinal, quem não sentiu saudade de alguém que lhe fez bem e a pandemia separou? Talvez seja o momento de dizer o quanto se sentia completo com ela.

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...