“Ei, você está ai?”

Há algum tempo li um tweet que dizia que quem driblou a pandemia foram as pessoas que arranjaram um emprego e/ou começaram a namorar durante a quarentena. A situação ímpar de isolamento que vivemos levou muitas pessoas a recorrerem à troca de mensagens com ex-parceiros no intuito de acalentar a solidão ou encontrar novas formas de se relacionar. Digamos que “Me Sinto Bem Com Você” aborda um pouco essa questão ao mostrar como os jovens lidaram com relacionamentos, flertes e conexões virtuais no último ano.

O filme dirigido por Matheus Souza (do insipido “Ana e Vitória”), disponível no Prime Vídeo, acompanha cinco relacionamentos tentando sobreviver às turbulências da quarentena. Todas as narrativas têm em comum as inseguranças, medos e carências potencializadas nesse período, no entanto, diferentemente de “Amor e Sorte” – série do Globoplay que tem a mesma temática – as conexões realmente são voltadas para alcançar o público mais jovem dado não somente pelo seu elenco, mas também pela a liquidez e efemeridade como esses relacionamentos são apresentados e construídos.

A montagem de Rodrigo Daniel Melo (“Se eu Fosse Você”) utiliza a técnica de split screen – quando a tela é dividida em vários quadros – para estabelecer um dinamismo nos diálogos entre os personagens. É possível ver telas de celular, de computador e até mesmo os famigerados áudios gigantescos. Entende-se que essa escolha visual se pauta na necessidade do distanciamento, por isso, apenas o casal interpretado por Thati Lopes e Victor Lamoglia contracenam no mesmo ambiente – por morarem juntos na vida real -, porém até mesmo eles passam pela mesma construção estilística. Devido a isso e aos inúmeros filmes pandêmicos que o utilizam, o recurso se torna cansativo.

ENTRE GATILHOS E REFLEXÕES

O maior destaque da trama é a fotografia de Camila Cornelsen (da contemporânea “Todxs Nós”). Mesclando combinações de cores quentes que nos levam ao mesmo tempo a compreender o nível dos relacionamentos –o vermelho para o casal que queria sexo casual; o amarelo para o casal que teve um término traumático; o branco para as irmãs que buscam, na troca familiar, curar feridas do passado. Essa combinação imagética possibilita um leve mergulhar nas reflexões que as histórias suscitam.

É uma pena que algumas histórias que renderiam narrativas pouco abordadas na comedia romântica/dramática nacional tenham o tempo de tela reduzido e não saiam da superficialidade.

“Me Sinto Bem Com Você” é um daqueles registros que lembrarão por bastante tempo como o audiovisual teve que se adaptar no período pandêmico. Para quem está fragilizado por um relacionamento em tempos de Covid-19, o filme pode despertar gatilhos, mas ser significativo e levar a reflexões, ainda que superficiais. Afinal, quem não sentiu saudade de alguém que lhe fez bem e a pandemia separou? Talvez seja o momento de dizer o quanto se sentia completo com ela.

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...

‘Cine Marrocos’: experiência artística e social em meio à marginalização

"Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor”. É com Jeremias 17:5 que o morador do Cine Marrocos, Valter Machado, introduz o espectador em uma experiência encantadora aonde qualquer pessoa...

‘Loop’: excessos não impedem a diversão em boa sci-fi brasileira

No filme Loop, do diretor Bruno Bini, o tempo é a principal preocupação. Personagens falam sobre ele, agem sobre ele, e o filme faz referência a outros que abordaram esse tema. Trata-se de um divertido e interessante longa que combina trama policial, romance e viagem...

‘A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas’: anarquia corajosa e deliciosa

Já na reta final de “A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas”, a protagonista Katie (dublada por Abbi Jacobson) se vê completamente sem saída e apela para um discurso emocional daqueles feitos para o público chorar com sua mensagem inspiradora. Abruptamente,...