Um docudrama que explora a autoficção até às últimas consequências, “Miguel’s War” é uma revelação. Com estilo de sobra e uma abordagem corajosa, o longa da cineasta libanesa Eliane Raheb foi um dos melhores do Festival de Berlim deste ano, onde foi exibido como parte da mostra Panorama. O filme tem tudo para fazer sucesso em festivais de temáticas LGBTQ, mas sua potente história o faz necessário para muito além dessa audiência. 
 
O Miguel do título é Michel Jelelaty, intérprete e tradutor libanês que Raheb conheceu na Espanha durante a divulgação de seu último filme. Homossexual buscando escapar da intolerância de seu país, bem como da guerra que o assolava, ele foge para a Espanha pós-franquista, onde se reinventa como Miguel Alonso e se joga numa vida de excessos almodavarianos. O passado, no entanto, se recusa a ficar para trás e o encontro com a diretora lhe dá a chance de revisitá-lo. 
 
A obra de Raheb é bastante focada na Guerra do Líbano – um conflito devastador ocorrido entre 1975 e 1990 que inspira muito do cinema atualmente feito por seus conterrâneos. Através de Miguel, no entanto, ela encontra uma forma de colocá-la como pano de fundo e explorar a capacidade de alguém de inventar uma nova vida para si em meio a ela – bem como o custo disso.

ATRITO DE VERSÕES

A realidade multifacetada de uma história como a de Miguel encontra uma realização arrojada que faz uso de diversos elementos. Raheb inclui animações, colagens, gravuras, montagens e reencenações para fazer a vida dupla de Miguel surgir pulsante em cena. A diretora aparece em cena guiando “Miguel’s War” junto com seu personagem, abraçando suas falhas, mas, confrontando seus relatos. 
 
Ao se reinventar como Miguel, Michel confessa que almeja apagar toda a sua vida pregressa e tudo que o ligava ao Líbano. Quando ele regressa ao país pela primeira vez em décadas, a câmera de Raheb é certeira ao mostrar que, para o bem ou para o mal, certas coisas permanecem dentro das pessoas para sempre – um tema que percorre todo o filme. 
 
Miguel – engraçado, inteligente e com mais de 50 anos muito bem vividos nas costas – é um dos grandes narradores não confiáveis do cinema recente. Várias de suas afirmações são postas em cheque por Raheb, várias de suas memórias beiram a invenção. Ele exagera em pontos e esconde em outros, em plena consciência – e exercício – da edição de sua própria vida. De certa forma, ele parecia já estar vivendo seu filme muito antes da cineasta entrar em sua vida. 
 
É nesse atrito de versões que “Miguel’s War” encontra seu material mais rico. Através dele, é como se o público assiste em tempo real alguém que passou boa parte da vida se anulando e odiando revertendo o processo e procurando se encontrar. Há muita tentativa e erro nessa busca – algo que a produção não faz nenhuma questão de esconder – mas também há uma beleza inerente nela. 

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...