Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama remoerem pensamentos sobre suas existências. Esses momentos, infelizmente, ocupam poucos momentos de tela.

Primeiro longa-metragem de ficção dirigido e escrito por Zeca Ferreira (“Ensaio sobre o silêncio”) é uma adaptação do romance homônimo da autora Vanessa Barbara. O filme se passa em dois tempos narrativos: um é com Ada (Marieta Severo) ainda viva convivendo com Otto (Everaldo Pontes) na grande casa do casal e, em outro momento, quando ela está falecida e ele passa a viver sozinho.

Ada e Otto, um casal de idosos vivem em Paquetá, cidade charmosa do interior do Rio de Janeiro onde todos se conhecem. A partir do momento em que o público compreende o falecimento de sua esposa percebemos o quanto Otto está perdido e confuso nos seus hábitos. Essa confusão aliada a uma insônia – solucionada apenas graças a um chá de alface – traz ao personagem a sensação de que algo de estranho está ocorrendo entre os seus vizinhos. Todos na cidade são solícitos, no entanto, agem de maneira sorrateira, como se estivessem escondendo algum segredo. Apesar de ganhar muito tempo em cena, o mistério se mostra descartável.

É a sensação da efemeridade da vida humana, carregada principalmente no consciente de Ada e sentida discretamente por Otto, a grande marca de “Noites de Alface”. Em um dos diálogos do filme, a protagonista fala para o marido que não suporta coisas que amassam com o tempo: “(…) tipo fruta, papel e gente”. A personagem não aceita a ideia de um fim da vida e da juventude, entretanto, quando questionada por ele se fica refletindo essas ideias, Ada responde não ter tempo para pensar nisso. O irônico é que tempo livre para divagar em seus pensamentos é algo rotineiro nesse casal.

São personagens com uma rotina aparentemente enfadonha, porém apresentam questionamentos importantes e universais na sua velhice: como vamos morrer? Por que morremos? Durante a narrativa, elas ganham situações essenciais, não para respondê-las, mas para justificá-las e fazê-los compreender a fragilidade da vida humana.

  SOBRIEDADE E AUSTERIDADE  

O texto do longa é cheio de diálogos expositivos, algo possível numa linguagem literária, mas no audiovisula soam artificiais. Cabe ao elenco a missão de transformá-lo em algo crível. Marieta Severo (“Carlota Joaquina, Princesa do Brasil”, “Cazuza: o Tempo Não Para”) consegue criar uma Ada discreta e introspectiva pedindo até mais tempo de tela, pois é a melhor protagonista. Everaldo Pontes (“Amarelo Manga”, “São Jerônimo”) ocupa a maior duração do longa trazendo a personalidade rabugenta e confusa do personagem de Otto transitando entre a comédia e o drama, algumas vezes funciona e em outras não.

Ferreira demonstra dominar mais a visualidade do filme ao invés dos diálogos no roteiro. Existe uma solenidade na câmera e nos enquadramentos; em poucos momentos a câmera se movimenta e sempre cria quadros abertos e espaçosos no filme. Isso gera um distanciamento do espectador com a realidade daqueles personagens e, ao mesmo tempo, cria uma sensação de estranhamento como se algo não estivesse correto. As transições das sequências são suaves e discretas conduzindo o estado mental de Otto e pulando entre os dois tempos da narrativa.

Essa direção sóbria e austera salva o filme de se tornar uma experiência ruim já que facilita o espectador a escutar aqueles protagonistas e chegar ao final sem achá-lo esquecível ou descartável. Quanto menos elementos Ferreira trabalha na obra, mais interessante ela fica. “Noites de Alface” é um filme regular com alguns momentos encantadores, nada incrível ou empolgante, se contentando em apenas contar uma história aparentemente banal sobre o encerramento da própria existência.

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...

‘Rivais’: a partida debochada e sensual de Luca Guadagnino

Luca Guadagnino dá o recado nos primeiros segundos de “Rivais”: cada gota de suor, cada cicatriz, cada olhar e cada feixe de luz carregam bem mais do que aparentam. O que parece uma partida qualquer entre um dos melhores tenistas do mundo e outro que não consegue...