Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama remoerem pensamentos sobre suas existências. Esses momentos, infelizmente, ocupam poucos momentos de tela.

Primeiro longa-metragem de ficção dirigido e escrito por Zeca Ferreira (“Ensaio sobre o silêncio”) é uma adaptação do romance homônimo da autora Vanessa Barbara. O filme se passa em dois tempos narrativos: um é com Ada (Marieta Severo) ainda viva convivendo com Otto (Everaldo Pontes) na grande casa do casal e, em outro momento, quando ela está falecida e ele passa a viver sozinho.

Ada e Otto, um casal de idosos vivem em Paquetá, cidade charmosa do interior do Rio de Janeiro onde todos se conhecem. A partir do momento em que o público compreende o falecimento de sua esposa percebemos o quanto Otto está perdido e confuso nos seus hábitos. Essa confusão aliada a uma insônia – solucionada apenas graças a um chá de alface – traz ao personagem a sensação de que algo de estranho está ocorrendo entre os seus vizinhos. Todos na cidade são solícitos, no entanto, agem de maneira sorrateira, como se estivessem escondendo algum segredo. Apesar de ganhar muito tempo em cena, o mistério se mostra descartável.

É a sensação da efemeridade da vida humana, carregada principalmente no consciente de Ada e sentida discretamente por Otto, a grande marca de “Noites de Alface”. Em um dos diálogos do filme, a protagonista fala para o marido que não suporta coisas que amassam com o tempo: “(…) tipo fruta, papel e gente”. A personagem não aceita a ideia de um fim da vida e da juventude, entretanto, quando questionada por ele se fica refletindo essas ideias, Ada responde não ter tempo para pensar nisso. O irônico é que tempo livre para divagar em seus pensamentos é algo rotineiro nesse casal.

São personagens com uma rotina aparentemente enfadonha, porém apresentam questionamentos importantes e universais na sua velhice: como vamos morrer? Por que morremos? Durante a narrativa, elas ganham situações essenciais, não para respondê-las, mas para justificá-las e fazê-los compreender a fragilidade da vida humana.

  SOBRIEDADE E AUSTERIDADE  

O texto do longa é cheio de diálogos expositivos, algo possível numa linguagem literária, mas no audiovisula soam artificiais. Cabe ao elenco a missão de transformá-lo em algo crível. Marieta Severo (“Carlota Joaquina, Princesa do Brasil”, “Cazuza: o Tempo Não Para”) consegue criar uma Ada discreta e introspectiva pedindo até mais tempo de tela, pois é a melhor protagonista. Everaldo Pontes (“Amarelo Manga”, “São Jerônimo”) ocupa a maior duração do longa trazendo a personalidade rabugenta e confusa do personagem de Otto transitando entre a comédia e o drama, algumas vezes funciona e em outras não.

Ferreira demonstra dominar mais a visualidade do filme ao invés dos diálogos no roteiro. Existe uma solenidade na câmera e nos enquadramentos; em poucos momentos a câmera se movimenta e sempre cria quadros abertos e espaçosos no filme. Isso gera um distanciamento do espectador com a realidade daqueles personagens e, ao mesmo tempo, cria uma sensação de estranhamento como se algo não estivesse correto. As transições das sequências são suaves e discretas conduzindo o estado mental de Otto e pulando entre os dois tempos da narrativa.

Essa direção sóbria e austera salva o filme de se tornar uma experiência ruim já que facilita o espectador a escutar aqueles protagonistas e chegar ao final sem achá-lo esquecível ou descartável. Quanto menos elementos Ferreira trabalha na obra, mais interessante ela fica. “Noites de Alface” é um filme regular com alguns momentos encantadores, nada incrível ou empolgante, se contentando em apenas contar uma história aparentemente banal sobre o encerramento da própria existência.

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...