Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de público. Ao mesmo tempo, também por essa fase, escreveu, ao lado do amigo Matt Damon, o ótimo roteiro de Gênio Indomável (1997), ganhando o seu primeiro Oscar, e o reconhecimento de que era mais do que apenas a sua aparência. 

Na década seguinte enumerou filmes, com maior e menor sucesso de público, que não foram muito marcantes. Mesmo permanecendo eficiente no que se propunha, a continuidade da carreira de Affleck indicava que ele não tinha muito a oferecer além do que já havia realizado, e que a bem sucedida empreitada como roteirista seria um ponto fora da curva. Só que ele enganou todo mundo. 

Affleck, numa nova fase da carreira, apresentou-se como um diretor acima da média com Medo da Verdade (2007), Atração Perigosa (2010) e principalmente Argo (2012), vencedor dos Oscars de melhor filme, montagem e roteiro. Ficou faltando a indicação a melhor diretor, mas ainda assim seu caminho nessa nova jornada já estava mais do que pavimentado, afinal ele mostrou que é capaz de se reinventar, e de liderar bons projetos. 

Porém, novamente as previsões não se cumpriram. 

Com exceção da boa repercussão em Garota Exemplar (2014), Affleck voltou a encarar um downswing na carreira. Sua última direção, A Lei da Noite (2016), esgotou todos os créditos que conseguiu com a Warner pelos bons filmes que realizara, sendo massacrado pela crítica e dono de enorme prejuízo financeiro. Seus filmes do Batman foram produções conturbadas com desempenho questionável. E até sua vida pessoal, com recaídas no seu notório problema com o alcoolismo, voltaram a rondar o seu nome, mais do que a repercussão de seus últimos filmes. 

Neste momento, mais uma vez não dá pra saber muito bem como vai ser o restante da carreira de Affleck. E neste contexto é lançado Caminho de Volta, dirigido por Gavin O’Connor, em que todos os holofotes estão na figura do ator, que neste filme interpreta um personagem com semelhanças com a sua vida pessoal (alcoolismo), certamente criando um hype diferente para este trabalho. 

Na trama, Jack (Ben Affleck) é um ex-jogador de basquete considerado um fenômeno nos seus anos de colegial, mas que por alguns fatores não desenvolveu carreira como atleta profissional. No momento ele trabalha no ramo das construções num emprego monótono, e está com problemas de alcoolismo, decorrido de um trauma acontecido anos antes. Ele recebe um convite, da escola onde jogava, para treinar o time de basquete do local. Relutante, acaba aceitando, mas os desafios para superar lembranças e dificuldades da sua vida pessoal, além do vício que não para de crescer, irão se chocar com a condução deste seu resgate ao basquete. 

OBJETIVOS CUMPRIDOS SEM MUITA OUSADIA

 

Os paralelos entre Jack e Affleck são notórios, e sem dúvida trazem um tensionamento diferente ao filme. Tudo parece ter um peso maior, mesmo que simbólico, ao vermos o ator em cena, bebendo um gole após o outro, ultrapassando a linha da dependência. Bastidores contam que Affleck saiu de uma última visita a uma clínica de reabilitação, após mais uma recaída, e foi direto ao set para gravar. É claro que não é brincadeira uma situação dessas. 

Como já demonstrou em outras oportunidades, Affleck é um ator capaz de carregar um filme. Seu trabalho é econômico e inteligente – tem consciência, inclusive, deste peso que a sua imagem associada ao álcool traz –, e muito raramente sobe o tom de voz ou usa gestos expansivos. Jack é um homem introspectivo, que guarda sua dor para si, não quer demonstrar para ninguém. A atuação é feliz ao não cair em clichês do que é a representação de um bêbado, trabalhando em um registro entristecido, de um homem que tem o uso do álcool como sintoma de uma ferida aberta na sua vida, que o impede de caminhar para frente. 

Ao mesmo tempo, o filme não tem como objetivo lançar um olhar aprofundado sobre o tema. A direção de O’Connor suaviza os conflitos e a própria representação dos atores, que estão num registro distante da crueza, mais próximo de um tom brando. Caminho de Volta prefere ser um filme edificante para toda a família assistir. 

O uso recorrente de uma trilha dramática tensa a cada momento que o personagem ingere álcool (e são muitos momentos, principalmente na primeira metade), sublinha, de fora pra dentro, o quanto aquilo é grave e prejudicial, num elemento narrativo que não só é desnecessário, como fragiliza as situações que se fossem mostradas de maneira mais crua teriam impacto muito maior. Como se O’Connor sempre visse a necessidade de reafirmar o quanto aquilo é sério e prejudicial ao protagonista, mesmo que já sejamos capazes de entender. 

Considero acertado o tamanho que o basquete tem na trama, desde a dimensão que o time da cidade tem dentro da liga que participa, até o espaço dentro do filme dedicado aos treinos e jogos. Ao mesmo tempo, é importante dizer que as cenas não empolgam. Podem até estar corretas na função que cumprem dentro do roteiro, mas ao mesmo tempo não se configuram como uma potência do trabalho, o que acaba cumprindo papel anticlimático. 

É até estranho falar dos problemas deste filme, pois ele se parece muito consciente do que quer e, justiça seja feita, é bem-sucedido em muitos dos seus objetivos. Só me parece claro que alcança o que quer porque suas ambições estão num campo confortável. A impressão que passa é que Affleck e o roteiro tinham mais a oferecer caso houvesse uma direção com um olhar mais apurado na condução de dramas humanos, pois havia ali um bom protagonista a ser desenvolvido. 

Certamente não vai ser com este trabalho que Affleck irá se reinventar e dar uma guinada na carreia. Mesmo com a sólida atuação, está desamparado por um filme que tem mais cara de drama de TV do que de cinema. Mas é bom vê-lo de volta imerso em algo pessoal, como foram os seus primeiros filmes atrás da câmera. Que seja um disparador para que ele acesse o que tem de melhor no seu repertório, o que refletiria novamente em bons filmes.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...