Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de público. Ao mesmo tempo, também por essa fase, escreveu, ao lado do amigo Matt Damon, o ótimo roteiro de Gênio Indomável (1997), ganhando o seu primeiro Oscar, e o reconhecimento de que era mais do que apenas a sua aparência. 

Na década seguinte enumerou filmes, com maior e menor sucesso de público, que não foram muito marcantes. Mesmo permanecendo eficiente no que se propunha, a continuidade da carreira de Affleck indicava que ele não tinha muito a oferecer além do que já havia realizado, e que a bem sucedida empreitada como roteirista seria um ponto fora da curva. Só que ele enganou todo mundo. 

Affleck, numa nova fase da carreira, apresentou-se como um diretor acima da média com Medo da Verdade (2007), Atração Perigosa (2010) e principalmente Argo (2012), vencedor dos Oscars de melhor filme, montagem e roteiro. Ficou faltando a indicação a melhor diretor, mas ainda assim seu caminho nessa nova jornada já estava mais do que pavimentado, afinal ele mostrou que é capaz de se reinventar, e de liderar bons projetos. 

Porém, novamente as previsões não se cumpriram. 

Com exceção da boa repercussão em Garota Exemplar (2014), Affleck voltou a encarar um downswing na carreira. Sua última direção, A Lei da Noite (2016), esgotou todos os créditos que conseguiu com a Warner pelos bons filmes que realizara, sendo massacrado pela crítica e dono de enorme prejuízo financeiro. Seus filmes do Batman foram produções conturbadas com desempenho questionável. E até sua vida pessoal, com recaídas no seu notório problema com o alcoolismo, voltaram a rondar o seu nome, mais do que a repercussão de seus últimos filmes. 

Neste momento, mais uma vez não dá pra saber muito bem como vai ser o restante da carreira de Affleck. E neste contexto é lançado Caminho de Volta, dirigido por Gavin O’Connor, em que todos os holofotes estão na figura do ator, que neste filme interpreta um personagem com semelhanças com a sua vida pessoal (alcoolismo), certamente criando um hype diferente para este trabalho. 

Na trama, Jack (Ben Affleck) é um ex-jogador de basquete considerado um fenômeno nos seus anos de colegial, mas que por alguns fatores não desenvolveu carreira como atleta profissional. No momento ele trabalha no ramo das construções num emprego monótono, e está com problemas de alcoolismo, decorrido de um trauma acontecido anos antes. Ele recebe um convite, da escola onde jogava, para treinar o time de basquete do local. Relutante, acaba aceitando, mas os desafios para superar lembranças e dificuldades da sua vida pessoal, além do vício que não para de crescer, irão se chocar com a condução deste seu resgate ao basquete. 

OBJETIVOS CUMPRIDOS SEM MUITA OUSADIA

 

Os paralelos entre Jack e Affleck são notórios, e sem dúvida trazem um tensionamento diferente ao filme. Tudo parece ter um peso maior, mesmo que simbólico, ao vermos o ator em cena, bebendo um gole após o outro, ultrapassando a linha da dependência. Bastidores contam que Affleck saiu de uma última visita a uma clínica de reabilitação, após mais uma recaída, e foi direto ao set para gravar. É claro que não é brincadeira uma situação dessas. 

Como já demonstrou em outras oportunidades, Affleck é um ator capaz de carregar um filme. Seu trabalho é econômico e inteligente – tem consciência, inclusive, deste peso que a sua imagem associada ao álcool traz –, e muito raramente sobe o tom de voz ou usa gestos expansivos. Jack é um homem introspectivo, que guarda sua dor para si, não quer demonstrar para ninguém. A atuação é feliz ao não cair em clichês do que é a representação de um bêbado, trabalhando em um registro entristecido, de um homem que tem o uso do álcool como sintoma de uma ferida aberta na sua vida, que o impede de caminhar para frente. 

Ao mesmo tempo, o filme não tem como objetivo lançar um olhar aprofundado sobre o tema. A direção de O’Connor suaviza os conflitos e a própria representação dos atores, que estão num registro distante da crueza, mais próximo de um tom brando. Caminho de Volta prefere ser um filme edificante para toda a família assistir. 

O uso recorrente de uma trilha dramática tensa a cada momento que o personagem ingere álcool (e são muitos momentos, principalmente na primeira metade), sublinha, de fora pra dentro, o quanto aquilo é grave e prejudicial, num elemento narrativo que não só é desnecessário, como fragiliza as situações que se fossem mostradas de maneira mais crua teriam impacto muito maior. Como se O’Connor sempre visse a necessidade de reafirmar o quanto aquilo é sério e prejudicial ao protagonista, mesmo que já sejamos capazes de entender. 

Considero acertado o tamanho que o basquete tem na trama, desde a dimensão que o time da cidade tem dentro da liga que participa, até o espaço dentro do filme dedicado aos treinos e jogos. Ao mesmo tempo, é importante dizer que as cenas não empolgam. Podem até estar corretas na função que cumprem dentro do roteiro, mas ao mesmo tempo não se configuram como uma potência do trabalho, o que acaba cumprindo papel anticlimático. 

É até estranho falar dos problemas deste filme, pois ele se parece muito consciente do que quer e, justiça seja feita, é bem-sucedido em muitos dos seus objetivos. Só me parece claro que alcança o que quer porque suas ambições estão num campo confortável. A impressão que passa é que Affleck e o roteiro tinham mais a oferecer caso houvesse uma direção com um olhar mais apurado na condução de dramas humanos, pois havia ali um bom protagonista a ser desenvolvido. 

Certamente não vai ser com este trabalho que Affleck irá se reinventar e dar uma guinada na carreia. Mesmo com a sólida atuação, está desamparado por um filme que tem mais cara de drama de TV do que de cinema. Mas é bom vê-lo de volta imerso em algo pessoal, como foram os seus primeiros filmes atrás da câmera. Que seja um disparador para que ele acesse o que tem de melhor no seu repertório, o que refletiria novamente em bons filmes.

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...