Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de público. Ao mesmo tempo, também por essa fase, escreveu, ao lado do amigo Matt Damon, o ótimo roteiro de Gênio Indomável (1997), ganhando o seu primeiro Oscar, e o reconhecimento de que era mais do que apenas a sua aparência. 

Na década seguinte enumerou filmes, com maior e menor sucesso de público, que não foram muito marcantes. Mesmo permanecendo eficiente no que se propunha, a continuidade da carreira de Affleck indicava que ele não tinha muito a oferecer além do que já havia realizado, e que a bem sucedida empreitada como roteirista seria um ponto fora da curva. Só que ele enganou todo mundo. 

Affleck, numa nova fase da carreira, apresentou-se como um diretor acima da média com Medo da Verdade (2007), Atração Perigosa (2010) e principalmente Argo (2012), vencedor dos Oscars de melhor filme, montagem e roteiro. Ficou faltando a indicação a melhor diretor, mas ainda assim seu caminho nessa nova jornada já estava mais do que pavimentado, afinal ele mostrou que é capaz de se reinventar, e de liderar bons projetos. 

Porém, novamente as previsões não se cumpriram. 

Com exceção da boa repercussão em Garota Exemplar (2014), Affleck voltou a encarar um downswing na carreira. Sua última direção, A Lei da Noite (2016), esgotou todos os créditos que conseguiu com a Warner pelos bons filmes que realizara, sendo massacrado pela crítica e dono de enorme prejuízo financeiro. Seus filmes do Batman foram produções conturbadas com desempenho questionável. E até sua vida pessoal, com recaídas no seu notório problema com o alcoolismo, voltaram a rondar o seu nome, mais do que a repercussão de seus últimos filmes. 

Neste momento, mais uma vez não dá pra saber muito bem como vai ser o restante da carreira de Affleck. E neste contexto é lançado Caminho de Volta, dirigido por Gavin O’Connor, em que todos os holofotes estão na figura do ator, que neste filme interpreta um personagem com semelhanças com a sua vida pessoal (alcoolismo), certamente criando um hype diferente para este trabalho. 

Na trama, Jack (Ben Affleck) é um ex-jogador de basquete considerado um fenômeno nos seus anos de colegial, mas que por alguns fatores não desenvolveu carreira como atleta profissional. No momento ele trabalha no ramo das construções num emprego monótono, e está com problemas de alcoolismo, decorrido de um trauma acontecido anos antes. Ele recebe um convite, da escola onde jogava, para treinar o time de basquete do local. Relutante, acaba aceitando, mas os desafios para superar lembranças e dificuldades da sua vida pessoal, além do vício que não para de crescer, irão se chocar com a condução deste seu resgate ao basquete. 

OBJETIVOS CUMPRIDOS SEM MUITA OUSADIA

 

Os paralelos entre Jack e Affleck são notórios, e sem dúvida trazem um tensionamento diferente ao filme. Tudo parece ter um peso maior, mesmo que simbólico, ao vermos o ator em cena, bebendo um gole após o outro, ultrapassando a linha da dependência. Bastidores contam que Affleck saiu de uma última visita a uma clínica de reabilitação, após mais uma recaída, e foi direto ao set para gravar. É claro que não é brincadeira uma situação dessas. 

Como já demonstrou em outras oportunidades, Affleck é um ator capaz de carregar um filme. Seu trabalho é econômico e inteligente – tem consciência, inclusive, deste peso que a sua imagem associada ao álcool traz –, e muito raramente sobe o tom de voz ou usa gestos expansivos. Jack é um homem introspectivo, que guarda sua dor para si, não quer demonstrar para ninguém. A atuação é feliz ao não cair em clichês do que é a representação de um bêbado, trabalhando em um registro entristecido, de um homem que tem o uso do álcool como sintoma de uma ferida aberta na sua vida, que o impede de caminhar para frente. 

Ao mesmo tempo, o filme não tem como objetivo lançar um olhar aprofundado sobre o tema. A direção de O’Connor suaviza os conflitos e a própria representação dos atores, que estão num registro distante da crueza, mais próximo de um tom brando. Caminho de Volta prefere ser um filme edificante para toda a família assistir. 

O uso recorrente de uma trilha dramática tensa a cada momento que o personagem ingere álcool (e são muitos momentos, principalmente na primeira metade), sublinha, de fora pra dentro, o quanto aquilo é grave e prejudicial, num elemento narrativo que não só é desnecessário, como fragiliza as situações que se fossem mostradas de maneira mais crua teriam impacto muito maior. Como se O’Connor sempre visse a necessidade de reafirmar o quanto aquilo é sério e prejudicial ao protagonista, mesmo que já sejamos capazes de entender. 

Considero acertado o tamanho que o basquete tem na trama, desde a dimensão que o time da cidade tem dentro da liga que participa, até o espaço dentro do filme dedicado aos treinos e jogos. Ao mesmo tempo, é importante dizer que as cenas não empolgam. Podem até estar corretas na função que cumprem dentro do roteiro, mas ao mesmo tempo não se configuram como uma potência do trabalho, o que acaba cumprindo papel anticlimático. 

É até estranho falar dos problemas deste filme, pois ele se parece muito consciente do que quer e, justiça seja feita, é bem-sucedido em muitos dos seus objetivos. Só me parece claro que alcança o que quer porque suas ambições estão num campo confortável. A impressão que passa é que Affleck e o roteiro tinham mais a oferecer caso houvesse uma direção com um olhar mais apurado na condução de dramas humanos, pois havia ali um bom protagonista a ser desenvolvido. 

Certamente não vai ser com este trabalho que Affleck irá se reinventar e dar uma guinada na carreia. Mesmo com a sólida atuação, está desamparado por um filme que tem mais cara de drama de TV do que de cinema. Mas é bom vê-lo de volta imerso em algo pessoal, como foram os seus primeiros filmes atrás da câmera. Que seja um disparador para que ele acesse o que tem de melhor no seu repertório, o que refletiria novamente em bons filmes.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...