“O Marinheiro das Montanhas”, novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia – e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de sua estreia em Cannes, é um projeto terno e tem ótimos momentos, ainda que sua profunda subjetividade possa afastar certos públicos.

O longa acompanha Aïnouz viajando pela primeira vez para a terra natal de seu pai – uma jornada há muito postergada e a qual ele gostaria de ter feito com a mãe Iracema antes dela falecer. É a ela que o diretor dedica as imagens que grava, narrando-as na estrutura de uma longa carta para ela. Através de sua câmera, tenta entender a sua relação com essa terra estrangeira que tanto moldou sua vida – e mostrá-la para uma pessoa tão afetada pela Argélia quanto ele. 

DILEMA ENTRE DOIS CAMINHOS

Em termos de escopo, “O Marinheiro das Montanhas” encontra o diretor no seu modo mais intimista e modesto. O longa não tem a visão ampla de “Aeroporto Central“, a narrativa épica de “A Vida Invisível” ou o simbolismo de “Praia do Futuro”, por exemplo. Apesar disso, o roteiro escrito por Aïnouz e Murilo Hauser ousa ao querer, mesmo nesse formato restrito, tocar nas feridas do colonialismo e na vida da Argélia de hoje.

De fato, os melhores momentos do filme vem de fragmentos de conversas com pessoas comuns nos quais essas questões são expostas, como quando o realizador conta de um jovem argelino que preferia que os colonizadores franceses jamais tivessem saído do país. Em outra cena, quando ele explica a uma família que seu filme está sendo feito para o cinema, eles perguntam tristonhos se ele não passará na TV para que eles possam assisti-lo, em uma potente nota sobre o acesso à experiência cinematográfica.

Com esses subtextos cheios de potencial, a insistência em trazer a narrativa de volta para um contexto familiar é frustrante. O viés extremamente pessoal da narrativa faz “O Marinheiro das Montanhas” andar numa corda bamba. Quando funciona, abre-se uma porta que permite entrever a dor da perda de um ente querido e o sentimento de alienação de crescer longe da terra natal dos pais. Quando não, cria-se uma barreira que faz o público se perguntar o porquê de estar acompanhando histórias tão íntimas que só dizem respeito à família do cineasta. 

NOVOS OLHOS PARA O PRESENTE

Independente disso, o filme acerta ao seguir seu diretor enquanto ele se perde em tangentes, mistura passado e presente, e cria segmentos inteiros baseados em sua imaginação – o melhor deles sendo a ficção científica que Ainouz imagina gravar com uma menina que lhe faz lembrar de sua mãe. Essa abordagem também se reflete na montagem de Ricardo Saraiva, na qual fotos antigas, registros históricos e gravações atuais se misturam em um fluxo de pensamento visual.

Na liberdade de sua mente, Aïnouz fantasia (e questiona) o romance de seus pais, imagina uma outra vida em outro país e busca rever o passado para ver o presente com novos olhos. “O Marinheiro das Montanhas” transforma essas questões comuns em imagens, e enquanto a viagem do realizador pode não ser perfeita, as vistas do caminho valem a pena. 

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...