“O Marinheiro das Montanhas”, novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia – e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de sua estreia em Cannes, é um projeto terno e tem ótimos momentos, ainda que sua profunda subjetividade possa afastar certos públicos.

O longa acompanha Aïnouz viajando pela primeira vez para a terra natal de seu pai – uma jornada há muito postergada e a qual ele gostaria de ter feito com a mãe Iracema antes dela falecer. É a ela que o diretor dedica as imagens que grava, narrando-as na estrutura de uma longa carta para ela. Através de sua câmera, tenta entender a sua relação com essa terra estrangeira que tanto moldou sua vida – e mostrá-la para uma pessoa tão afetada pela Argélia quanto ele. 

DILEMA ENTRE DOIS CAMINHOS

Em termos de escopo, “O Marinheiro das Montanhas” encontra o diretor no seu modo mais intimista e modesto. O longa não tem a visão ampla de “Aeroporto Central“, a narrativa épica de “A Vida Invisível” ou o simbolismo de “Praia do Futuro”, por exemplo. Apesar disso, o roteiro escrito por Aïnouz e Murilo Hauser ousa ao querer, mesmo nesse formato restrito, tocar nas feridas do colonialismo e na vida da Argélia de hoje.

De fato, os melhores momentos do filme vem de fragmentos de conversas com pessoas comuns nos quais essas questões são expostas, como quando o realizador conta de um jovem argelino que preferia que os colonizadores franceses jamais tivessem saído do país. Em outra cena, quando ele explica a uma família que seu filme está sendo feito para o cinema, eles perguntam tristonhos se ele não passará na TV para que eles possam assisti-lo, em uma potente nota sobre o acesso à experiência cinematográfica.

Com esses subtextos cheios de potencial, a insistência em trazer a narrativa de volta para um contexto familiar é frustrante. O viés extremamente pessoal da narrativa faz “O Marinheiro das Montanhas” andar numa corda bamba. Quando funciona, abre-se uma porta que permite entrever a dor da perda de um ente querido e o sentimento de alienação de crescer longe da terra natal dos pais. Quando não, cria-se uma barreira que faz o público se perguntar o porquê de estar acompanhando histórias tão íntimas que só dizem respeito à família do cineasta. 

NOVOS OLHOS PARA O PRESENTE

Independente disso, o filme acerta ao seguir seu diretor enquanto ele se perde em tangentes, mistura passado e presente, e cria segmentos inteiros baseados em sua imaginação – o melhor deles sendo a ficção científica que Ainouz imagina gravar com uma menina que lhe faz lembrar de sua mãe. Essa abordagem também se reflete na montagem de Ricardo Saraiva, na qual fotos antigas, registros históricos e gravações atuais se misturam em um fluxo de pensamento visual.

Na liberdade de sua mente, Aïnouz fantasia (e questiona) o romance de seus pais, imagina uma outra vida em outro país e busca rever o passado para ver o presente com novos olhos. “O Marinheiro das Montanhas” transforma essas questões comuns em imagens, e enquanto a viagem do realizador pode não ser perfeita, as vistas do caminho valem a pena. 

CRÍTICA | ‘Retrato de um Certo Oriente’: o sedutor e o aterrorizante de um Brasil pouco explorado

O preto e branco da fotografia exuberante de Pierre de Kerchove é sem a menor dúvida o elemento de destaque da adaptação de Marcelo Gomes do livro de Milton Hatoum. "Relato de um certo oriente". Que aqui troca uma palavra pela outra. Vira retrato. O que faz toda a...

CRÍTICA | ‘O Cara da Piscina’: Chris Pine testa limite do carisma em comédia de piada única

Os sinais começam logo cedo: após a ensolarada sequência de créditos iniciais em tons pastéis de “O Cara da Piscina”, há uma cena em que Darren (Pine) e Susan (Jason Leigh) conversam na cama. Já vimos essa cena antes em um número incontável de filmes: deitados lado a...

CRÍTICA | ‘Motel Destino’: traumas e hipocrisia em exposição dentro de labirinto neon

Heraldo tem um alvo no peito. Ninguém sabe mais disso do que ele, que inclusive verbaliza essa angústia permanente em dado momento de “Motel Destino”. Diretor de filmes de estradas e de aeroportos, Karim Aïnouz traz em seu novo trabalho uma fuga que talvez seja mais...

CRÍTICA | ‘Grande Sertão’: o match errado de Guimarães Rosa e o favela movie

Não é pequeno o feito de Guel Arraes em “Grande Sertão”. Ele tomou como matéria-prima um dos maiores feitos artísticos da história da humanidade, a obra-prima de Guimarães Rosa, e realizou um filme que vai do irritante ao lugar-comum numa velocidade impressionante.  O...

CRÍTICA | ‘Reality’: drama político medíocre e em cima do muro

Sydney Sweeney mal tem tempo para estacionar e logo é saudada por dois oficiais do FBI. Logicamente, não se trata de Sydney Sweeney, a atriz, mas da personagem aqui encarnada pela intérprete, uma jovem ex-oficial com o pitoresco nome de Reality Winner. Os agentes têm...

Crítica | ‘Uma Ideia de Você’: comédia romântica ressentida de brilho próprio

Recentemente minha turma de Teoria da Literatura discutiu a possibilidade de considerarmos fanfics um gênero literário. O curioso é como o dispositivo tem servindo como base para muitas produções cinematográficas, sendo a mais recente dela “Uma ideia de você”, comédia...

Crítica | ‘Os Estranhos – Capítulo 1’: terror picareta da pior espécie

Os Estranhos, do diretor Bryan Bertino, lançado em 2008, não é nenhum clássico do terror, mas é um filme que faz razoavelmente bem aquilo que se propõe: contar uma história assustadora com poucos personagens e cenários, investindo em um clima de tensão pela...

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...

Crítica | ‘Às Vezes Quero Sumir’: estética deprê-chic em filme simpático

O título de “Às Vezes Quero Sumir” em inglês é mais cáustico: “Às Vezes Penso em Morrer” em tradução aproximada. Mas um título tão direto raramente vem acompanhado de um soco no estômago genuíno – é mais o caso de trazer à tona um distanciamento irônico que torne a...

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...