Scott é um jovem que ainda nem chegou aos vinte anos, cujos únicos interesses na vida são maconha e tatuagens, e que vive em Staten Island, um daqueles distritos modorrentos do Estado de Nova York – “o único para o qual Nova Jersey pode olhar com superioridade”, uma personagem chega a dizer a certa altura de O Rei de Staten Island, novo filme do diretor/roteirista Judd Apatow. Se você já viu outros filmes de Apatow, ou ao menos algum drama independente do cinema norte-americano na vida, sabe que esse crianção não vai permanecer crianção por todo o filme. É aquela história que já vimos antes. Mesmo assim, é um filme que se alimenta das melhores qualidades de Apatow como diretor. E tem alguns dos defeitos dos outros filmes dele também.

Para viver Scott, o seu protagonista, Apatow – diretor que virou grande nome da comédia hollywoodiana com filmes como O Virgem de 40 anos (2005), Ligeiramente Grávidos (2007), Tá Rindo de Quê? (2009) e Bem-Vindo aos 40 (2012), além de produtor da influente série Freaks and Geeks – escala o comediante Pete Davidson, revelado pelo programa Saturday Night Live. E é a cara engraçada de Davidson que acompanhamos por todo o filme enquanto ele faz suas maluquices – ele é também co-autor do roteiro, junto com Apatow. Quando a irmã mais velha de Scott parte para a faculdade, ele fica sozinho com sua mãe (uma divertida Marisa Tomei). E quando a sua mãe arruma um namorado, de uma maneira completamente inesperada, tem início uma série de eventos que podem, enfim, levar Scott a confrontar a própria criancice e amadurecer.

Apatow é um cineasta meio “sem técnica”, ou seja, usa técnicas simples para valorizar acima de tudo os diálogos e os atores em cena – Esses são seus principais recursos. Às vezes usa câmera na mão para dar mais energia às cenas, às vezes fica quieto e deixa seus atores e o texto brilharem. O Rei de Staten Island não é exceção. É um bom filme, com vários momentos realmente engraçados, especialmente por conta dos diálogos. E Davidson está ótimo, com certo magnetismo que lhe garante presença de cena. Assim como Tomei e Bill Burr, como o bombeiro que se imiscui na vida da família. O filme ainda conta com pequenas e boas participações de Steve Buscemi e Pamela Adlon. Ninguém parece estar atuando, todos parecem gente real, e é nítido o amor que o diretor tem por seus personagens e o universo em que vivem.

DÉJA-VU LONGO DEMAIS

Porém, apesar desse óbvio carinho do diretor pelo material – que se sobressai até apesar de várias piadas de mau gosto, claro – O Rei de Staten Island, como seu protagonista, vaga sem rumo por uma boa parte da sua duração. Apatow é um cineasta com enfoque humano, mas muito indulgente: Seus filmes são simplesmente longos demais. Não há motivo real para O Rei de Staten Island durar 2 horas e 17 minutos.  O filme se estende além da conta, e há material ali que poderia facilmente ficar no chão da sala de edição em nome de uma experiência mais forte.

E é difícil também não perceber que Apatow já contou essa história antes. Vários dos seus filmes anteriores são sobre homens infantilizados que precisam crescer – o único diferencial de O Rei de Staten Island é que se trata de um molecote de verdade, ao invés de um Paul Rudd quarentão ou um Seth Rogen trintão. Para dar crédito ao cineasta, seu filme é realmente bom, mas é um que se sustenta apenas no carisma do elenco e algumas situações engraçadas e/ou tocantes, já que a sensação de repetição é inegável.

Acaba sendo curioso que uma história sobre mudança de vida já pareça rotineira para o diretor. O Rei de Staten Island entretém, mas sinaliza que é o seu cineasta quem arrisca ficar parado no tempo.

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...