Scott é um jovem que ainda nem chegou aos vinte anos, cujos únicos interesses na vida são maconha e tatuagens, e que vive em Staten Island, um daqueles distritos modorrentos do Estado de Nova York – “o único para o qual Nova Jersey pode olhar com superioridade”, uma personagem chega a dizer a certa altura de O Rei de Staten Island, novo filme do diretor/roteirista Judd Apatow. Se você já viu outros filmes de Apatow, ou ao menos algum drama independente do cinema norte-americano na vida, sabe que esse crianção não vai permanecer crianção por todo o filme. É aquela história que já vimos antes. Mesmo assim, é um filme que se alimenta das melhores qualidades de Apatow como diretor. E tem alguns dos defeitos dos outros filmes dele também.

Para viver Scott, o seu protagonista, Apatow – diretor que virou grande nome da comédia hollywoodiana com filmes como O Virgem de 40 anos (2005), Ligeiramente Grávidos (2007), Tá Rindo de Quê? (2009) e Bem-Vindo aos 40 (2012), além de produtor da influente série Freaks and Geeks – escala o comediante Pete Davidson, revelado pelo programa Saturday Night Live. E é a cara engraçada de Davidson que acompanhamos por todo o filme enquanto ele faz suas maluquices – ele é também co-autor do roteiro, junto com Apatow. Quando a irmã mais velha de Scott parte para a faculdade, ele fica sozinho com sua mãe (uma divertida Marisa Tomei). E quando a sua mãe arruma um namorado, de uma maneira completamente inesperada, tem início uma série de eventos que podem, enfim, levar Scott a confrontar a própria criancice e amadurecer.

Apatow é um cineasta meio “sem técnica”, ou seja, usa técnicas simples para valorizar acima de tudo os diálogos e os atores em cena – Esses são seus principais recursos. Às vezes usa câmera na mão para dar mais energia às cenas, às vezes fica quieto e deixa seus atores e o texto brilharem. O Rei de Staten Island não é exceção. É um bom filme, com vários momentos realmente engraçados, especialmente por conta dos diálogos. E Davidson está ótimo, com certo magnetismo que lhe garante presença de cena. Assim como Tomei e Bill Burr, como o bombeiro que se imiscui na vida da família. O filme ainda conta com pequenas e boas participações de Steve Buscemi e Pamela Adlon. Ninguém parece estar atuando, todos parecem gente real, e é nítido o amor que o diretor tem por seus personagens e o universo em que vivem.

DÉJA-VU LONGO DEMAIS

Porém, apesar desse óbvio carinho do diretor pelo material – que se sobressai até apesar de várias piadas de mau gosto, claro – O Rei de Staten Island, como seu protagonista, vaga sem rumo por uma boa parte da sua duração. Apatow é um cineasta com enfoque humano, mas muito indulgente: Seus filmes são simplesmente longos demais. Não há motivo real para O Rei de Staten Island durar 2 horas e 17 minutos.  O filme se estende além da conta, e há material ali que poderia facilmente ficar no chão da sala de edição em nome de uma experiência mais forte.

E é difícil também não perceber que Apatow já contou essa história antes. Vários dos seus filmes anteriores são sobre homens infantilizados que precisam crescer – o único diferencial de O Rei de Staten Island é que se trata de um molecote de verdade, ao invés de um Paul Rudd quarentão ou um Seth Rogen trintão. Para dar crédito ao cineasta, seu filme é realmente bom, mas é um que se sustenta apenas no carisma do elenco e algumas situações engraçadas e/ou tocantes, já que a sensação de repetição é inegável.

Acaba sendo curioso que uma história sobre mudança de vida já pareça rotineira para o diretor. O Rei de Staten Island entretém, mas sinaliza que é o seu cineasta quem arrisca ficar parado no tempo.

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...