Há um mal-estar que ronda as grandes cidades, principalmente na América Latina. Uma sensação de estar deslocado, de que a cidade foi construída a partir das violências da colonização e das arbitrariedades do capital. Junto ao mal-estar coletivo, temos indivíduos buscando criar sentido para suas histórias. Há várias formas de se falar sobre essa sensação e “Pajeú” parte para dois pontos pouco usuais de serem vistos juntos no cinema: o terror e o documentário.

Embarcamos na visão de Pedro Diógenes (“Inferninho”), diretor da obra, sobre o mal-estar que ronda Fortaleza (CE). Aqui, encontramos Maristela (Fátima Muniz), uma jovem professora que recentemente começou a ter pesadelos como uma entidade que vive no riacho Pajeú, local próximo à escola onde trabalha. Ela, então, começa uma viagem em busca de entender como esse riacho se relaciona com a cidade e seus habitantes.

Os elementos de terror nas cenas em que Maristela sonha com a entidade são claros. Desde a assustadora figura em si quanto a trilha sonora, presenciamos um cenário dominado mais pela angústia do que medo. Há desespero na reação de Maristela, mas também admiração. A professora, então, torna-se obcecada pelo riacho.

Não sabemos muito sobre seu passado; Maristela parece passar um período de luto que a abate. O interesse pelo Pajeú faz florescer esse sentimento ambíguo na professora que, se em um primeiro momento a afasta de seu melhor amigo, aos poucos a reconecta consigo mesma e com o espaço ao seu redor.

 LIGAÇÕES DE UMA CIDADE COM SEU POVO

Ao adentrar sua busca, o filme coloca-se como um documentário, em uma transição que acontece de forma natural. Maristela busca pessoas que possam explicar para ela a história daquele riacho, especialistas e moradores de Fortaleza. A câmera a segue por trás em suas andanças, como se nos colocasse como a entidade que a persegue, enquanto a professora entrevista suas fontes.

A partir daí, a obra encara o mal-estar coletivo, histórico, que atinge de forma direta e indireta os cidadãos daquele lugar. Descobrimos que o riacho foi muito importante para a construção de Fortaleza, tendo a cidade crescido ao seu redor. Já hoje, padece pelos interesses imobiliários, foi canalizado, sua parte visível é um esgoto a céu aberto. Quando chove, invade residências.

Nessas conversas, “Pajéu” se desdobra sobre a história coletiva e individual, os temores pessoais e os compartilhados. Ainda nos brinda ao seu término, com uma reflexão que poderia soar forçada, mas que construída de forma singela, nos apresenta a ligação do povo com sua cidade, o medo de hoje se fazer presente, mas no futuro não ser mais que um incômodo, esquecido a céu aberto.

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...