Mesmo para os padrões de Hollywood, Val Kilmer teve uma carreira fora do comum. Ele surgiu nos anos 1980 e estourou com sua participação em Top Gun: Ases Indomáveis (1986). Por um período, fez parte da elite de Hollywood e, graças ao seu talento e à sua beleza, virou um mega star. Teve, pelo menos, duas atuações incríveis: em The Doors (1991) de Oliver Stone, no qual viveu o cantor e poeta Jim Morrison, e no faroeste Tombstone: A Justiça Está Chegando (1993), interpretando o pistoleiro Doc Holliday – pode-se incluir entre as injustiças da Academia o fato dela ter ignorado ambas.

Depois virou Batman por um filme, largou o papel, começou a se envolver em polêmicas com diretores e co-astros e adquiriu a reputação de difícil – não há como negar, Val Kilmer foi por um período um cara escroto, com o perdão da palavra. Com o tempo, seu star power foi minguando, os filmes e papéis foram ficando cada vez menores e, em anos, recentes veio um câncer na garganta que praticamente acabou com sua carreira.

Ele se recuperou, mas hoje em dia tem grande dificuldade para falar. Curiosamente, Kilmer passou quase toda a sua vida com uma câmera na mão – primeiro de 8 mm, depois de vídeo e digitais – e gravou vários momentos dessa incrível trajetória. É esse imenso material que serve de base para Val, documentário dirigido por Leo Scott e Ting Poo, produzido pela A24, e que agora chega ao Amazon Prime Video. Para muito além de um registro de bastidores, mais do que um projeto de vaidade, Val é um retrato sensível e interessante de um artista, no mínimo, complexo.

PÉROLA DOS BASTIDORES DE HOLLYWOOD

As imagens gravadas por Kilmer e amigos e incluídas no documentário são incríveis. Podemos vê-lo nas coxias dos teatros da Broadway fazendo brincadeiras com Kevin Bacon e Sean Penn, relaxando com seus colegas de “esquadrão” de Top Gun, ao lado de Kurt Russell no set de Tombstone.

Também é incrível ver o seu vídeo de teste para o papel de Jim Morrison, gravado pelo próprio ator e enviado a Oliver Stone. Desde o início, Val Kilmer se mostrou obcecado pelo papel e conviveu com Morrison na cabeça por quase um ano inteiro, ensaiando as músicas do The Doors e imitando os maneirismos do cantor.

A oportunidade que o documentário dá ao público de observar o lado de dentro dessas produções tão marcantes dos últimos 30 e poucos anos é valiosíssima.

SINCERIDADE COMOVENTE

Porém, tão incríveis quanto essas imagens, são as da vida familiar e intimidade do astro, desde os super-8 da infância quando ele e seus irmãos encenavam cenas de filmes famosos. A difícil relação com o pai e a busca pelo amor da mãe são expostas com sinceridade pelo ator e os diretores, que também são os montadores do documentário.

Vemos Val Kilmer sendo muito simpático com fãs dos seus filmes assim como fragilizado e passando mal durante uma sessão de autógrafos em uma Comic-Con. A maior força de Val reside justamente na disposição do seu biografado em se expor e a honestidade chega a ser tocante em vários momentos.

Para ajudar como recurso no documentário, há um pouco de narração escrita pelo próprio Val Kilmer e narrada pelo seu filho Jack, que tem a voz praticamente igual à do pai, criando o estranho efeito no filme de dar voz a um homem que não pode mais falar direito.

A montagem também é bem fluida, organizando cronologicamente a vida e a trajetória de Kilmer de forma a levar os fãs do ator e interessados nos meandros de Hollywood numa viagem emotiva e que necessariamente deve despertar também um pouco de nostalgia.

PAZ E CONTENTAMENTO

Claro que a honestidade com que o documentário expõe o astro tem outro lado: há sim alguns momentos que dão crédito às acusações de babaquice extrema que lançaram contra Kilmer ao longo dos anos. No segmento do documentário que expõe um pouco dos bastidores da bomba A Ilha do Doutor Moreau (1996), dá para o espectador provar um pouco do gênio difícil de Kilmer… 

Em outra cena, com o ator cortando seu cabelo com uma faca (!) em frente à câmera, o ego enorme dele transparece um pouco. Mas, de certa forma, até isso contribui para o impacto do filme, pois demonstra que os diretores se recusam a pintar um retrato unidimensional do seu biografado. Kilmer também é bem honesto quanto às suas dificuldades nas filmagens de Batman Eternamente (1995) e como sua fantasia de infância de viver o super-herói na telona se tornou um tipo de pesadelo criativo para o ator.

Concluindo-se numa nota tocante, Val termina sendo um interessantíssimo projeto: um documentário sobre um astro de Hollywood que poderia ficar na superfície e só elogiá-lo, mas acaba sendo um mergulho na vida pessoal e criativa de uma figura interessante.

Perto do fim, Val Kilmer diz que não se arrepende de nada em sua vida. Assistindo ao filme, quem tem opinião formada sobre ele pode até não mudá-la, mas pode compreender essa declaração do astro e ficar feliz por ele ter alcançado ao menos paz e contentamento em sua vida.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...