Mesmo para os padrões de Hollywood, Val Kilmer teve uma carreira fora do comum. Ele surgiu nos anos 1980 e estourou com sua participação em Top Gun: Ases Indomáveis (1986). Por um período, fez parte da elite de Hollywood e, graças ao seu talento e à sua beleza, virou um mega star. Teve, pelo menos, duas atuações incríveis: em The Doors (1991) de Oliver Stone, no qual viveu o cantor e poeta Jim Morrison, e no faroeste Tombstone: A Justiça Está Chegando (1993), interpretando o pistoleiro Doc Holliday – pode-se incluir entre as injustiças da Academia o fato dela ter ignorado ambas.

Depois virou Batman por um filme, largou o papel, começou a se envolver em polêmicas com diretores e co-astros e adquiriu a reputação de difícil – não há como negar, Val Kilmer foi por um período um cara escroto, com o perdão da palavra. Com o tempo, seu star power foi minguando, os filmes e papéis foram ficando cada vez menores e, em anos, recentes veio um câncer na garganta que praticamente acabou com sua carreira.

Ele se recuperou, mas hoje em dia tem grande dificuldade para falar. Curiosamente, Kilmer passou quase toda a sua vida com uma câmera na mão – primeiro de 8 mm, depois de vídeo e digitais – e gravou vários momentos dessa incrível trajetória. É esse imenso material que serve de base para Val, documentário dirigido por Leo Scott e Ting Poo, produzido pela A24, e que agora chega ao Amazon Prime Video. Para muito além de um registro de bastidores, mais do que um projeto de vaidade, Val é um retrato sensível e interessante de um artista, no mínimo, complexo.

PÉROLA DOS BASTIDORES DE HOLLYWOOD

As imagens gravadas por Kilmer e amigos e incluídas no documentário são incríveis. Podemos vê-lo nas coxias dos teatros da Broadway fazendo brincadeiras com Kevin Bacon e Sean Penn, relaxando com seus colegas de “esquadrão” de Top Gun, ao lado de Kurt Russell no set de Tombstone.

Também é incrível ver o seu vídeo de teste para o papel de Jim Morrison, gravado pelo próprio ator e enviado a Oliver Stone. Desde o início, Val Kilmer se mostrou obcecado pelo papel e conviveu com Morrison na cabeça por quase um ano inteiro, ensaiando as músicas do The Doors e imitando os maneirismos do cantor.

A oportunidade que o documentário dá ao público de observar o lado de dentro dessas produções tão marcantes dos últimos 30 e poucos anos é valiosíssima.

SINCERIDADE COMOVENTE

Porém, tão incríveis quanto essas imagens, são as da vida familiar e intimidade do astro, desde os super-8 da infância quando ele e seus irmãos encenavam cenas de filmes famosos. A difícil relação com o pai e a busca pelo amor da mãe são expostas com sinceridade pelo ator e os diretores, que também são os montadores do documentário.

Vemos Val Kilmer sendo muito simpático com fãs dos seus filmes assim como fragilizado e passando mal durante uma sessão de autógrafos em uma Comic-Con. A maior força de Val reside justamente na disposição do seu biografado em se expor e a honestidade chega a ser tocante em vários momentos.

Para ajudar como recurso no documentário, há um pouco de narração escrita pelo próprio Val Kilmer e narrada pelo seu filho Jack, que tem a voz praticamente igual à do pai, criando o estranho efeito no filme de dar voz a um homem que não pode mais falar direito.

A montagem também é bem fluida, organizando cronologicamente a vida e a trajetória de Kilmer de forma a levar os fãs do ator e interessados nos meandros de Hollywood numa viagem emotiva e que necessariamente deve despertar também um pouco de nostalgia.

PAZ E CONTENTAMENTO

Claro que a honestidade com que o documentário expõe o astro tem outro lado: há sim alguns momentos que dão crédito às acusações de babaquice extrema que lançaram contra Kilmer ao longo dos anos. No segmento do documentário que expõe um pouco dos bastidores da bomba A Ilha do Doutor Moreau (1996), dá para o espectador provar um pouco do gênio difícil de Kilmer… 

Em outra cena, com o ator cortando seu cabelo com uma faca (!) em frente à câmera, o ego enorme dele transparece um pouco. Mas, de certa forma, até isso contribui para o impacto do filme, pois demonstra que os diretores se recusam a pintar um retrato unidimensional do seu biografado. Kilmer também é bem honesto quanto às suas dificuldades nas filmagens de Batman Eternamente (1995) e como sua fantasia de infância de viver o super-herói na telona se tornou um tipo de pesadelo criativo para o ator.

Concluindo-se numa nota tocante, Val termina sendo um interessantíssimo projeto: um documentário sobre um astro de Hollywood que poderia ficar na superfície e só elogiá-lo, mas acaba sendo um mergulho na vida pessoal e criativa de uma figura interessante.

Perto do fim, Val Kilmer diz que não se arrepende de nada em sua vida. Assistindo ao filme, quem tem opinião formada sobre ele pode até não mudá-la, mas pode compreender essa declaração do astro e ficar feliz por ele ter alcançado ao menos paz e contentamento em sua vida.

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...

‘Annette’: Leos Carax instiga público em musical subversivo

*AVISO: o texto contém SPOILERS -- Eu não costumo criar expectativas para filmes. Não costumo assistir trailers e nem mesmo ler sinopses e, embora tenha alguns artistas favoritos e outros nem tanto, assim como todo mundo, sempre assisto qualquer filme partindo do...

‘Caminhos da Memória’: você certamente já viu esse filme antes

É curioso que, para um filme tão interessado em memórias, lembranças e a forma como os seres humanos lidam com elas, Caminhos da Memória seja tão... imemorável.  É a estreia de Lisa Joy na direção, e para quem conhece o trabalho dela como produtora e co-criadora da...