Gosto de acompanhar o quanto a percepção de Zygmunt Bauman é certeira sobre a sociedade contemporânea. O sociólogo, entre outras coisas, destacava como as mudanças de pensamento se tornaram mais fluídas e, portanto, menos ‘preto no branco’. Jam Komasa, diretor polonês, parece ser um dos realizadores que melhor dialoga com a visão de seu conterrâneo. É notório em suas produções as discussões levantadas sobre a juventude atual e sua visão acerca do comportamento ambivalente e sedento por espaço.

Enquanto em “Corpus Christi”, acompanhamos um jovem que deseja se reintegrar à sociedade por meio da religião, aqui em “Rede de Ódio”, longa-metragem disponível na Netflix, o roteiro de Mateusz Pacewicz vai mais a fundo e evidencia os males da polarização política. Para isso, somos levados a entrar na mente de Tomasz (Maciej Musiałowski), um jovem extremamente inteligente e sagaz, mas, ao mesmo tempo, amoral e corrupto.

A ambivalência do personagem é constante no decorrer da projeção e é o que conduz a narrativa. Somos apresentados a um rapaz que chora quando se sente rejeitado – atitude imposta pela sociedade como feminina – e que tem um sentimento velado por uma moça, o que o motiva a ser um agente do caos. Por conta de suas atitudes, Tomasz incentiva o público a ter os olhos constantemente nele, afinal, suas ações são tão controversas que impossibilita quem o acompanha de supor seus próximos passos.

Prova disso são as interpretações variantes de seu comportamento. Em momentos precisos de “Rede de Ódio”, por exemplo, o vemos chorar. Essa atitude, por mais que soe como uma reação de angústia no primeiro momento, vai assumindo novos significados conforme a trama avança, igual a questão política.

PEQUENAS ARMAS DE ÓDIO

Nesse interím, o ódio e a intolerância, que encontram berço esplêndido na internet, tornam-se os maiores condutores da narrativa. As temáticas que o filme discorre derivam desses dois elementos e expõe uma onda de distúrbios que vem crescendo na última década como as fake news e a intolerância política. A partir disso, vê-se com maior evidência a ambiguidade e, por conseguinte, a dualidade que compõe “Rede de Ódio”. Nada é preto no banco, mas nada é tão cinza a ponto de mitigar a rede de ódio criada pelo protagonista.

É perceptivo, no entanto, que Komasa propõe uma reflexão sobre as estruturas duais que governam a sociedade de forma geral e particular. Há dois exemplos bem presentes na narrativa: os políticos e a dona da agência. Eles demonstram a fragilidade da imagem projetada para o público, evidenciando a ambivalência descrita por Bauman, na qual o homem está sempre indo contra as suas incertezas, embora suas reações confirmem o comportamento a qual tanto querem se desvincular.

Os dois políticos representados em “Rede de Ódio” tentam ser diferentes do outro lado da moeda. Enquanto o mais liberal procura enfatizar as políticas migratórias, posando como “cool” entre os jovens e os artistas, o mesmo constrói sua campanha sob o apoio de estruturas progressistas. Do outro lado, o candidato a favor da família, não mede esforços para destruir o seu oponente e se preciso tocando até mesmo em sua vida. Ambos são lados distintos da mesma moeda que é conectada pelo fio em comum: Tomasz.

Como diria Bauman, grandes crimes partem de grandes ideias. Essa afirmação encaixa como uma luva para descrever a sociopatia do personagem principal. Transformar em realidade conceitos vistos como ideais no campo da abstração revelam-se armadilhas tanto para quem os projeta quanto para o outro. E isso é importante para que o filme assuma o tom de um thriller, na qual cada passo é imprevisível e chocante.

Assim, “Rede de Ódio” mostra ser um trabalho interessante e importante para o momento em que surge. Por mais doentias e assustadoras que as decisões de Tomasz soem, elas deixam claro como simples atos – como ignorar alguém no direct – são o suficiente para servirem de armas que alimentam o ódio e que adoecem cada vez mais a nossa sociedade. Torçamos para que não seja um presságio do que a Cultura do Cancelamento pode nos trazer.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...